Páginas

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Pelas ruas de Itabira




Divagando com Drummond
Pelas ruas de Itabira.

Numa de minhas voltas a Minas precisamente para Itabira, tive um sonho com o Drummond passeando pela cidade. Estava sentado ao meu lado, conversava sobre a cidade. Ele revelara sua decepção com o processo de degradação da cidade, com as serras desnudas, sem o frescor das manhãs, sem as águas do córrego da Água Santa, onde tantas vezes banhara, pescara lambaris e bagres, hoje estava sujo de lama de minério de ferro. Era só tristeza.

Questionei, se ele não estaria um pouco rancoroso, pois a cidade evoluíra, com a extração do minério tão cobiçado pelos gringos, o que fez de Itabira o centro, a capital do novo ciclo mineral. Lembrei a ele, que as autoridades até se preocuparam com suas memórias e refizeram a casa grande de sua fazenda e colocada numa serra com suas janelas voltadas para o seu Pontal, inclusive com aquela varanda onde antes deitava no final das tardes numa rede, que ganhara de presente de um amigo Cearense estudante de Ouro Preto, e ali lia as historias de Robinson Crusoé.

Sorrindo ele questionou sobre os pés de jabuticabas, em volta da casa, aonde os pássaros vinham fazer festa. Ele não estava nada satisfeito com o esforço, feito para resgatar sua memória. Criticou os caminhos Drummonianos, que para ele estavam desinformados, depredados e pouco realçados. Ele ainda me lembrou, passeando pelo centro, que as andorinhas no paredão da catedral estavam desaparecidas, e lembrou rindo, que numa revoada, certa vez um delas deixou suas fezes caírem na batina negra do Padre Zé Lopão. Sorri imaginando as palavras sufocadas na boca do lendário padre, com aquele corpanzil, se esquivando das fezes.

Neste clima saudosista o convidei para conhecer a nova Itabira. Seguimos para a entrada da cidade, no local chamado Areão, lá estava uma imensa estatua sua, mas com a mão vazia de uma maleta, que alguém roubou dias após a inauguração. De frente da estatua está uma Maria Fumaça, de tantas viagens e sonhos. Mas com olhos tristes deparou com a velha locomotiva degradada, deixou cair uma lagrima e sentou num banco no caminho de pedra, quando um trombadinha passou como raio e levou sua valise.

Fiquei sem argumentos com ele, pois esta maleta continha todos seus últimos escritos por editar. Ele me fez lembrar, que já havia perdido os óculos na praia de Copacabana lá no Rio de Janeiro. Para consolar ou persuadi-lo, citei que em Salvador na praia de Itapoã haviam roubado o encosto da cadeira de Vinicius de Morais, e uma maquina de datilografia do Jorge Amado numa avenida que leva seu nome. E que pior ainda, tinham levado o braço de Pelé, na frente do estádio Fonte Nova, deixando lhe sem sua amiga de tantos tempos e glorias. Que o povo andava um tanto quanto desmiolado. 

Assim, numa tentativa desesperada de fazê-lo menos rancoroso e saudoso, o convidei para recordar a infância e caminhar saltitante equilibrando pelos trilhos da linha férrea. Num instante pude ver renascer um largo sorriso infantil em seu rosto. Embrenhamos linha a fora, chegando até a estação. Pegamos o trem e seguimos viagem de retorno no tempo, deixando para trás uma Itabira atualizada no tempo, mas bem esquecida e perdida na memória. 


Observações:
 1-Em Salvador-BA, na Praia de Itapuan tem uma estatua (bronze) de Vinicius de Morais sentando numa cadeira e uma mesa, alguém quebrou o encosto da cadeira.
  
2-Em Salvador-BA na entrada do ex-Estádio Fonte Nova uma estatua (bronze) de Pelé segurando uma bola teve este braço arrancado com a bola. 
3-Em Salvador nos ano 80 um monumento com varias maquinas de datilografia foi montado em homenagem ao Jorge Amado na avenida que leva seu nome. Aos poucos as maquinas foram roubadas.

