Páginas

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Soneto da Saudade
















Sinto como é esta saudade
Que se abriga nos pensamentos
Que escraviza nossos desejos
E nos faz viver em tormento

Nossas dores são queimadas
Que se arrastam pela mata
Que nem mesmo rios de lagrimas
Apaga este fogo que maltrata

Amarga a saudade que sente
Largas nuvens de lembranças
Praga que turva a mente

Fulmina como veneno da serpente
Toxina da louca desvairança
Dissemina no peito dor pungente







Imagem do Google.



Toninhobira

02/10/2010

5 comentários:

  1. Falando em saudade, tô aqui neste fim de tarde, lembrando os bons tempos, ouvindo Celso Adolfo, Saulo Laranjeira, Titane...

    ResponderExcluir
  2. Só se tem saudade do que é bom meu amigo!!!!

    Madredeus, lindamente!!!!!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  3. É bem por aí mesmo, quando a saudade é aquela que sentimos de alguem que saiu pro trabalho e custamos esperar a hora da sua volta, é uma saudade gostosa... Mas se a saudade é de alguem que se foi pra sempre, ou de alguem que queremos tanto e nunca vemos, aí ela se torna uma dor que "Fulmina como veneno da serpente
    Toxina da louca desvairança
    Dissemina no peito dor pungente"... Amigo anjo poeta, profunda e belíssima inspiração!!! Tens e terás sempre minha adimiração! Hoje deixo a ti chuvinha de carinho, viu? Pra que você nunca se esqueça dessa sua fã incondicional e que se acha no direito de sentir e ser tua amiga...
    Bjsss

    ResponderExcluir
  4. Oi amigo,

    que lindo soneto da saudade! Me deu uma saudade de não sei o quê...

    Suas palavras sempre tocam fundo, muito bonito!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Meu amigo, bom dia.
    Eu jurava que já tinha vindo aqui e postado um comentário! Ou sonhei! Se sonhei é porque realmente meu apreço e minha estima por esse blog é muito grande!
    Mas realmente, saudade é um negócio que maltrata.
    Saudades como disse a querida Flor, quando se trata apenas de ir ao trabalho e voltar, é uma coisa, mas quando se trata de saudade, cuja presença de quem amamos, não está mais em nosso meio, é uma tormenta.
    Pois ela atrofia a alma, machuca, lentamente.
    E mesmo que fale de saudade em teus poemas, ainda assim mesmo tu consegue trabalhar os teus sentimentos de poeta, com palavras sublimes.
    E isso vemos que sabes fazer bem. É por isso mesmo que chego à bendita conclusão, de que esse sonho que tive, não deixou de ser uma saudade, de por aqui estar.
    Bem, para não me extender, já matei a danada,rsr
    Um abraço afetuoso, e tudo de bom e maravilhoso em teus caminhos.

    ResponderExcluir




Obrigado pela sua visita.
Alguma dificuldade ou desconforto neste blog como tamanho de fonte, dificuldade de comentar, links maliciosos etc favor comunicar para corrigir.
Caso não tenha um blog poderá comentar como anonimo e no fim colocar seu nome ou não para que possa agradecer.
Fique a vontade!
Meu abraço de paz e luz.