Páginas

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Cortar o tempo

Salve 2011 !!!

Com Drummond para desejar a todos que me visitam
Um Feliz 2011, com sonhos se realizando.
Com esperanças se renovando em cada dia.
Que estejamos sintonizados.
Eu quero todos comigo,pois cada um de voces leva um pouco de mim.
Meu abraço e beijo de luz no seu coração.










Cortar o tempo.
"Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.
Industrializou a esperança
fazendo-a funcionar no limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano
se cansar e entregar os pontos.
Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra
vez com outro número e outra vontade de acreditar
que daqui para adiante vai ser diferente...

Para você,
Desejo o sonho realizado.
O amor esperado.
A esperança renovada.

Para você,
Desejo todas as cores desta vida.
Todas as alegrias que puder sorrir.
Todas as músicas que puder emocionar.

Para você neste novo ano,
Desejo que os amigos sejam mais cúmplices,
Que sua família esteja mais unida,
Que sua vida seja mais bem vivida.
Gostaria de lhe desejar tantas coisas.
Mas nada seria suficiente...
Então, desejo apenas que você tenha muitos desejos.
Desejos grandes e que eles possam te mover a cada
minuto, ao rumo da sua FELICIDADE!!! "

Carlos Drummond de Andrade

Salve  2011 !

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Eu lhe daria amor.








foto Clipart Microsoft





Eu lhe daria o meu (e) terno carinho
Ornava de flores a sua janela
Dourava lhe os cabelos no sol ardente
E nos meus olhos a paixão acendia

Via este sol que testemunhava
Nas manhãs primaveris que inspiravam
Sentia o abrasar de meu sangue acelerado
Na vontade insana de tocar-lhe as mãos

Veja no brilho dos meus olhos a ansiedade
Ouça o meu canto de esperança
Que minh’alma implora de felicidade
Com meus versos na sua lembrança.

Ah, amor não tarde acordar
Não permita que meu canto
Se cale nesta ânsia de amar
Que você inspira tanto.




Toninhobira
13/12/2010

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Branca de Neve bailarina.























Queria ser bailarina, sonho de menina
Embalada nos sonhos e fantasias sutis
Num branco se vestiu enfermeira se fez.  
Mas seu amado apaixonado extasiado
Numa Branca de Neve lhe viu.

A noite era quente, lenta prévia de verão.
Certa canção do Roberto se ouvia.
No perfume do corpo o convite de amar
Olhos atentos desejos libidinosos fantasia.
Ela baila no corpo e ele a se queimar.

Toma-lhe as mãos suaves cheio de amor
Nos seus olhos que brilham linda poesia
Corpos ardentes em chama se perderam
Naquele todo branco de loucas fantasias

Em cada caricia um suspiro de êxtase
No corpo que fremia em doce querer
Nos corpos que clamam sem limite de prazer
Naquele instante nenhum senão apenas ceder.

Entre bocas alucinadas se entregaram
Em mãos desordenadas acariciaram
Em línguas frenéticas insanas deliciaram
Naquela viagem erógena que embarcaram
Na linda fantasia que a vida lhes oferecia.




Toninhobira
20/12/2010.

Da série: Apenas um exercício da imaginação: sobre esta onda de Sex Shop, que invadiram as grandes cidades na busca de reacender a arte erótica de amar. 













Em tempo desejo a todos meus amigos Um Feliz Natal na paz e que possamos saber do pão em cada mesa de cada lar que se reúne neste dia para celebrar a vinda da esperança.
Sem fartura Meu Deus, mas com pão.

Creditos das imagens Google.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Maldito vil metal














  


Dizem as más línguas que todos têm um preço sendo diferenciados pela necessidade que faz o monge.  Basta que o valor seja próximo da sua necessidade ou mesmo muito além dela, que veremos o mais forte cair nesta miserável rede de destruição da moral e personalidade.

Alguns dizem ser cultural e eu fico a pensar em toda aquela educação onde cada um sabia o que lhe era de direito e o que a mão não devia.  Tempos terríveis estes em que cada pessoa se perde no olhar umbilical e não consegue se afastar do vil metal, que tanto mal tem feito a sociedade e toda comunidade, numa enxurrada de falcatruas espalhadas por todos os cantos. Passiveis a todo e qualquer tipo de traição, irmão desconhece irmão nesta ambição filha da usura.