4-No Rio de Janeiro-RJ no calçadão de Copacabana a estatua (bronze) de Drummond constantemente tem os óculos roubados. 

5-Em Itabira-MG uma estatua de Drummond segurando uma valise, teve esta valise roubada.

 6-Em Itabira a VALE reconstruiu a casa de Drummond que funciona como museu e faz parte do roteiro chamado Caminhos Drummonianos.

7-Em Itabira a chácara do Intelecto é uma área preservada pela VALE, o zelador dela chamava-se Sr. Intelecto.

Toninho/2009

33 comentários:

  1. Gostei da crônica que nos traz realidades duras dos tempos atuais. Volta ao passado pode se capturar lembranças que se teima a ser corrompida pelos brasileiros corrompidos.
    bja

    ResponderExcluir
  2. Toninho
    Brilhante e perfeito o triste resgate que Drummond fez da linda Itabira de seu tempo, no seu sonho! Tudo de bom ouvir o Milton lendo uma crônica tão fantástica qto a sua! Beijão com muito carinho!

    ResponderExcluir
  3. Deixei a nuvem turbulenta e voltei amigo, obrigado por tudo.

    Uma boa noite pra vc.

    beijooo.

    ResponderExcluir
  4. Olá Toninho,

    Não conheço essas paragens´, no entanto foi bem agradável de ler o seu texto.
    São duras realidades!

    Bjs de luz.

    ResponderExcluir
  5. S[ó tu conseguistes fazê-lo esquecer dessas tristezas todas, vandalismos que cometem, ao passear com ele num lindo caminho pela linha férrea e todos os recantos...Deu pra vê-lo sorrir...LINDO,Toninho!!! és DEZ!!! abração,chica

    ResponderExcluir
  6. É Toninho,
    mas a av. João Pinheiro melhorou demais pelo que vejo falar.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  7. Ah, Toninho que delícia de crônica onde mistura ficção e realidade!
    Uma pena que nosso povo não dê valor aos nossos grandes nomes, mas isto é o reflexo da falta de educação e carinho para com este mesmo povo.
    bjs cariocas

    ResponderExcluir
  8. É toninho, que belo sonho estava te acompanhando, andei pelas ruas que sempre descreves nas tuas crõnicas, ví o que restou do riacho, um pequeno filete dágua e a linha ferrea que nos traís tanta recordação, toda cidade do interior tinha a sua Maria Fumaça, para mais tarde servir de recordação, lembrando o seu apito saudoso na última curva ao chegar na estação.É amigo é o preço do progresso, tem que ser assim, basta que guardemos na nossa memoria como um filme para recordar, com diz o proverbio 'Recordar é Viver'. Um abraço Celina,

    ResponderExcluir
  9. O seu carinho é tão contagiante,
    que se eu estiver me sentindo triste,
    suas mensagens sempre conseguem me animar.
    A sua amizade é importante para muitos,
    e principalmente para mim.
    Só o fato de você existir já é motivo de alegria
    Obrigada pela paz que você transmite,
    e pela luz que irradia do seu coração.
    Beijos no seu coração,Evanir...

    ResponderExcluir
  10. Boa noite meu querido amigo!
    Muito bom te ver lá no meu cantinho...seus comentários engrandece sempre...
    Sua crônica retrata muito bem a escultura pela arte da perseverança.Do exaustivo trabalho em busca da perfeição...
    bjssssssssssssss

    ResponderExcluir
  11. UM lindo sonhos saudosista com um dos melhores poetas brasileiros. Vocês conversaram um bocado hein Toninho. O Drummond na verdade nunca morrerá, vivo estará não só em nossos sonhos, mas nas suas preciosas obras.
    Amei!
    Beijos e boa noite!
    Carla

    ResponderExcluir
  12. Olá Toninho,
    Simplesmente brilhante esta divagação com Drummond.
    Com ela, vieram informações sobre Itabira e o
    maravilhoso poeta.
    Lamentável como os vândalos não respeitam os nossos símbolos históricos.
    Abração.

