Páginas

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Era uma vez... Uma rapadura que virou bala.

Comemorando 6 anos na blogosfera a Norma do Pensando em familia aqui pensandoemfamilia. nos convidou para contar uma historia de nossa vida em qualquer época e se possível ilustrado com uma foto. Confiram lá outros participantes.Na minha época foto não era coisa comum, mas sempre aparece uma amarelada.


Era uma vez, um menino que adorava as balas...
Quando era criança no final na década 50, naquele canto de mundo existiam poucas casas de comercio concentradas no centro da cidade. Naquela época o povo tinha a crença, que os desejos frustrados de uma criança provocava nela um mal e diziam que ela estava “aguada”. Como solução recorria às benzedeiras ou buscava satisfazer aqueles desejos.

Eu fui aguado com balas de uma vendinha que tinha no centro da cidade e assim chorava para sempre ter balas enroladas no papel. Meus irmãos cansaram de ter de comprar as balas e para isso tinham que andar muito a pé até o centro.

Assim meu pai teve a ideia de guardar alguns papeis das balas e comprou uma folha de papel colorido e entregou para minha irmã Stelita com a missão de comprar uma rapadura e cortar em pequenos blocos e enrolar no papel e colocar num pote de balas comprado na época. Assim ela fez um pote de balas de rapadura.

Um dia eu estava chorando na minha cadeirinha, pedindo mais balas. Ela foi até a um armário da casa e pegou o pote dizendo que o pai tinha comprado um pote de balas só para mim. Entregou o pote e eu comi quase todo o pote de balas. No meio do processo eu falava que era rapadura e minha irmã dizia, que era bala, mostrando os papeis foi assim, que segundo a família fui curado desta vontade adocicada.

Hoje quando viajo para uma temporada lá por Minas, nos encontros com a família, minha irmã sempre se lembra deste fato com boas risadas. Era uma vez um menino que gostava muito de balas, que acabou comendo uma rapadura e aprendeu que rapadura é doce, mas não é mole e na vida são tantas coisas como uma rapadura.

Toninho

Agosto/2015

pode ver outra historia minha aqui: toninhobira.blogspot
***************************************************************************
Parabéns Norma pelo blog que sempre está focado na família.

25 comentários:

  1. Adorei sua historia... e lembrei demais de minha avo pq ele amava rapadura e sempre falava de criança"aguar"...adorei essa lembrança...bom me recordar disso...

    Beijos, Toninho...


    ResponderExcluir
  2. Lindo registro de amor poeta. estamos d eluto, postei no blog, bjs

    ResponderExcluir
  3. Oi Toninho, gostei muito da sua história, gostei mais da saída que sua irmã encontrou, e o que diz também que na vida tem muita coisa, que não é mole e sim como a rapadura é preciso ter conhecimento e força para enfrentar as durezas da vida. abraços








    T

    ResponderExcluir
  4. Olá, querido amigo Toninho
    Bem, vc me fez reviver minhas preciosas e deliciosas balas de groselha que meu pai amado me oferecia para o lanche da escola diariamente... bom demais!!!
    Gostei muito de ler seu texto leve e angelical mesmo...
    Jesus também se assemelha à rapadura, rs... disse-me uma vez a nossa Madre...
    Bjm fraternal

    ResponderExcluir
  5. rssssssssss...Toninho,adorei tua história! Muito legal e tu foste danadinho!!Aprontaste bem. DOCEMENTE, mas aprontaste,rs abração,chica

    ResponderExcluir
  6. Que beleza de lembranças cheia de aprendizado. Adorei mais este recorte de sua história. Grata pela participação sempre tão atenciosa.

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde Toninho, deliciosa a sua história das balas!
    Lá na aldeia também falavam que criança aguada não vingava;))!!
    Mas seu pai resolveu de forma muita pratica e doce o problema!
    Sabe quem ficou agora aguada? Eu, que não conhecendo a rapadura e ao investigar na net só de olhar fiquei com vontade de comer uma barra inteira,))!!
    Muita linda e terna a sua história!
    Um beijinho e boa semana.,
    Ailime
    (Em Portugal balas se chamavam de rebuçados;))

    ResponderExcluir
  8. Rapadura é doce mas não é mole não... rsrsrs
    Já ouvi tanto essa frase, meu Deus!
    Que delícia nos lembrarmos da infância, de tempos difíceis em que quase tudo ficava no centro da cidade...
    Sei bem o que é isso.
    Uma ótima semana, fique com Deus!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  9. Linda história caro amigo ,qual é a criança que não gosta de doces ,eu me lembro quando era menino esperava a chegada do meu pai do trabalho ,pois ele trabalhava numa confeitaria e sempre trazia barras de chocolate amargo que eu tanto adorava ,já os meus irmãos esperavam pelos rebuçados ,saudades desse tempo de menino onde a vida simplesmente passava sem nos apercebemos ,assim é a inocência de uma criança ,um abraço .

    ResponderExcluir
  10. Pra começo de conversa, amo rapadura. rs Tenho o hábito de tê-la em casa e quebro-a toda, já guardando na medida para abrir o pote e pegar um pedacinho. Nem preciso de papel de bala. rs
    As soluções simples são as melhores e podem resolver grandes problemas, né?
    Muito bom recordar, Toninho,
    Abraço!