Como pode ainda admitir que pessoas sejam comercializadas pelo estomago, pela falta, pela pobreza?

Que tempo é este amigo, que as pessoas se trocam por alguns trocados e que lá onde deveria haver transparência, o que vemos é uma ventania de cédulas escondidas nos lugares mais inconcebíveis, causando este mal estar que tanto nos angustia e desanima.

Fico pensando nos países que adotaram o Paredon para estes casos, e se isto aqui acontecesse, nossos ouvidos não suportariam o barulho que ecoaria pela nação. Sonho com o renascer da esperança, recriando a dignidade, extirpando das pessoas as piores mazelas herdadas de um sistema corrupto e corruptor, que por fim acaba fomentando a miséria e dela tirando seus proveitos perpetuando no poder de quem pode mais e rouba mais.
Como educar e incentivar a vitoria pelo trabalho e esforço, se o que mais se vê, são pessoas se locupletarem, pela política e administração publica e todo tipo de apadrinhamento?

Onde foi que erramos, permitindo que tal lepra mutilasse a seriedade e transparência da vida política?




Toninhobira.
14/12/2010

Indignado com as cifras exorbitantes do processo de corrupção e desvio que se pratica nesta nação, contra este legislar em causa própria, criando os benefícios mais absurdos.
Enquanto isto se aprova um aumento de 41 % aos federais deputados que negaram aos aposentados e todas as classes trabalhistas um aumento próximo da realidade.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Amor impossível amor.















Nos tachos o calor, no peito a dor nos porões.
Lá onde se perdia em tamanha desilusão
Numa espera inútil insana de reviver o amor
Que jamais passaria naquele lugar de dor.
Onde nem mesmo se sentia valor.

Um amor que nascera no meio do canavial
Onde o sol castigava aqueles homens
Em cada rosto a angustia a saudade emoção
Lembranças daquele inferno navio de terror
Que os trouxe para este mar de desilusão.

Cada fala deste moço alfinetava o coração
Palavras de incentivo morriam sem vidas
Sem nexo apenas levavam minha emoção
Ainda lembro suas lagrimas rolando no peito negro
Como rio sertanej0 preguiçoso em seu leito.

Apenas segurava-lhe as mãos
Com palavras de esperanças de vida futura
Onde só mesmo o Criador aliviaria sua agonia
Onde nada de fantasia invadiria seu coração.

E daquele teto de porão gotas pingavam suaves
As gotas caídas no corpo ardiam como chibata
Outras lhe caiam na boca causavam alucinação.
Assim vivia de boca para o alto aliviando o coração.


Sem traumas remexendo num tempo infeliz da historia do Brasil, que nenhuma reparação apagará o rastro de maldadee desrespeito ao ser humano.
Paralelo à lenda da invenção da pinga (cachaça).

Toninhobira
08/12/2010

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Homenagem recebida




Algumas coisas que nos acontecem que buscamos compartilhar.

Vejam amigos minha alegria e emoção deste poeta estelar.


Obrigado Claudio Poeta. 

Favor acessar o link abaixo.

 
http://vidaalta.blogspot.com//



Toninho
15/12/2010.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Desejo de amar II












 



O desejo de amar que me alucina
Como Sincronia das aves de arribação
No corpo emoção e desejos tudo se aglutina  
Olhos nos olhos, cena muda pura paixão

Equilibrar na balança da emoção.
No instante que lá fora nada interessa
Na busca do limite, a aproximação
Passos rítmicos na vida que se apressa.

Ardente na vontade do corpo que deseja
Desejos tontos momentos de volúpia
Parada, estática entrega o que se almeja

O desejo de amar no medo de sofrer
Corpos desejosos reprimidos na angustia
Viver na euforia na loucura do querer 





O sol levantou mais cedo e cegou
O medo nos olhos de quem foi ver
Tanta luz. (Beto Guedes)

Uma reedição do Recanto das Letras.
Toninhobira.
28/11/2010