Páginas

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Crime na escuridão.













Morte na escuridão.

Foi numa noite chuvosa com raios e trovões na cidade pé de serra. A presença de minerais faz com que lá os raios sejam intensos. Coisa de dar medo com a sequência de trovoadas vibrando as janelas das casas. Rua deserta com enxurrada parecendo rio. Por um momento a cidade ficou numa escuridão, após um raio riscar o céu descendo á terra. Com o apagão os sons da natureza se fizeram perceptíveis. Ouvia-se com nitidez o som das águas sobre objetos no quintal. Em meio à fúria da natureza, ouviu-se um grito vindo do fim da rua. Naturalmente devia ser alguém a correr e procurando se esconder da chuva, que não cessava. 

Com o fim da chuva e retorno da energia elétrica, a vizinhança logo procurou empurrar as águas, que acumularam nos alpendres das casas, que eram curtos e com parapeitos, onde as crianças e mesmo adultos gostavam de sentar para conversar e ou namorar. Neste instante alguém gritou, sobre a presença de um morto próximo à garagem da ultima casa. Foi correria geral, mas não era gente conhecida. O sangue e água se misturavam, pela calçada. Uma vizinha cobriu o corpo com um lençol. Podia se ver perfurações de balas de arma de fogo. Todos estranharam não ouvir o tiroteio, pois se notava pelo sangue, que era coisa bem recente.

Junto ao cadáver, uma tampa das baterias de controle remoto e duas baterias pequenas, além das capsulas de calibre 32 foi, que foram recolhidas pela policia técnica. Os moradores em depoimentos negaram ouvir sons de arma de fogo alegando a ocorrência de muita chuva com fortes trovões naquela noite além da falta de energia. 

Pelas perfurações excluía a hipótese de queima de arquivo com execução, pois as balas atingidas ao corpo, não foram direcionadas à cabeça. Não poderia ser assalto, pois a perícia encontrou relógio no pulso e carteira com algum dinheiro e um celular no bolso do defunto. Então diante das evidencias, direciona-se a investigação para roubo, perseguição e morte do ladrão. A polícia com as evidencias e material colhido, estava convicta, que o criminoso era da rua, vitima de assalto à residência durante o apagão, viu o assaltante e o perseguiu, recuperando o aparelho, mas ficando para trás o controle remoto. 

Sigilosamente a policia conseguiu o mandato de busca nas casas próximas. Assim nas incursões em uma delas observou que o aparelho de DVD estava com o controle remoto sem tampa e sem baterias. Diante da coincidência, fizeram uma busca no quintal daquela casa e encontrou no meio da bananeira, o revolver calibre 32 com três balas deflagradas. Mas as pessoas presentes na investigação, afirmaram que não sabiam de nada sobe aquela arma. O caso foi levado para o delegado titular para prosseguir com inquérito e intimações dos suspeitos.

Toninho.

Exercício: Criar um conto policial:
 -Criminoso
- como crime se deu 
- causas

18 comentários:

  1. Olá, Toninho! No início, lembrei-me muito das tempestades aqui na minha cidade, de dar medo... depois, o texto revelou um crime, que apesar de desvendado, não pode ser punido... sensacional!

    ResponderExcluir
  2. Olá Toninho querido,
    Muito bom o seu conto! Gostei muito!
    Nada pior do que um temporal como o que narraste, envolvendo um crime e, ainda mais, com as características que destes ao fato.
    Grande beijo, amigo.
    Maria Paraguassu.

    ResponderExcluir
  3. Os temporais são mágicos e nos levam a criar coisas absurdas dentro de nós, além das reais, é claro!!!
    Grande abraço, meu amigo!

    ResponderExcluir
  4. Ótimo conto amigo! Perfeita descrição da tempestade!
    Boa semana!
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Muito bom o conto...o crime misturado a tempestade ficu otimo...

    ResponderExcluir
  6. Puxa. criaste o clima perfeito para o crime e foste muito bem nessa narrativa.Instigante...Resta desvendar a verdade... abração,chica, de volta!!

