Páginas

sábado, 26 de maio de 2012

Olhar na beira do cais.










 O Sol pela manhã ainda nem chegou naquele cantinho de praia. Ao longe visualizo a figura solitária daquela mulher com seu olhar debruçado sobre as águas. De longe ouço uma cantiga triste, já conhecida pelos moradores solidários, que assistem todos os dias este lamento pela manhã.
        Próximo dela ainda vejo pescadores também solidários. Eles na rotineira preparação de seus barcos, antes de se lançarem neste mar, entregues a toda sorte na esperança de redes cheias, para o sustento de suas famílias, bem como no excedente, atender a clientela da vila.
         Emoções afloram no instante curioso daquela mistura entre a cantiga melancólica daquela mulher e a dos pescadores carregada de crendices à Iemanjá, e outros seres que habitam este mesmo mar, que cantam em espécie de oração com pedidos, para que lhes façam sucedidos na volta do mar com seus barcos cheios de peixes e sem acidentes. O mesmo mar que nunca mais devolveu o homem daquela pobre mulher, que o viu entrar pelo mar numa manhã chuvosa e que agora perdida, ela se desespera e despenteia na beira do cais na espera inútil.
        Assim é a vida naquela vila de pescadores, um ritual repetitivo assistido por algumas gaivotas, que namoram os barcos com seus peixes. Sonhos que se misturam esperanças que embarcam e outras que deveriam desembarcar, todos tem uma forma de ser feliz ou crer na felicidade. Da janela já vejo o Sol, que se espelha no mar. O barco solitário que baila sobre as águas num lindo sobe e desce, agora leva bravos pescadores para mais uma aventura neste imenso mar, carregados de sonhos e desejos.
        Então vejo a mulher que retorna cabisbaixa em direção à vila, com seu vestido roto a cobrir aquele corpo, agora alterado pela gravidez daquele pescador, que talvez nunca possa receber nos braços sua amada e filho. E os barcos com seus valentes pescadores vão desaparecendo lentamente nas descidas e subidas das águas, os olhares desviam do mar e se voltam para a vila que aos poucos vai retornando na sua vidinha praieira, para tudo recomeçar numa nova manhã de esperanças e lagrimas.

Toninho.
24/05/2012.


 ***********************************************
foto do site Olhares Paula Valentino. 

Desejo um bom fim de semana a todos amigos. 
*********************************************************
Obrigado Calu pela interação com Haikai.

Olhos perdidos
choram lágrimas amargas
corações partidos.

38 comentários:

  1. Eu sempre observava esses olhares das mulheres que fitavam, ao longe, os seus maridos que se aventuravam dia após dia no mar bravio em busca do sustento familiar.Eram olhares tristes!
    Beleza o teu conto.
    Abração.

    ResponderExcluir
  2. Tão lindo,Toninho! E numa viagem ao Nordeste, observei bem esses olhares delas, olhando seus homens no mar, se voltam, cheias de filhos ao lado, esperando...olhando!! Adorei! abração,chica

    ResponderExcluir
  3. A princípio, nota-se o título e imagina-se que será uma bela história. Ao ler sua crônica, percebe-se que nela há mais beleza do que se pode imaginar. É a vida simples passando com vista para o mar.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Olhos perdidos
    choram lágrimas amargas
    corações partidos.

    Por toda narrativa presenciei a cena sentindo a tristeza da mulher parada à beira do cais.Sonhos que se foram nas águas do mar.
    Linda e tocante narrativa, amigo Toninho.
    Bjos,
    Calu

    ResponderExcluir
  5. É cena triste! É cena emocionante! É sina!
    Lindo conto, Toninho! Meu grande abraço!

    ResponderExcluir
  6. Lindo e triste Toninho!!
    Uma profisão que é uma aventura mesmo essa de pescador.

    Beijos e bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  7. Um mar grandioso que alimenta e encanta.
    Precisar dele pra viver é aventurar-se ,sempre.
    Uma história bonita, apesar de triste Toninho.
    Deixo um abraço e desejo bom domingo, ótima semana.

    ResponderExcluir
  8. Boa Noite Toninho.=Tocante e profundo
    teu texto.O Mar com seus mistérios,se calmo
    nos brinda com suas águas douradas,se bravio,
    traz em suas ondas as tristes venturas dos que já não voltam mais.Parabéns.Bjus\Flor*(O Google me exigiu o meu nome real,e meu nick ficou só para as matérias.coisas da rede.rsrs

    ResponderExcluir
  9. "Contam que toda tristeza
    Que tem na Bahia
    Nasceu de uns olhos morenos
    Molhados de mar."

