Páginas

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Em aço e cimento.






 
O mundo gira e muito rápido,
parece que se perdeu do eixo,
e fora do centro sinto parado,
apatia diante todo o desleixo.

Onde havia arvores agora aço,
crescem as colunas de cimento,
do antigo jardim mísero espaço,
nos meus olhos apenas lamento.

Dói em mim saber da agressão,
e saber triturada a natureza
em nome da perversa evolução
com seu tom cinza e vil crueza.

Mas um poeta ainda me alerta,
destas semimortas esperanças,
daquelas raízes ali encobertas,
rasgarão o chão na vingança.

Aqui neste jardim que agoniza,
folhas secas que cobrem o chão,
levada ao subsolo pela formiga.
De certo virá delas a adubação.


Toninho.
01/01/2015
Veja aqui também outras inspirações: toninhobira.blogspot.com.br/

37 comentários:

  1. Linda e profunda tua poesia. Ficamos tristes mesmo ao ver que, em nome da evolução tantas coisas são derrubadas e viram passado apenas, dando lugar aos espigões,etc... Pena! mas é assim! Linda música essa. Tens um grande bom gosto musical !!

    abração ,lindo dia! chica

    ResponderExcluir
  2. Linda poesia de uma triste realidade. Ao invés d eplantar, desmatam, e depois reclamam da falta de chuva. Aqui na cidade quase morri d etristeza ao ver o vizinho da frete de minha mãe, cortar pela raiz duas mangueiras frondozas da calçada quenão era cimentada, achei ainda que era pq eles iam fazer uma puxada, um quarto, uma área d elaser e a calçada, mas não está a casa agora no sol sem frutas e no chão de barro, a razão dele era apenas para as crianças não brincarem embaixo da sombra. que povo lerdo. Bjs poeta.

    ResponderExcluir
  3. Linda poesia que fala sobre uma triste realidade. E que infelizmente, muitos ainda não tomaram consciência.

    ResponderExcluir
  4. É lindo este seu poema meu amigo!
    Infelismente, é a realidade que temos no mundo de hoje,
    é o progresso, e as altas técnologias... meu amigo.
    que tudo estão a mudar. Beijo de carinho amigo Toninho.
    Fique com Deus....!

    ResponderExcluir
  5. Sim hoje tudo é mútil rápido, abraço Lisette.

    ResponderExcluir
  6. Amigo, entendo o seu lamento. Como arquiteto, posso afirmar que também há jardins e oásis que nascem do concreto e do aço. Abrigos, cidades, enfim, penso ser sadável a evolução, o progresso. O que falta é planejamento, onde o ser humano e a natureza sejam o foco, onde suas necessidades é que estejam sendo atendidas. Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde Toninho.
    Muitas vezes vivemos a nós interrogar poque de muitos aço e cimento, em vez de lindos jardins, mas enfim a vida está mesmo assim, só se pensa em benefícios. Um lindo dia meu amigo.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Querido amigo poeta
    Fico aqui imaginando o porquê de tanta ambição?
    Será que no futuro não muito longínquo teremos que alimentar nosso corpo e nosso espirito com aço e cimento?
    Onde foi parar o discernimento?
    Evolução? Progresso? Para quem?
    Se continuar assim em breve teremos um planeta deserto forjado com o aço das almas insensíveis.
    E esta música "Planeta Sonho" deveria ser um alerta.
    um poema soberbo! Parabéns meu amigo mineiro
    Um beijo daqui de João Monlevade

    ResponderExcluir
  9. Oi Toninho, boa noite, eu também fico triste quando vejo a falta de amor pelas arvores e flores, desprezando lugares lindos, sem se tocarem, lugares que irradiam paz e muita calma nos nossos corações, um grande abraço.