    ResponderExcluir
  7. Esse é um crime a ser investigado pelo SSI...
    Perfeita construção amigo!

    Beijos de flor.

    ResponderExcluir
  8. Olá meu querido amigo, faz tempo que não nos viamos através da nossa escrita.
    É sempre um prazer vir aqui e ler suas histórias, suas narrativas, e seus poemas, quando saio levo sempre uma aprendizagem, porque aprender nunca é demais e aprendemos sempre até que a morte nos leve.
    Tenha uma linda semana com beijinhos de luz e muita paz...

    ResponderExcluir
  9. Esta mistura tornou o teu delicioso conto, ímpar.Muito boa a construção, meu amigo!
    Abração.

    ResponderExcluir
  10. Nossa, bárbaro, bárbaro, bárbaro, amigo!! eu amei!! em um momento pensei que estava a ler algum romance policial de Agatha Christie. Eu devorava os livros desta escritora na adolescência. Eu nunca gostei de ler romances, nem mesmo os clássicos, não tinha paciência, mas Agatha li quase todos. Como eu amava! e aqui agora, me senti voltando no tempo e lendo-a novamente. Excelente a sua crônica, Toninho!! apenas ficou com o gostinho de "quero mais". Será que vai ter continuação? fico na torcida! risos!

    Um beijo com carinho, amigo escritor e poeta!

    ResponderExcluir
  11. Oi Toninho!
    Os temporais por si já imprimem este ar de suspense e de fantasias em nossas cabeças. O seu cenário ficou perfeito, muito bom seu conto e ainda deixou o suspense no ar.rss
    Abração!

    ResponderExcluir
  12. Olá Toninho,

    Foi conto ou realidade?
    Se foi fictício, não deve ser muito diferente da realidade.
    Cenário de temporal, de confusão, é propício a que os assasssinos atuem.
    Mal de quem morre.

    Grata por seus comentários em meu blog.
    Beijos da Luz.

    ResponderExcluir
  13. Oii amigo mineirinho, bom estar aki novamente, obrigado pela visita durante minha ausência, e que suspense esse heim quero saber o desenrolar desta investigação, acho que raios e trovões favorecem um crime quase perfeito pelo menos abafa os tiros rsr parabéns! Abraços

    ResponderExcluir
  14. Olá meu caro,

    Muito bem narrado. Real.

    Grande abraço

    Leila

    ResponderExcluir
  15. Quando bate a saudade sempre dou meu gentinho
    de fazer minha visita .
    Mesmo sendo uma colinha é o único geito
    de me sentir pertinho de você.
    Quero que saiba que sempre vou amar cada um de vocês
    embora minha tristeza é grande em não poder comentar .
    Creia leio todas as postagens e guardo no meu coração.
    Quem sabe depois da cirurgia alguma coisa melhore ,
    mais isso já é com Deus fé eu tenho e muita.
    Um beijo no coração,Evanir..

    ResponderExcluir
  16. Muito bom, cheio de mistério e suspense.Mais uma revelação.
    bjs.

    ResponderExcluir
  17. OI TONINHO!
    CONTO BEM ESCRITO, CONTENDO O PRINCIPAL INGREDIENTE, PARA SER CONSIDERADO BOM, PRENDER A ATENÇÃO DE QUEM O LÊ, OBJETIVO BRILHANTEMENTE CONSEGUIDO...
    ABRÇS

    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderExcluir
  18. Oi Toninho

    Um conto policial muito bem elaborado não diferente do cotidiano daqui desta metrópole.No início pensei até que fosse um crime recentemente noticiado na mídia. Mas daí ficou o suspense do prosseguimento da investigação com a arma encontrada deflagrada e abafada com a chuva e o barulho dos trovões?

    Uma linda semana para você.
    Beijos.

    ResponderExcluir




Obrigado pela sua visita.
Alguma dificuldade ou desconforto neste blog como tamanho de fonte, dificuldade de comentar, links maliciosos etc favor comunicar para corrigir.
Caso não tenha um blog poderá comentar como anonimo e no fim colocar seu nome ou não para que possa agradecer.
Fique a vontade!
Meu abraço de paz e luz.