    Os versos acima são da música CONTOS DE AREIA, interpretada por Clara Nunes. Na medida em que eu ia avançando pelo texto, os versos dessa música foram me tomando, e não pude deixar de citar aqui, quem sabe, os mais belos versos de um samba que eu já tive a oportunidade de ouvir. Letra e música de Romildo Bastos e Toninho Nascimento.

    Toninho, meu caro amigo. Te peço perdão por invadir desta forma o seu maravilhoso texto. A sua percepção do ambiente é perfeita, e a capacidade descritiva está num patamar superior. Ler foi o mesmo que estar ao lado da mulher, olhar para o mar na mesma direção que ela, e se entristecer também.

    Citei acima que a música da Clara é um dos mais belos sambas que conheço, mas este seu conto é, com certeza, um dos mais cativantes e belos ao se dirigir ao nordeste e a sua cultura. Um Conto de Areia, e um Olhar na Beira do Cais. Fantástico.

    Toninho, sua arte vai ficar marcada como um instrumento de sedução da alma. Tenho lido a Celêdian poetizar magnificamente lindas imagens. Você poetizou uma melodia em minha mente. Parabéns.

    Um ótimo fim de semana pra ti e toda a família, meu amigo.

    Abraços.

    Marcio

    ResponderExcluir
  10. Amigo hoje só estou passando para lhe desejar um santo e feliz domingo, com muita saúde , paz e amor no seu coração ... que a vida sempre lhe sorria.

    ResponderExcluir
  11. Olá Toninho, que lindo post com teu olhar humano poético!É a vida para muitas mulheres que sabem que o mar é o sustento mas que ele sem dó rouba seus amores. Parabéns!! Beijos!

    ResponderExcluir
  12. É meu amigo, conto muito bonito e nostalgico é a preocupação e dor que toda mulher de pescador enfrenta em ser a sua companheira,sabendo o perigo que o companheiro vai estar sempre exposto, ignora a atração que o mar exerce sobre as creaturas principalmente os pescadores, as minhas filhas que tem pavor de enfrentar o mar ou rio numa embarcação rí quando digo se fosse homem as profissões escolhidas seria a de pescador ou jardineiro. Agradeço o teu comentário sempre centrado. um final de semana de muita paz, Celina

    ResponderExcluir
  13. Em mistérios e palavras. O mar com suas águas e suas palavras refletidas... Parabéns pela inspiração.

    Que você tenha um excelente domingo. Cheio de paz, luz e alegria.
    Forte abraço.
    Tatiane Salles.

    http://tatian-esalles.blogspot.com.br/

    Att.

    ResponderExcluir
  14. Olá Toninho,

    Emocionante!
    Um conto tristonho, que mostra a realidade da
    vida daqueles que vivem da pesca, arriscando suas vidas nas águas do mar.
    O conto envolve e encanta pela sua bela narrativa.

    Ótimo domingo para você e família.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  15. Prezado amigo, boa tarde!
    Realmente gosto muito de ler seus textos. Estes seus textos que por vezes você nos deixa aqui, são textos cheios de vida. Você tem o dom de detalhadamente dar vida ao texto; é como se o leitor estivesse a viver estes sentimentos retratados, ao invés de os ler.
    Pude através desta fotografias ver os pescadores partindo mar adentro...
    Também pude ver o desespero misturado com esperança estampado no rosto da mulher; e senti a nostalgia da musica...
    Um texto que nos (me) leva a viajar...
    Um lindo e inspirado domingo para você
    Lembranças
    Ange.

    ResponderExcluir
  16. Emocionante o conto...ainda mais ao som de "Cais" de Caetano...

    ResponderExcluir
  17. Olá Toninho,

    Maravilhso esse conto, porém triste, realidade de pescador,e os mistérios do mar. Pelos detalhes a gente viaja em seu conto, lindas cenas,essas gaivotas que enamora os peixes no barco. Lembrei de uma familia que conheço e mora aqui no ES. Alguns são pescadores e passam meses no mar. Essa é uma vida muito dolorida para aqueles que sobrevive dessas pesca. Que Deus proteja todos esses pescadores.

    Parabéns pelo maravilhoso conto amigo.

    Desejo que sua semana seja só de benção. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  18. Toninho,história muito cativante que envolve do começo ao fim!Final comovente,lindo!Bjs e boa semana!

    ResponderExcluir
  19. Toninho amigo mineiro como vai você?...um conto tristonho..mas é a realidade daqueles que ariscam a vida na pesca...boa semana querido..abraço.........titi

    ResponderExcluir
  20. Um conto que traz a realidade praiana na rotina dos pesacadores e familiares que se deparam com as esperanças da pesca e o temor da partida sem volta.Parabéns pela snesibilidade com que a retrata.
    Bjs,

    ResponderExcluir
  21. Agradecida e honrada com sua visita, meu blog é muito simples,sao posts rapidos, traduzindo meu estado de espirito, geralmente escrito pelas maos de outros...outros falam por mim... nao tenho o dom da escrita assim como vc...
    Tenha uma otima semana de paz...

