Páginas

sexta-feira, 18 de março de 2016

Um grito na garganta

#Uma imagemem140caracteres é uma BC semanal idealizada pela Silvana e Mari, especialmente esta semana turbulenta a Silvana forneceu duas imagens para escolha. Pelo momento atual da nação, usei as duas imagens em minhas inspirações, onde a segunda completa a primeira. Busquei mostrar que toda cautela é devida. Visite, conheça outros amigos por lá, basta um click nos nomes das idealizadoras.


 Amassada cheirando naftalina,
Lançada sobre a sua televisão
Saiu para virar outra pagina
Vestiu nova bandeira pela nação.
Foi para o protesto.

 Toninho.
18/03/2016

Desacreditada sem esperança
Isolada do grupo de protesto
Perdera toda sua confiança
Mirou a lagoa o ultimo gesto.
Com a sua bandeira se lança.

Toninho
18/03/2016

**********************************************
O crítico momento por que passa o país onde ânimos estão acirrados, amigos se agridem e relações se desfazem e todos os excessos estão possíveis ao vivo ou nas redes e torna muito perigosa a situação.  

O importante é que nossa emoção sobreviva e que esta esperança de mudar os rumos da nação, não nos faça refém de atos não pensados e que saibamos respeitar aqueles que divergem de nossa opinião. 

Bom fim de semana a todos.

terça-feira, 15 de março de 2016

Criança solidária,




Um temporal caiu sobre a cidade. Com ele o velho problema dos alagamentos que deixa a cidade caótica no transito acrescido das várias arvores tombadas sobre a rede elétrica.

Do outro lado da cidade a dor era maior com perdas de casas e vidas, embora já tivessem sido advertidos do perigo, mas preferiram apostar na sorte rezando, fazendo promessas aos santos. A chuva nada perdoou, levou tudo com sua fúria indomável.

Nos noticiários cenas emotivas dos sofrimentos dos desabrigados. Os bombeiros ativos na árdua tarefa de resgate de pessoas e animais de estimação ilhados.  Uma cena comoveu a todos na cidade a retirada de uma criança morta em meio à lama. E foi assim que Raudiney assistia a tudo pela televisão no conforto de seu quarto. Viu as pessoas abrigadas nas escolas e tendas feitas pelo exercito. O resgate da criança fez o menino chorar copiosamente, ao tempo que a mãe entrava no quarto e pensou em desligar a televisão.

Na manhã seguinte sem chuva, os noticiários faziam uma geral da cidade com as pessoas desabrigadas e convocando a população para doações de agua mineral, agasalhos, remédios e alimentos. Raudiney chamou a mãe dizendo que queria participar da campanha. A mãe aceitou e se dirigiram para o mercado. Ele mesmo escolhia o que doar baseado no noticiário. Quando terminava se dirigiu para um balcão e apanhou um arranjo de flores e colocou sobre as compras.

Saíram em direção a uma das tendas controlada por uma freira. Foram recebidos com um sorriso por uma assistente social, que agradecia a solidariedade do menino inclusive fez questão de fazer fotos dele no ato das doações. Mas ficou curiosa com o arranjo de flores assim como a mãe.
Após tudo distribuído com as flores na mão, olhou para a mãe e para a assistente social e pediu que ela enviasse as flores para a mãe do menino retirado sem vida da lama para colocar sobre seu caixão. A mãe estava a poucos metros deles e assim os quatros se abraçaram em meio às lagrimas.
Quando um raio de Sol atravessou a lona da tenda os iluminando.

Toninho.

15/03/2016

Com este conto participo da BC_botando a cabeça para funcionar, onde uma imagem é apresentada para inspiração livre. Conheça e participe aqui: chicabrincadepoesia