Páginas

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

A menina do rio.


A menina do rio.











A pescaria é uma atividade prazerosa em pequenas cidades onde passam rios ou córregos, mas pescaria de barranco uso de varas. Para muitos um lazer e para outros o sustento da família. Vem desta prática a onda de mentiras atribuídas aos pescadores. Cresci ouvindo as mais estranhas historias das noites de pescaria. Por isso mesmo só pescava pelo dia.  

Na minha região os pescadores eram cheios de crendices. Lembro que alguns tinham por crença, cortar a primeira isca (minhoca) com os dentes para depois coloca-la no anzol, pois assim seria bem sucedida a pescaria e juravam de dedos cruzados, que funcionava e eu cri e obedeci e juro, que foi uma farta pescaria. 

Numa de minhas férias escolares sempre na casa da Vó, saímos para pescar pela noite, pois havia a indicação de um bom pesqueiro num córrego ali perto, fartura de peixes como Lambaris, Mandis, Bagres e Trairas. Preparamos tudo no fim da tarde, anzóis, varas e as famosas minhocas puladeiras, que são as mais atrativas pelos peixes. Quando o Sol sumiu atrás da serra, sai com os primos, despedimos da Vó com promessa de almoço no dia seguinte com peixe frito passado no fubá. Minha avó adorava esta maneira, era uma boa pescadora, mas nunca pescava pela noite. Sempre tinha suas crenças com a noite e as assombrações.

Seguimos até o córrego, levando facão, lanterna e o embornal com merenda. Preparamos a área com o facão e armamos as varas sob nossos olhos atentos para a fisgada. Horas se passaram e nada de peixe, o primo fez uma reza e nada de peixe, apenas um cágado foi fisgado, mas lançado longe ao córrego, pois segundo ele se um cágado é fisgado, o pescador não pesca mais nada. Assim se aproximava da meia noite e nada de peixe. O mais velho falava mal a má sorte. Foi aí que sentimos uma rajada de vento tombando o capinzal e vimos uma menina branquinha de cabelos dourados caminhando sobre as águas. Com uma voz suave ela disse que o córrego estava cheio de peixes, mas que pescador não sabia pescar. Não sabemos como terminou, nem como alcançamos o caminho de volta, chegamos a casa sem peixes e varas e suados como uma mula velha. Contamos o fato e ninguém na casa acreditou na historia.

Ainda hoje quando vou por aquela região e passo pelo local, ainda sinto aquele frio na pele naquela infeliz pescaria.

Juro que foi assim.

Toninho.
Historias que meu pai contava e que minha irmã Joaquina fica relembrando.
***************************************************************************

Se quer saber um pouco de mim, 

Clic no link abaixo e vá até o blog da querida Anne Lieri.

http://recantodosautores.blogspot.com.br/2012/08/recanto-entrevista-toninho-bira.html 

28 comentários:

  1. Gzuisss, que medo, de arrepiar, isso é que é história de pescador, e das boas, ainda bem que era uma menina aparentemente doce! rsrsr abraçossss

    ResponderExcluir
  2. Ainda bem que não estou sozinha em casa!! Credo! Que medo!!! rsrs

    Quantas lindas recordações povoam tua mente,né/Isso é maravilhoso! E tua avó sempre nelas...Isso fica pra sempre. Mas confesse aqui, só pra nós e o mundo... Foi verdade?sr abração,tuuuuuuuuuudo de bom,chica e lindo fds! Ah! Obrigadão pelos carinhos todos! chica

    ResponderExcluir
  3. Ai nem me fale nessas histórias lembro muito d emeu maravilhoso avô que contava cada história de medo hehehe, ai que saudadessssssssss

    ResponderExcluir
  4. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk... Mêdo faz coisa! rsrsrsrs... Adorei!!!!!!!!

    Beijos perfumados.

    ResponderExcluir
  5. Oi Toninho!
    Nooooossa que medo, me arrepiei só em ler.rsss
    Muito boa a sua história!
    Abraço e um ótimo fds!

    ResponderExcluir
  6. Olá, Toninho
    Eu também ouvia histórias mas de casa mal assombrada e alma do outro mundo...
    Isso fica tão marcado em nós mesmo não acreditando mais...
    Deus te cubra de bênçãos e te faça muito feliz!!!
    Abraços fraternos e festivos de paz

    ResponderExcluir
  7. Toninho, meu amigo, tá parecendo história de pescador.... mas que é interessante, isto é....Um abençoado e feliz final de semana!
    Abraço carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Que linda, que viagem gostosa! ri também com ela, rs. Engraçada.
    A passagem com a vó e o medo da noite me fez relembrar a minha, que também tinha o mesmo medo, e sempre nos contava histórias de fantasmas no meio da noite. Que linda viagem...

    Adoro demais te ler! voce é maravilhoso com as palavras!

    Um beijo carinhoso, amigo querido!

    ResponderExcluir
  9. Olá, amigo, passei aqui para parabenizá-lo pela linda frase, na festa da Rosélia e encontro essa história assustadora? Hummmm! Parece filme? Grande abraço!

    ResponderExcluir
  10. Que mineiro nao conhece historias de assombraçoes contadas ao redor do fogao a lenha?
    Um otimo fim de semana de paz pra vc Toninho...
    Beijo...

    ResponderExcluir
  11. Toninho,tá explicado porque vc tb é bom contador de histórias!Seu pai tb gostava de contar "causos"e esse foi de arrepiar mesmo!Já postei sua entrevista e o povo tá adorando!Obrigada,Toninho!bjs,

    ResponderExcluir
  12. Oi Toninho,

    Crenças, sempre, as houve, há e haverá, em todas as atividades.
    Comprendo a sua sensação, ainda hoje, tal como as palavras de sua sábia avó.