    ResponderExcluir
  13. Sonho ou realidade, Se
    trata de uma triste
    realidade. Você resgatou o que disse Drummond em "Confidência do Itabirano" em seus versos finais:

    Tive ouro,tive gado,tive fazendas. Hoje sou funcionário público.Itabira é apenas fotografia na parede. Mas como dói.

    ResponderExcluir
  14. Esse retrato na parede já lhe doía há mais de cinquenta anos. Hoje, acho que lhe sangraria a alma, tamanho o progresso que cobriu de poeira (cheia de sílica) o restante do bucolismo , do romantismo desta nossa tão degradada cidade. Que homenagem maravilhosa, meu amigo! Esta, sim, pode fazê-lo sorrir lá dos céus. Meu abraço. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  15. Nossa, que post 10. Aprendi muito com ele. Eu sabia da estátua dele no Rj, e sei que toda vez que roubam os óculos, dizem que logo em seguida eles repõem. Não sei...mas não sabia dos outros monumentos. Que bacana! estou montando um post já faz um tempo sobre os poetas brasileiros e este post vai me ajudar.
    Quanto ao sonho, eu acredito que não foi só um sonho...e que privilégio...andar e bater papo com Drummond...é um sonho...

    Um beijo com carinho

    ResponderExcluir
  16. Um Lindo Dia.Poeta *Uma apresentação ímpar,gostei muito de ler,conhecendo um pouco do amigo e de seus lugares.Depredação das estátuas dificil conter,tomara seja por amor e não por futilidade.
    Grata pela visita e pela citação em teu blog.Grata por ser um seguidor meu.Parabéns,sucesso sempre.
    Bjus\Flor*

    ResponderExcluir
  17. Nossa! Ficou muito linda e emocionante tua crônica!
    Só mesmo você pra nos presentear com tão rica leitura!

    Amado amigo,
    Tua amizade sincera e pura
    Ilumina meu céu...
    Acorda a aurora, faz minha vida raiar
    Leva embora a tempestade
    E meu Sol volta a brilhar!

    Carinhos mil pra ti, viu?
    Beijos
    Suelzy

    ResponderExcluir
  18. Poeta imenso, imortal que nos faz sonhar,,,abraços de bom dia pra ti meu amigo.

    ResponderExcluir
  19. Bom dia,Toninho!!

    Impressionante seu sonho!!!Um texto incrível!!!
    Infelizmente muitas coisas mudam e nem sempre pra melhor...o que é bem triste...
    Não conheço nada de Minas( e tenho conhecido tantos mineiro, que despertaram minha curiosidade...), e me senti encantada , em passear pela cidade, ainda mais com companhias tão importantes!!!!Obrigada!!!

    ResponderExcluir
  20. Toninho querido amigo mineiro...linda a cronica cheia de saudades e tantas coisas a resgatar de um passado.valorizar as raizes..
    muito lindo..
    um abraço
    titi

    ResponderExcluir
  21. Meu amigo
    Teu texto como sempre é primoroso.
    Não tenho palavras para dizer o quanto ele é tocante e demonstra toda tua sensibilidade.
    Agora te pergunto:
    -Esperar o que de uma parcela composta de bárbaros que entre nós habitam?
    Bárbaros, incultos, indolentes e sem amor próprio! Esperar o que dessa corja?
    Aqui há muito tempo numa praça, havia um busto do padre Kentenich. Imaginas o que aconteceu?
    -Alvo dos tiros de traficantes! Acho que vai demorar muito para chegarmos a um nível de França, Japão ou Alemanha...
    Um abraço fraterno, e um bom dia.

