Páginas

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

A varanda testemunha.



Casarão de Itabira








As três cadeiras na varanda
Criam lembranças tão reais
Pois nelas eles viam a banda
Sinto saudades dos meus pais.

Era um casarão de dois pavimentos naquela rua do centro da cidade, junto da Casa de Tecidos Oriente. Lá moravam os Santos, que se dedicavam às coisas da igreja, a antiga matriz com suas duas torres agasalhando os sinos que badalavam todos os dias para anunciarem a hora da Ave Maria, quando todos em silencio faziam suas orações, ainda que estivessem nos seus afazeres ou mesmo aqueles ébrios frequentadores do bar do Chiquinho, um bar de balcão de madeira polida e piso de tabuas enceradas, que eles cuspiam suas cachaças ou as jogavam para o “santo”.

A casa com sua varanda debruçada sobre a rua mantinha sempre três cadeiras onde seus moradores recostavam nos fins de tarde para olharem as pessoas que circulavam no vai e vem circulando pelo pirulito da porta da igreja. Umas sozinhas, outras de braços dados, geralmente as moçoilas. Como formigas passavam e voltavam caminhando para o nada. Todos cumprimentavam o padre com sua austera batina preta. Ele tinha poderes como o juiz de paz da cidade e o delegado. Da varanda os Santos podiam ver as torres da igreja e também o Pico do Amor com seu cruzeiro de madeira, onde em época de seca, as crianças com eu, levavam garrafas com água e flores para molhar seu pé, pedindo chuva para a cidade.

Foi desta varanda que numa manhã chuvosa os Santos sentiram a maior tristeza ao não avistar uma das torres da igreja. Nesta manhã num instante toda cidade se alarmou com noticias do desmoronamento de parte da igreja que ficava para o lado da rua e da casa paroquial. Foi um alvoroço naquela cidade, com todas as especulações de fieis sobre a causa da queda. Estas eram as mais tenebrosas relatando pragas e castigos, muito comuns naquela época de crendices e supertições, mas sabia-se que a chuva fora o elemento causador, e que a igreja já tinha várias rachaduras provocadas pelas explosões de dinamites na extração de minério de ferro naquele Pico do Cauê.

Da varanda assistiram os primeiros ensaios musicais da Banda Santa Cecília com seus membros a desfilarem pelo centro tocando seus dobrados e marchas, preparando para a primeira participação nas procissões da semana da santa, sempre uma linda e emotiva festa. Naquele tempo uma festa grande com participação de todos nas varias cerimônias, inclusive todos se confessavam e comungavam. Ainda não tinha por lá as novas religiões, reinava o catolicismo pleno da arquidiocese de Mariana. Era festa de emoções, comandada pela eloquência do padre Jose Lopes, auxiliado por outros padres vindo do Mosteiro de Caraças. As pessoas choravam atrás das procissões principalmente na do encontro de Jesus morto com Maria. O som triste da banda ecoava pelas ruas de pedras com seus casarões.

Vêm destas varandas as estórias dos casos de assombrações perambulando pelas ruas nas noites da quaresma. Figuras como mula sem cabeça, o lobisomem, o Créu, a loura do cemitério, o cavalo andante arrastando latas. Estórias que abundavam as rodas de contadores e que causavam arrepios e medos nas crianças, que curiosas sempre ouviam e ainda pediam outras aos contadores. A referencia sempre era a família Santos usada como testemunha, pois teria visto as figuras relatadas. Agora aquela varanda, com suas cadeiras vazias e a varanda mostrando os estragos do tempo, parece mais uma cemitério de lembranças mortas de um tempo, que se perdeu nas lembranças dos que ali viveram.


Toninho.
Lembranças de uma infância feliz.

Inspirado na postagem de nossa amiga Beth Lilás onde numa brincadeira idealizada por ela, postei esta trovinha como interação,visitem e vejam outras inspirações de amigos por lá. No link abaixo.


*********************************************************Nomes de ficção, mas acontecimentos reais.












29 comentários:

  1. Toninho, amei demais isso! Amo essa Minas Gerais com todo esse catolicismo, suas igrejas, pureza de sentimentos , a imaginação que voa soltinha de boca em boca! Meu sonho é ficar por aí e assistir a uma Semana Santa! Você escreve divinamente! Parabéns! Um grande abraço meu!