    Bom fim de semana.
    Beijos da Luz.

    ResponderExcluir
  13. ¸.•°`♪♪♫

    Pena que agora não se tem nem rios, nem peixes e nem histórias para contar...
    Só poluição!...
    Bom fim de semana!
    Beijinhos.
    °ºBrasil♫º
    ♫♪.•彡♡彡•.♪♫

    ResponderExcluir
  14. Gostei da história da menina do rio, pena que não esperaram o que ela tinha a dizer rs, desde criança sou fascinada por essas histórias poeta, tenha um bom fim de semana amigo. bjus, Ignez

    ResponderExcluir
  15. Os "causos", tudo indica herança familiar. Recurso transformado em literatura. Segui cada palavra querendo saber o final...Arripei!!!
    bjs
    Bom final de semana

    ResponderExcluir
  16. E acompanhada dessa história de pescador, aliás uma das melhores que já ouvi... li né? sinto o cheirinho do fogão a lenha....kkkk

    Boa mesmo!!
    Bjos e bom fim de semana!

    Vou lá na Anne, claro.

    ResponderExcluir
  17. Excelente a sua contribuição na festa da Rosélia! Parabéns!

    Tudo o que se faz na vida precisa ter Amor, Humor e Significado!
    Estou lançando um Selo Desafio amanhã, 26/08, gostaria muito da sua adesão respondendo às questões e participando da semana de festa de aniversário do blog!
    Projetando Pessoas - 2 anos de Blog!
    abraço Sandra
    http://projetandopessoas.blogspot.com.br//

    ResponderExcluir
  18. Toninho não sabia que existia minhoca puladeira, e que nojo cortá-la com os dentes, será que minhoca sente dor? Desde criança me pergunto isto, coitadinha. Agora eu adoro este tipo de conto, que pena que fugiram, gostaria de saber se ela iria ensiná-los a pescar, vê viro criança e não duvido de nada, afinal nesta vida tudo pode acontecer, beijos Luconi

    ResponderExcluir
  19. À meia noite, hora marcada para o inicio de um novo dia. Nessa marcação, num espaço, chega uma bela menina com seus cabelos dourados. O pescador joga sua isca na correnteza do rio e descobre histórias verídicas em todos os cantos da pescaria.

    ResponderExcluir

  20. Olá Toninho,

    Fiquei aqui rindo ao imaginar a correria da turma (rsrsrs). Estas estórias, que acredito façam parte da vida da infância de muitas pessoas, enriquecem esta fase tão gostosa de nossas vidas.
    Também já ouvi inúmeras que o meu pai contava e afirmava ser verdadeiras. A maioria ela relacionada a "aparições" na estrada, pois ele foi caminhoneiro em uma época de sua vida.

    Adorei a a estória e a leitura. Será verdadeira?...tcham... tcham... tcham.

    Ótimo domingo. (Vou lá na Anne).

    ResponderExcluir
  21. Oi Toninho, estive lendo a sua crõnica, , parece um pacote esses causo são igualzinhas as que o meu tio contava quando vinha da pescaria, só de ouvi-las ficava noites sem conciliar o sono, mais quando chegava a outra semana estava lá para ouvi-las, parece que exerce uma certa atração sobre nós crianças.Um abraço carinhoso Celina.

    ResponderExcluir
  22. Adoro!!!!

    http://estilohedonico.blogspot.pt/

    xoxo

    ResponderExcluir
  23. Histórias de arrepiar, mas a gente não consegue desgrudar.Mistério, fantasia, crença, tudo junto faz nossas cabecinhas infantis darem voltas.
    Causos de assombrar, amigo Toninho.
    Abraços e uma abençoada semana.
    Calu

    ResponderExcluir
  24. Oi Toninho
    História de pescador mesmo, hein.
    Bastante interessante, gostei muito.
    Agora este negócio de cortar minhoca com os dentes, cruzes, que horror, nunca ouvi falar.
    Grande abraço e obrigada por estar sempre presente lá no bloguito.

    ResponderExcluir
  25. Boa noite, amigo!
    Estória gostosa, como só você sabe bem contar.
    Sabe que eu nunca pesquei? Acho que deve ser legal, qualquer dia vou tentar, mas acho meio difícil eu ficar calada pros peixinhos não sumirem. rsss
    Toninho, tô esperando você por lá para deixar uma frase.
    abraço carioca


    ResponderExcluir
  26. "Não sei,só sei que foi assim"(Chicó, do Auto da Compadecida)
    rss adorei Toninho
    beijos

    ResponderExcluir
  27. Caro Toninho

    Que história incrível. Sei de muitas conversas de pescador, mas como este é de arrepiar.

    Você me fez lembrar o rio de minha infância (sem a menina do rio, é claro). Tinha todos esses peixes. Um deles (o povo e meus pais chamavam de piquira). Meus irmãos e minha mãe tinham o hábito de pescar quase todas as tardes e comíamos os peixes também feitos assim fritos passados no fubá.Nas tardes após as chuvas a minha mãe dizia que era a hora propícia para pescar bagres e outros peixes maiores, e nesse dia tinha no jantar um delicioso ensopado.
    Como era próspera a natureza.
    Adorei o seu relato.

    Um lindo dia.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  28. kkkkkkkkkkkkkkkk
    Meu pai também contava esses "causos" e nem dormíamos, de tanto medo. Bjs.

    (vou lá na Anne)

    ResponderExcluir




Obrigado pela sua visita.
Alguma dificuldade ou desconforto neste blog como tamanho de fonte, dificuldade de comentar, links maliciosos etc favor comunicar para corrigir.
Caso não tenha um blog poderá comentar como anonimo e no fim colocar seu nome ou não para que possa agradecer.
Fique a vontade!
Meu abraço de paz e luz.