    ResponderExcluir
  22. Lindo e triste, como na vida de todos nós, uma alinhavo de sentimentos que se refazem na rotina,
    tendo o mar como fundo deste cenário cheio de dúvidas e esperanças. Você nos faz viajar nas suas bem desenhadas palavras, recebo-as como um carinho,

    Bjs.~

    ResponderExcluir
  23. Bom na poesia,craque nas crônicas,meu amigo,vc é 10!
    Abração

    ResponderExcluir
  24. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  25. Olá,Toninho!!

    Nossa... que história!!Um lindo texto,cheio de emoção.
    Uma pena que tenha que ser assim na vida...

    Beijos,meu amigo!

    Obrigada pelos comentários sempre tão gentis.
    Boa semana!
    *Tive que arrumar o comentário.Faltou um pedaço!Desculpe!

    ResponderExcluir
  26. Boa tarde, Toninho amigo!
    Que beleza de narrativa, junto com a música de fundo que está perfeita!
    É isso mesmo! Em certos lugarejos deste imenso país, têm muitas mulheres assim, esperando, esperando, esperando.
    Lindo texto, parabéns!
    bjs cariocas

    ResponderExcluir
  27. Você com esse olhar ilminado pela sensibilidade narrou com lirismo doce essa tristeza tão cortante. Uma beleza!

    Ela precisava inventar um cais para si mesma. Para aportar de toda a vã espera e angústia e seguir em frente; eis o ciclo doloroso da vida que não deixa de ser bela, no entanto.

    Abraço grande, amigo! Paz e bem.

    ResponderExcluir
  28. Oi Toninho!
    É uma triste realidade, buscar ganhar o pão do dia-a-dia tendo que se submeter à sorte, seja ela qual seja ao entrar no mar. Lindo seu conto e tão verdadeiro, dava para escutar o lamento.
    Abração e uma ótima semana!

    ResponderExcluir
  29. A vida é um recomeço constante...

    Bjs meus

    Catita

    ResponderExcluir
  30. Olá Toninho querido,
    Este texto sensibilizou-me muito. Emocionei-me ao lê-lo, pois parece-me ver aquela pobre e sofrida senhora a esperar indefinidamente o esposo e pai de seus filhos, todas os fins de tarde, à beira do mar. O grande e mágico mar, que alimenta os pescadores, mas que também, seguidamente, rouba vidas nas suas ameaçadoras e gigantes ondas.
    Triste, mas real seu texto!
    Um grande beijo e uma ótima semana para você, amigo.
    Maria Paraguassu.

    ResponderExcluir
  31. Suas crônicas são lindas Toninho ,se você pintasse quadros seriam lindos,sempre que leio o que escreve a paisagem se forma.
    bjs

    ResponderExcluir
  32. Toninho achei tão real que fui lembrando de algumas histórias que conheço.
    Lindo texto!
    Xeros

    ResponderExcluir
  33. Como é bom vir aqui e sentir esta harmonia, esta mensagem de Paz absoluta. Obrigado, amigo Bira, que Deus o abençoe sempre!

    ResponderExcluir
  34. Meu querido Toninho,

    Meu olhar se debruçou sobre o teu poema e sentiu a melancolia do canto daquela mulher e a esperança dos pescadores de peixes e de uma vida mais digna.
    E o canto invadiu a minha casa e a minha alma,canto de teu poema e de tua inspiração.
    Muitos beijos,
    Leninha

    ResponderExcluir
  35. Belo alvorecer amigo querido !!!!!
    Sua crônica nos mostra o palco da vida,onde a mulher representa um drama ,ou uma comédia para viver ou sobreviver com seu olhar em busca da volta de quem se foi mar adentro...
    bjs com sabor de orvalho !!

    ResponderExcluir
  36. Meu querido amigo

    Quanta esperança e serenidade encontrei neste poema...obrigada.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  37. Amigo Toninho
    Você arrasou com este conto.
    É pura emoção. O homem e o mar, a mulher que espera com lágrimas e angústia, crendices e as gaivotas em volta dos barcos.
    É divinal a sua inspiração.

    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  38. Verdade amigo cada um faz suas escolhas nesta vida, abraço Lisette.

    ResponderExcluir




Obrigado pela sua visita.
Alguma dificuldade ou desconforto neste blog como tamanho de fonte, dificuldade de comentar, links maliciosos etc favor comunicar para corrigir.
Caso não tenha um blog poderá comentar como anonimo e no fim colocar seu nome ou não para que possa agradecer.
Fique a vontade!
Meu abraço de paz e luz.