Páginas

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

O meu rio do meu riso.


Um rio.
Há um rio que brota,
no fundo dos meus olhos
jorra continuamente de mim,
que vem desaguar no meu coração,
inunda este mar de todas as saudades.

Pobre rio sufocado e seco,
com suas entranhas expostas,
devastada a margem sangra imunda,
morto de sede olha para o mar à frente,
falta-lhe força para navegar até o mar.

O rio que morre em mim,
foi troca maldita da vil moeda,
que ainda queimará as mãos traidoras,
de um falso progresso que de nada medra,
libertou as garras afiadas das mineradoras.

Rasgaram as montanhas,
estenderam suas vísceras ao sol,
com olhar triste olha um rio agonizante
vê o leito seco .Há morte reinante.
 São peixes mortos de sede.
O rio secou o sorriso.

Toninho
Agosto/2015

Inspiração veio de Portugal blog da Ailime

*********************************************************************************
Onde eu nasci passava um rio,um córrego a Vale matou cada um.

25 comentários:

  1. Um lindo poema cheio de saudade e tristeza que se derrama na alma e extracaza em versos.

    ResponderExcluir
  2. Pobre rio de outrora, de tantas farras, alegrias...Como mudou! Lindo poema ,como sempre, expressivo" bela inspiração lá da Ailime! abração,chica

    ResponderExcluir
  3. Caro amigo, seu desabafo através deste lindo poema, infelizmente é realidade em muitos lugares do nosso pobre e vilipendiado Brasil.
    Um grande abraço e obrigada pelo seu carinho, suas belas palavras sempre deixadas no bloguinho.

    ResponderExcluir
  4. E seca até nossas esperanças num país que poderia ser um lugar onde o ecossistema fosse respeitado, pois as grandes empreiteiras e o governo mais fazem para destruir do que para construir... Um abraço meu amigo.

    ResponderExcluir
  5. Que lindo poema, tão bem inspirado e repleto de verdades!
    Como é triste vermos os rios maravilhosos secarem suas fartas águas...
    Uma pena!
    Abração!!
    Mariangela

    ResponderExcluir
  6. Agora ao ler este lindo momento veio-me à memória a terra dos meus pais ,um rio que rasga a linda serra da estrela por entre socalcos e vales verdejantes saciando a sede de todos ,felizmente um rio fértil cheio de vida ,parabéns um lindo poema ,um abraço.

    ResponderExcluir
  7. Lendo este seu poema seca as nossas esperanças de ver a natureza preservada onde o rio possa seguir seu curso levando a fertilidade e alegria para muitos rincões
    Belíssimo poema meu amigo. Parabéns
    Beijos e carinhos daqui de Minas Gerais

    ResponderExcluir
  8. Os paralelos, as licenças poéticas, as palavras em união, são lindas de ler e a sensação e o prazer de ler é sublime!

    ResponderExcluir
  9. Boa noite Toninho, há pouco olhando de relance os meus blogues encontrei a sua referência à inspiração sobre o rio agradecendo a menção.
    O seu poema é muito belo e fala de uma realidade que também me angustia.
    Por coincidência ou não num programa de TV daqui informaram que o meu rio logo ali mal acabado de entrar em Portugal se encontra poluído com milhares de peixes mortos.
    Seja pela seca ou pela insensatez de quem escoa para os rios os poluentes que lhe tiram a vida estamos passando uma época em que a mão do homem está a destruir o planeta. Como compreendo que tenha um rio a brotar dos seus olhos.
    Fico-lhe muito grata por as minhas simples palavras o terem inspirado a escrever tão belo e sentido poema.
    Beijinhos e continuação de um bom mês de Agosto.
    Ailime

    ResponderExcluir
  10. Toninho, um belo poema de desabafo e saudade.
    É muito triste ver a natureza sendo destruída!
    Um grande abraço.
    Amara

    ResponderExcluir
  11. Toninho, quanta lindeza nessa sua inspiração.
    Acredito que as maiores poesias estão na natureza.
    Vou matar saudades por aqui.
    Xero

    ResponderExcluir
  12. Lindo e sensível seu poemal... É uma triste realidade, a natureza agredida dessa forma brutal.
    Abçs Toninho!

    ResponderExcluir
  13. Embora você se tenha baseado noutro poema, isso não tira valor àquilo k você escreveu, Toninho!

    Escutei a canção, k não conhecia e de k gostei bastante. Seu poema é uma elegia àquele rio do passado, do rio da sua infância, qdo tudo nele pulsava.
    O progresso, por vezes, traz retrocesso, mas Deus, um dia desses, vai pôr colocar tudo na ordem.

    Bom resto de semana.

    Beijos, amigo!

    ResponderExcluir
  14. Belo poema,boa música,acompanhada de imagens boas para se admirar.
    Boa noite

    ResponderExcluir
  15. O homem é inimigo do homem. Abraços.

    ResponderExcluir
  16. Um clamor poético diante do descaso do ser humano que vem prejudicando o planeta e deixando saudades como seus versos nos revelam. bjs

    ResponderExcluir
  17. Os rios andam a sentir a forma indelicada como os tratam. E estão a morrer.
    Seu poema é um hino a natureza maravilhosa que faz os rios desaguarem no mar. E nos nossos corações.
    Abençoados sejam os poetas que tão bem sabem traduzir sentimentos em palavras.
    grande abraçoTonninho

    ResponderExcluir
  18. Olá Toninho.
    Passando rapidinho para lhe desejar um feliz final de semana. Um lindo poema, que pena que a natureza não é conservada e ainda é destruída. Um forte abraço.

    ResponderExcluir
  19. Um poema que é uma chamada de atenção para o problema dos rios que não chegam ao mar por motivos vários. Além de ecológico tem subentendida uma melancolia presa à alma.
    Boa inspiração através da Ailime...
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  20. Toninho, um poema belo e realista! Você e Ailime, dois poetas muito sensíveis e profundos...

    Abraços e boa tarde...

    ResponderExcluir
  21. ه❀╯
    Uma secura só!
    Um mar empoeirado de minério!...
    Bom fim de semana!
    Beijinhos.
    ╰❀⊱ه° ·.

    ResponderExcluir
  22. Oi Toninho , verso lindos através deles vc chama atenção de não maltratar a natureza , ,mais cedo ou mais tarde vem a resposta, se cuidarmos bem ótimo, se não, todos serão responsáveis, com as respostas nada boa, que virá da própria natureza, Abraços














    ResponderExcluir
  23. Assim aconteceu com o meu rio , Homem de nome mas que homens não só o secaram como afogaram toda uma aldeia. De uma aldeia comunitária ( a única que havia) tudo ruiu com a barragem em nome do progresso .
    Secam os rios, não o rio da saudade !
    Tão lindo poema Toninho onde a sensibilidade vem à tona como os peixes
    Grande e fraterno abraço querido amigo

    Hoje não , mas tem sido difícil entrar no seu blog . Mas agora tudo normal. **

    ResponderExcluir




Obrigado pela sua visita.
Alguma dificuldade ou desconforto neste blog como tamanho de fonte, dificuldade de comentar, links maliciosos etc favor comunicar para corrigir.
Caso não tenha um blog poderá comentar como anonimo e no fim colocar seu nome ou não para que possa agradecer.
Fique a vontade!
Meu abraço de paz e luz.