    ResponderExcluir
  2. Toninho, adorei!! Que lindo lembrar tudo isso. Deu pra imaginar a cena das 3 cadeiras por lá. o povo passeando, o sino tocando. Tantas coisas, Pena assistir também a destruição de uma torre,né? Lindo teu jeito de contar e trazer!Parabéns! abração,chica

    ResponderExcluir
  3. Olá , passei pela net encontrei o seu blog e o achei muito bom, li algumas coisas folhe-ei algumas postagens, gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns, e espero que continue se esforçando para sempre fazer o seu melhor, quando encontro bons blogs sempre fico mais um pouco meu nome é: António Batalha. Como sou um homem de Deus deixo-lhe a minha bênção. E que haja muita felicidade e saude em sua vida e em toda a sua casa.
    PS. Se desejar seguir o meu blog,Peregrino E Servo, fique á vontade, eu vou retribuir.

    ResponderExcluir
  4. Que delicia de se ler Toninho... tao interior mineiro esse texto... me lembrei demais da minha avo contando "causos" em volta do fogao a lenha...
    Beijos...

    ResponderExcluir
  5. Oi TONINHO, QUANTAS RECORDAÇÕES DA
    MINHA INFÃNCIA NA CASA DA MINHA AVÓ. ESTE TEU CONTO MEXEU MUITO COMIGO, PARECE ATÉ QUE O TEMPO PAROU, TUDO QUE DESCREVESSE EU VIVI, MENOS O TOMBAMENTO DA TORRE DA IGREJA, NÃO FALTOU NEM A BANDA DE MÚSICA.O TEU CONTO É LINDO !! ABRAÇOS CELINA

    ResponderExcluir
  6. Casarões antigos em cidades pequenas... já vivi coisa parecida, e tbm já ouvi muitas histórias dessas.... medo, era o que eu tinha, muito medo!

    Um conto verídico e delicioso de ler.

    Demorei a vir, mas vim....
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oi, querido Toninho!
    É por isso que eu amo tanto brincar com as imagens, como fiz lá naquele post.
    Veja quanta inspiração e lembranças aquilo gerou.
    Eu viajei contigo nestas recardações de um tempo, onde as pessoas dedicavam uma parte dos seus dias para admirar a vida à sua volta.
    Os Santos foram felizes ali, certamente, e hoje você relembra tudo aquilo através da verve literária e poética que Deus lhe deu, ainda bem!
    Adorável leitura esta!
    Um super abraço, carioca.



    ResponderExcluir
  8. E foi ao som da banda que visitei tudo que vc escreveu amigo... voltei contigo e à sua infância linda.

    Beijos Toninho!!

    ResponderExcluir
  9. Você é um excelente contador de histórias. Fui seguindo sua trilha e relembrando de cenas que se assemelham na minha infãncia/adolescência.
    bjs

    ResponderExcluir
  10. Toninho como é gostoso relembrar contigo de um tempo que passou e apenas na memória do tempo ficou, adorei, gosto muito de contos que falam do passado, beijos Luconi

    ResponderExcluir
  11. Olá Toninho
    Melhor que escrever é receber seus comentário, muito obrigado. Todas as casas deveriam ter uma varanda.

    Um abraço, paz e bem

    ResponderExcluir
  12. eu fui uma que fiquei com medo de todas essas histórias, afff rsrs bjuuu poeta

    ResponderExcluir
  13. Bom dia, querido amigo Toninhobira.

    Nossa...
    Viajei nas suas lembranças... Lindo, lindo!!
    Vivi esse lirismo.

    Muitas bênçãos.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  14. OI AMADO!!!
    ____8888___88888888___8888
    ___888888_8888888888_888888
    ___888888888888888888888888
    ___888888888888888888888888
    ____8888888888888888888888
    _____88888888888888888888
    _______8888888888888888
    _________888888888888
    ______________**
    ____####______**______####
    ___#######____**____#######
    ____#######___**___#######
    ______######__**__######
    ________#####_**_#####
    __________####**####
    BEIJO NO CORAÇÃO DEUS TE ABENÇOE!!!
    JESUS TE AMA!!!NÃO ESQUECE TÁ! NADA COMO UMA DOCE LEMBRANÇA!! BELA ISTÓRIA

    ResponderExcluir
  15. Olá,Toninho!!