    ResponderExcluir
  22. Que coisa boa esta lucidez para viajar entre as asas de um poeta. Que bom quando temos a oportunidade de abraças alguém desta estirpe! Um sonho real, pelo qual não podemos deixar para trás.
    Um abraço, meu amigo!

    (qualquer dia, quem sabe, encontrar-nos-emos nas asas da Panair. Lá, no clube da Esquina, poderemos contar mil casos)

    ResponderExcluir
  23. Viajei por essas ruas, amigo mineiro!!!
    Pena que há tanto descaso por parte de quem pratica o vandalismo!!!


    Bjs meus

    ResponderExcluir
  24. Menino que texto mais delicioso de saborear... Fui sentindo e filmando teu encontro... Eu diria fantástico... Parabéns... É lamentável que a humanidade não entende o quanto é importante preservar pedaços de uma história que fez parte de um gostoso passado... E eu te falo amanhã eles nada terão para recordar... Te deixo um beijo carinhosamente...

    ResponderExcluir
  25. Oi Toninho, vc sabia que já recebi uma ligação telefônica do Drummond? Pois é, isso não é ficção não....já contei isso no blog...delícia de relato esse seu... gostaria de sonhar com meu velho amigo, mas ele nunca veio me visitar...amei! beijos,

    ResponderExcluir
  26. Toninho o encanto desse sonho foi imenso.
    Drummond, de alguma forma.
    Mas fico triste também de observar a arte sem merecimento, por aqueles que não entendem nada delas.
    Afinal, só se dá o que se possui.

    Beo texto amigo.

    ResponderExcluir
  27. °º✿
    º° ✿♥ ♫° ·.
    Passei para deixar um abraço
    e um beijo bem itabiranos.
    °º✿
    º° ✿♥ ♫° ·.

    ResponderExcluir
  28. bom ter vindo divagar com vc e Drummond, pelas ruas de Itabira, Toninho.
    (Amiga, peço-lhe desculpas pela minha ausência; só agora estou me recuperando da dor da perda de meu irmão, neste dia 13/08. A saudade é imensa, mas a dor é um pouco menor. Me desculpe o "copiar e colar", neste recadinho. Beijo grande, com saudade.)

    ResponderExcluir
  29. Meu amigo

    Uma viagem carregada de emoção...adorei ler este texto belíssimo.

    Um beijinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  30. Um texto que muito nos comove, nossa realmente é muito triste, e você sempre com seu talento sabe nos passar exatamente os sentimentos que te invadem a alma, amigo tem na página Carinhos de meu blog um selinho pra ti, é só pegar, beijos Luconi

    ResponderExcluir
  31. Oi, Toninho!

    Que sonho fantástico! Quer dizer, a oportunidade de prosear com Drummond, pois, os atos de vandalismos são abomináveis. Infelizmente acontecem em todas as cidades do Brasil,denotanto a falta de educação do povo.

    Excelente abordagem, num texto muito bem escrito.

    Um grande abraço
    Socorro Melo

    ResponderExcluir
  32. Toninho!
    Que bom que você gostou da forma como eu li seu poema, fico feliz!
    Não esqueça de fazer um link por aqui convidando seus amigos para irem lá no Me and You ver como ficou sua poesia narrada, ok.
    beijocas cariocas

    ResponderExcluir
  33. Toninho, gostei deste "Caminhos de Itabira" e lamento o que fazem com as estátuas do poeta e de outros. Gosto muito também daquela fotografia da locomotiva: linda! Abraços.

    ResponderExcluir




Obrigado pela sua visita.
Alguma dificuldade ou desconforto neste blog como tamanho de fonte, dificuldade de comentar, links maliciosos etc favor comunicar para corrigir.
Caso não tenha um blog poderá comentar como anonimo e no fim colocar seu nome ou não para que possa agradecer.
Fique a vontade!
Meu abraço de paz e luz.