    ResponderExcluir
  10. Olá, amigo Toninho
    Dá tristeza mesmo ver prédios fabulosos onde prevalecia a natureza linda anteriormente...
    Olhos penalizados aparecem em seus versos e com toda razão do mundo...
    Ainda bem que a natureza se recria... coitados de nós!!!
    Bom descanso!!!
    Bjm fraternal

    ResponderExcluir
  11. Toninho,

    Além de ser um grande poeta é amante da natureza.
    Mesmo quando o assunto é outro, dá pra perceber o quanto você tem carinho e cuidado com a obra do criador.
    Desejo que muitas formigas adubem as terras. Esse mundo está ficando muito esquisito.
    Abraços

    ResponderExcluir
  12. Possivelmente, um dia, a natureza conseguirá "vingar-se" de tantas agressões. Aí a Humanidade abrirá os olhos. Porque não se come betão, nem se bebe eletrónica.
    Os poetas e as crianças continuam atentos.
    Abraço, um doce restinho de semana
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderExcluir
  13. No poema o lamento feito sobre o cinza-metálico a existir onde o verde-natureza deveria sempre estar.Irresponsáveis transformações a nos exilar em vida.

    Abraços, poeta.
    Calu

    ResponderExcluir
  14. Oi Toninho
    E quando a natureza é destruída, o Planeta vai ficando insuportável de se viver! Tudo por conta da ganância do homem.
    Também não gosto quando derrubam casas antigas e tão bonitas para construir apartamentos. Apagam, simplesmente, a história do lugar.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  15. A realidade é triste, mas seu poema é lindo! Um abração e uma abençoada Quaresma! Tetê

    ResponderExcluir
  16. Boa noite Toninho.
    Passando para lhe desejar um lindo restinho de semana, no comentário acima me desculpe o meu erro, quis dizer porquê, digitei errado rsrs. Uma linda noite.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  17. É o preço que pagamos pelo progresso, afinal, é um mal necessário, mas há abuso e um péssimo aproveitamento dos recursos naturais, que poderiam conviver com a selva de pedra.
    Música pra lá de bonita, adoro.
    Um abração.

    ResponderExcluir
  18. Infelizmente essa é a realidade: Selvas de cimento. Assim vão se tornando nossas cidades, sem árvores, sem verde, sem aquele saudoso ar puro e tão raro. Belo poema!

    ResponderExcluir
  19. E por toda a parte as árvores de betão agridem sentimentos e olhares que já não têm horizonte nem os aromas que cresceram connosco fazendo- nos reféns deste cárcere que nos constrange cada vez mais . Tudo porque a evolução nos submete a esta escravatura sem retorno .
    Uma magnífica poesia, Toninho com essa sensibilidade emorme!
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  20. Oi Toninho!

    Infelizmente o concreto toma conta de tudo!
    Selvas de pedra, selvas de aço.
    Pobre de nós, criaturas que ama o verde!
    Lindo vídeo!

    Tenha um finde com muita Paz e Luz!

    Abraços

    ResponderExcluir
  21. Obrigado Toninho pelo lindo comentário, sabes como valoriso o que vem de vc, fico feliz. Quanto a sua crõnica, enquanto existir alguem como vc , que através do conhecimento estiver escrevendo sobre a beleza da natureza acho que vc não vai estar sozinho, muitos pensam assim também, Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  22. Meu amigo, tanto o belo vídeo como a sua poesia de alerta, têm um final de esperança.
    É essa esperança que alimenta o verdadeiro poeta que sempre é um eterno sonhador.

    beijinho com carinho


    ResponderExcluir
  23. Olá Toninho
    Principalmente a especulação imobiliária, não tem limites para destruir a natureza em nome de seus fabulosos lucro.
    Abraço

    ResponderExcluir
  24. Oi Toninho que linda poesia.
    Eu também fico triste em ver o concreto tomar conta da nossa linda natureza.
    É uma pena realmente!
    Uma ótima noite Toninho!
    Abraços,
    Mariangela

    ResponderExcluir
  25. Belo poema sobre o tema "devastação", que empobrece nossas vidas e me preocupa muito. Abraços, toninho.

    ResponderExcluir
  26. Oi Toninho se concretarem muito mais, as consequências serão mais catastróficas...Mas a pior concretagem é a da alma, quando não perdoamos, não espquecemos mágoas...Muito linda tua poesia.
    Bom final de semana e abraços praianos.