    Lembranças lindas meu amigo!!Como é bom poder recordar...é sempre um presente,né?!
    Beijos e meu carinho pra ti!

    ResponderExcluir
  16. Que delicia ler esse texto e ouvir a banda.Maninho vc esta fantastíco!Adorei!Bjs

    ResponderExcluir
  17. Toninho,em nosso país há muitas dessas varandas com histórias semelhantes,de onde se observam fatos tristes e felizes!Um texto maravilhoso!bjs e bom final de semana!

    ResponderExcluir
  18. ¸.•°`♥✿彡✿♥`°•.¸
     ┊  ┊  ✿
     ┊  ✿
     ✿
    Beleza de texto.
    Não reconheço esse casarão.
    É onde morou o padre Zé Lopão?
    Bom fim de semana!!!
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  19. Quantas estórias teve esta varanda por testemunha!!!
    Me fez lembrar a varanda da casa do sítio do meu avô paterno...Viajei junto com o texto!

    Bjussssssss

    ResponderExcluir
  20. Toninho querido! Parabéns pelo texto rico, bem escrito! Nos transportando a varanda de nossas memórias.... Algumas alegres outras nem tanto! Lindo! Obrigada pelo carinho e pelos comentários sempre tão gentis!
    Desculpe pela demora em responder!....
    Um abençoado e feliz final de semana!
    Abraço carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  21. Olá meu querido amigo, quando a nostalgia,junto com a saudade formam um emaranhado de confusões e de tristeza na nossa cabeça que cada dia já se vai esquecendo das coisas mais modernas para dar lugar às mais antigas. Mas são elas que ainda vão preenchendo uma parte dos nossos dias...

    São saudades são lembranças
    que nos vêem torturar
    mas vamos mantendo as esperanças
    de um dias os encontrar.

    Beijinhos de luz e muita paz.
    PS: seja você quem for é e será sempre um carinho na minha vida.

    ResponderExcluir
  22. Olá Toninho!

    Muito interessante a tua trova. Gostei muito. Gosto de contos e de histórias, também escrevo. Gosto de histórias que contam lendas.

    Obrigada pela visita e pela amizade. Desculpa só vir aqui hoje, mas tive um vírus informático que me impediu de usar a internet. Felizmente consegui resolver o problema.

    Já estou a seguir o teu blog.

    Um abraço de luz,

    Cris Henriques

    http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  23. Nossa, meu amigo! Ficou lindo demais! - Abraçãozaço

    ResponderExcluir
  24. Olá amigo, bom estar de volta por aki, e que varanda mais saudosa esta, que delicia estas lembranças, lembrei-me da varanda da casa de minha avó em Ituiutaba, onde tbém tinham as cadeiras, qtas histórias ouvi naquela varanda! Adorei amigo! Abraçossss

    ResponderExcluir
  25. Mineirinho
    E como essas varandas guardam lembranças! Delas se podia acompanhar a cidade e a vida, os transeuntes em sua labuta diária, as procissões... Tudo guardado nos corações. Bjs.

    ResponderExcluir
  26. Oi Toninho
    Linda reminiscência.
    Cada gesto, cada carinho, cada encontro com os amigos , parentes e pais ficam guardados na memória em casarões como esse.

    Lindos versos homenageando os seus pais.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  27. Maninho como é gostoso viajar na nossa infância !Bjs

    ResponderExcluir
  28. Recordações saudosas,autênticas descrições ,vivi tudo isso na infância e ;obrigado contador de "causos",formidável.!
    José Clédisson

    ResponderExcluir




Obrigado pela sua visita.
Alguma dificuldade ou desconforto neste blog como tamanho de fonte, dificuldade de comentar, links maliciosos etc favor comunicar para corrigir.
Caso não tenha um blog poderá comentar como anonimo e no fim colocar seu nome ou não para que possa agradecer.
Fique a vontade!
Meu abraço de paz e luz.