Páginas

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

No fim da tarde

No fim da tarde.
















Namorando o por do sol suplica o amor
Da fonte da vida do caule, sumindo
Rouba a fonte o que lhe fazia flor
Naquela tarde as forças se esvaindo


Eternamente apaixonada flor secando
Braços furados pendidos para o chão
Como pêndulos contam horas escorrendo
Para a vida que morria de solidão

No seu coração não cabiam suas raízes,
Arrancadas apodrecidas em desencanto,
Oh, Bona Dea venha conceda-lhe sursis


Das lagrimas que jorram em chafariz
Nesta tarde sofrida de seu quebranto
Alivia sua alma de mulher infeliz.














Inspirado no texto de Zeca Baleiro:
"Eu queria ser uma rosa Branca
mais do que me adianta ser uma rosa Branca
que ao ser branca deixa de ser rosa, portanto permaneço em mim,transbordante, habitante do planeta AMOR
firme na idéia Caule só pra ver aonde broto Flor"






Toninhobira


29/08/2010

9 comentários:

  1. Amigo querido, teu poema é profundamente belo
    e emocionante! A cada leitura que aqui faço, me surpreendo mais e mais com a tua afinidade com as palavras, com o teu dom sublime de versejar!
    Deus o abençoe e ilumine sempre anjo poeta!!!
    Carinhos meus a ti, sempre... Bjsss

    ResponderExcluir
  2. Um bom poema é aquele que nos dá a impressão
    de que está lendo a gente ... e não a gente a ele!

    Mario Quintana

    Bjs meu querido.

    ResponderExcluir
  3. Meu amigo, quão gratificante é vir e se deparar com um soneto tão magnífico.
    O poeta descreve com maestria e sensibilidade, a situação da mulher sofredora e apaixonada, que na dor dilacerante, evoca uma desilusão.
    Quero lhe dizer meu amigo, que sinto em teus poemas a genialidade, e sinto teu coração pulsando com as estrelas.
    Me rendo ao teu dom, e agradeço por te-lo como um companheiro das letras a nos presentear, com um pouco da tua alma.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Para uma mulher triste:

    Falar de amor em desencontro
    não é igual a desengano
    É, antes, uma dor de um momento
    que se vai depois do pranto.

    Desengano é ilusão
    Que fica no peito e na mente
    O coração dispara inclemente,
    E a gente perde o chão.

    Abração. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  5. que lindo meu amigo, dá vonta de sentar e ficar apreciando o poema e a imagem por horas, mas fazer o que se a vida urge...rs vivamos então. bjs

    ResponderExcluir
  6. Caro Toninho,

    Achei-o no blog do amigo Cacá,

    Muito aconchegante seu blog!
    Há uma harmonia entre layout, imagens, poesia e sentimentos aqui expressos,

    Prazer em conhecê-lo e segui-lo!

    Abraços poéticos!

    ResponderExcluir
  7. OI amigo, muita paz, tudo de bom para vc. ví o seu post, que lindo por de sol e mais bonito ainda o soneto.um abraço traterno Celina.

    ResponderExcluir
  8. Olá amigo Toninhobira! Gostei deste "Namorando o por do sol suplica o amor", bonito.

    Tenha uma boa semana

    ResponderExcluir
  9. Q imagem mais bela, diante de um por do sol eu fico sem fôlego e emocionada.
    Adorei!

    ResponderExcluir




Obrigado pela sua visita.
Alguma dificuldade ou desconforto neste blog como tamanho de fonte, dificuldade de comentar, links maliciosos etc favor comunicar para corrigir.
Caso não tenha um blog poderá comentar como anonimo e no fim colocar seu nome ou não para que possa agradecer.
Fique a vontade!
Meu abraço de paz e luz.