    ResponderExcluir
  27. Que a esperança do poeta se concretize e a devastação seja interrompida. bjs

    ResponderExcluir
  28. Essa destruicao da natureza me assusta, Toninho.
    E , a natureza anda se vingando!
    Lindo poema! Bjs e um otimo final de semana!

    ResponderExcluir
  29. Olá Toninho,

    Um poema que é um triste lamento, mas que, a final, traduz esperança. Precisamos desta esperança para lutarmos contra os vilões da abençoada Natureza, que a cada dia reage mais violentamente às agressões humanas. É mesmo lamentável ver o verde sendo cada vez mais substituído pelo cinza do concreto. Há que se buscar soluções que permitam o caminhar amigável entre progresso e natureza.

    Muito lindo! Gosto muito da música.

    Obrigada pelo carinho de sempre com essa sua amiga mineira.

    Ótimo final de semana.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  30. ✿olá amigo!(ლ。◕‿◕。) !
    É triste ver como alguns que se dizem humanos, não consigam perceber que até para que exista evolução necessitamos da naturaza.
    O fim de semana está chegando e que ele possa lhe trazer momentos de muitas alegrias e muita inspiração!(。◕‿◕。ლ) ✿Um beijo enorme!✿

    ResponderExcluir
  31. Olá meu querido amigo do coração, seus apelos tocaram meu coração e estou voltando...não sei se a inspiração me visitará sempre rs fiquei muito tempo parada, mas sempre que ela chegar escreverei...
    Quanto a seus versos...perfeitos, dói ver a natureza se extinguir e penso muito sobre isso...
    Beijos meu querido amigo, sempre bom te ler, refletir, me inspirar com teus versos, bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  32. UN TEXTO PARA REFLEXIONAR.
    UN ABRAZO

    ResponderExcluir
  33. Belo texto!
    Dizem que não há como parar o progresso, mas não há nada mais poderoso que a mãe natureza!
    Obrigado pela visita!
    Bjs do Neno

    ResponderExcluir
  34. O progresso, às vezes, é cruel. Faço minhas as suas palavras, Toninho.
    A música do vídeo é maravilhosa e diz muito.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  35. Bom dia meu querido, de certo ainda dorme, mas por aqui já toda a formiguinha rebola, achei o seu poema como todos os outros uns mais outros menos, mas todos de qualidade de primeira.
    Amigo Toninho quase por pouco me fez lembrar o que é roubado ao mar ele um dia vem buscar o que é seu.
    Também me lembra uma planta que tenho na minha varanda, que se chama o pau-do-Brasil, coitada teve pouca sorte em vir para aqui, como as suas folhas são muito cortantes eu a fui destruindo de cima para baixo. Mas a pobre coitada com toda a força da natureza, todos os anos dá sempre um rebentinho.
    Agora apenas lhe vou tirando a força da vida, tenha um santo e feliz domingo com carinhos dos se ente-queridos.
    Beijinhos de luz e paz na alma.

    ResponderExcluir
  36. Mas que linda arte em forma de versos e rimas e que imagem triste, cinza, cheia de cimento.
    Como fazem falta as arvores. Esses dias observamos isso no meio de um sol enorme na cabeça, quente, sem sombras, sem ar...

    Mesmo assim, eu e Maria sempre reparamos a natureza tomando conta... Ainda que os homens tentem acabar com sua naturalidade, ela toma força e renasce.
    É lindo ver os matos crescendo no meio da calçada fria..

    Um beijo grande Toninho e continue nos agraciando com suas belas rimas!

    ResponderExcluir




Obrigado pela sua visita.
Alguma dificuldade ou desconforto neste blog como tamanho de fonte, dificuldade de comentar, links maliciosos etc favor comunicar para corrigir.
Caso não tenha um blog poderá comentar como anonimo e no fim colocar seu nome ou não para que possa agradecer.
Fique a vontade!
Meu abraço de paz e luz.