    ResponderExcluir
  11. Olá! Rapadura é tão doce, que sua dureza esfarela... Gostei daqui, conterrâneo! www.gravatacombatom.com.br

    ResponderExcluir
  12. Uma literalmente doce participação,Toninho.
    Me diverti com a sua História de vida,muito bem escrita.
    Tenha uma noite tranquila
    Um abraço carinhoso de
    Verena e Bichinhos

    ResponderExcluir
  13. mt legal tua participação,rsrs eu aqui lendo e sorrindo,rsrs
    obrigada pela visitinha carinhosa, bjs

    diário de uma paciente hospitalar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ops, no lugar do link foi um post do face,rsrs o link do blog:http://mentesinfantisfuturodapaz.blogspot.com.br/

      Excluir
  14. Oi Toninho
    Que história mais legal, divertida, gostei muito de saber um pouco sobre o garotinho que adorava balas, e mesmo comendo rapadura, se esbaldou e acabou enfarando das balas.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  15. Boa noite meu amigo,
    Que história mais linda, adorei!
    Gostei muito do pormenor da foto.
    Parabéns, você escreve muito bem!
    Paz e Bem, amigo Toninho, Um abraço e beijo fraterno.
    Feliz e abençoada semana na paz de Cristo.
    Muito obrigado por todos os seus carinhosos comentários que deixa no meu cantinho!
    Josélia

    ResponderExcluir
  16. Oi, Toninho!

    Quanto tempo, não é? Você está muito bonitinho na foto, pra começar, rsrs
    Adorei a história. É linda a inocência das crianças, que são enganadas e aceitam com tanta naturalidade o que lhes é prposto. Mas, você, num dado momento,pensou: peraí, isso aqui é rapadura, rsrsrs garoto esperto! Só que sua maninha foi mais espertinha, né? Gostei. Parabéns!

    Grande abraço
    Socorro Melo

    ResponderExcluir
  17. Oi Toninho...
    Gostei demais de conhecer essa parte da sua história... Que coisa, hein, fizeram com você!? Rsss, o pessoal naquele tempo tinha uma criatividade "bisonha", né?...
    Meu marido gosta dessa expressão: "Rapadura é doce mais não é mole!"
    Legal ver a sua foto e texto no Era Uma Vez...

    Abraços aos dois... Parabéns novamente p Norma...

    ResponderExcluir
  18. Toninho,

    Amo fotos antigas!
    A ação do tempo nas fotos me encanta, sabia?
    A maioria das fotos do meu pai estão amareladas e com manchas. Nem ligo.
    Mas que coisa, hein? Seu pai era bem esperto! KKK
    Outros tempos, tempos que os pais precisavam ser criativos para alegrar os filhos.
    Amei a estória das balas de rapadura!
    Obrigado por compartilhar!

    Bjksss

    ResponderExcluir
  19. Bom dia Toninho.
    Que bela historia de amor, dando um jeitinho para lhe acomodar nos seus desejos por balas rsrs. Bela foto, ainda pequeno. Com certeza muito coisas são como raspadura doce ,mas não é mole. Precisando se bem ingerido. Ontem por aqui também sentir frio a noite, ao chegar em casa sentir um ar da noite, um vento gostoso, muito bom rsrs. Uma linda semana meu amigo. Um forte abraço.

    ResponderExcluir
  20. Oi Toninho!
    Esta tua história é linda, e muito normal para todos nós mineiros, que morávamos nos sítios. E quando íamos passear na cidade, ficávamos aguados com as guloseimas "diferentes" das nossas, que tinham por lá!
    Época boa. Sem contar que amo rapadura, e aqui eu não fico sem, pra comer um pedacinho pura, ou fazer pé de moleque.
    Linda recordação amigo.
    Abração!
    Mariangela

    ResponderExcluir
  21. Lindo texto,amigo!
    Não devemos esquecer de nossas raízes,
    assumir nossa história de vida é ser fiel a si mesmo!
    Bjos e uma semana de luz,amigo!
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderExcluir
  22. Muito bom Toninho, sua habilidosa irmã conseguiu satisfazer seu desejo, é isso; fizeste uma ótima comparação...
    Lembrei da minha infância qdo desejei comer pão pela primeira vez. Parabéns pelo relato.
    Tenha um dia azul.

    Fraterno abraço!

    ResponderExcluir
  23. Muito bom Toninho, sua habilidosa irmã conseguiu satisfazer seu desejo, é isso; fizeste uma ótima comparação...
    Lembrei da minha infância qdo desejei comer pão pela primeira vez. Parabéns pelo relato.
    Tenha um dia azul.

    Fraterno abraço!

    ResponderExcluir
  24. Boa noite, Toninho.
    Tive de rir muito aqui.
    Que danadinho, rs!
    Você devia ser terrível, e espertinho, só que seu pai foi mais do que você.
    Comeu "gato por lebre".
    Não sabia que tinha tanta postagem, querido.
    Quando for assim, me avise.
    Tenha um fim de semana de paz!
    Beijos na alma!!!!!!

    ResponderExcluir




Obrigado pela sua visita.
Alguma dificuldade ou desconforto neste blog como tamanho de fonte, dificuldade de comentar, links maliciosos etc favor comunicar para corrigir.
Caso não tenha um blog poderá comentar como anonimo e no fim colocar seu nome ou não para que possa agradecer.
Fique a vontade!
Meu abraço de paz e luz.