Páginas

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

A menina do rio.


A menina do rio.











A pescaria é uma atividade prazerosa em pequenas cidades onde passam rios ou córregos, mas pescaria de barranco uso de varas. Para muitos um lazer e para outros o sustento da família. Vem desta prática a onda de mentiras atribuídas aos pescadores. Cresci ouvindo as mais estranhas historias das noites de pescaria. Por isso mesmo só pescava pelo dia.  

Na minha região os pescadores eram cheios de crendices. Lembro que alguns tinham por crença, cortar a primeira isca (minhoca) com os dentes para depois coloca-la no anzol, pois assim seria bem sucedida a pescaria e juravam de dedos cruzados, que funcionava e eu cri e obedeci e juro, que foi uma farta pescaria. 

Numa de minhas férias escolares sempre na casa da Vó, saímos para pescar pela noite, pois havia a indicação de um bom pesqueiro num córrego ali perto, fartura de peixes como Lambaris, Mandis, Bagres e Trairas. Preparamos tudo no fim da tarde, anzóis, varas e as famosas minhocas puladeiras, que são as mais atrativas pelos peixes. Quando o Sol sumiu atrás da serra, sai com os primos, despedimos da Vó com promessa de almoço no dia seguinte com peixe frito passado no fubá. Minha avó adorava esta maneira, era uma boa pescadora, mas nunca pescava pela noite. Sempre tinha suas crenças com a noite e as assombrações.

Seguimos até o córrego, levando facão, lanterna e o embornal com merenda. Preparamos a área com o facão e armamos as varas sob nossos olhos atentos para a fisgada. Horas se passaram e nada de peixe, o primo fez uma reza e nada de peixe, apenas um cágado foi fisgado, mas lançado longe ao córrego, pois segundo ele se um cágado é fisgado, o pescador não pesca mais nada. Assim se aproximava da meia noite e nada de peixe. O mais velho falava mal a má sorte. Foi aí que sentimos uma rajada de vento tombando o capinzal e vimos uma menina branquinha de cabelos dourados caminhando sobre as águas. Com uma voz suave ela disse que o córrego estava cheio de peixes, mas que pescador não sabia pescar. Não sabemos como terminou, nem como alcançamos o caminho de volta, chegamos a casa sem peixes e varas e suados como uma mula velha. Contamos o fato e ninguém na casa acreditou na historia.

Ainda hoje quando vou por aquela região e passo pelo local, ainda sinto aquele frio na pele naquela infeliz pescaria.

Juro que foi assim.

Toninho.
Historias que meu pai contava e que minha irmã Joaquina fica relembrando.
***************************************************************************

Se quer saber um pouco de mim, 

Clic no link abaixo e vá até o blog da querida Anne Lieri.

http://recantodosautores.blogspot.com.br/2012/08/recanto-entrevista-toninho-bira.html 

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Escolha certa.



Na vida estamos sempre diante de uma escolha, tão logo assumimos nossa existência produtiva, elas se apresentam para uma decisão. Ocorre que muitas vezes nos sentimos impotentes e recorremos aos especialistas de plantão, que pode ser um amigo ou um profissional, que sabiamente aplica uma injeção na nossa autoestima.

Na vida moderna os jovens são lançados bem novos nas escolas e cedo estão propensos a ingressar em algum curso superior, quando muitas vezes não se tem ainda formada uma vocação profissional. É comum assistir uma série de atropelos, momento em que é fundamental a participação da família, para não que se transforme num aluno disperso e perdido na faculdade com sucessivas trocas de curso. 

Nesta situação vem a importância dos especialistas, orientadores que administram a dose na medida certa, para os passos seguintes e libertadores. São eles responsáveis pela interiorização no despertar das potencialidades que fazem crescer isentos das mazelas comuns que geram frustrações. Tenho lido muito sobre esta coisa da medida certa do equilíbrio diante uma tomada de decisão. O fato das escolas relatarem péssimos alunos em escolas famosas, muitas vezes vem desta falta de preparação, para escolher uma carreira, que possa incentivar o interior a produzir cada vez mais e melhor. 

E assim se processa no amor, onde a situação é ainda mais complexa, pois envolve uma serie de fatores, que muitas vezes passam despercebidos dos envolvidos, como afinidade, gosto, cultura, escolaridade e sonhos que cada um carrega para sua vida. Aqui é preciso mesmo uma preparação de autoconhecimento das partes, para encaminhar um fechamento dourado da relação, sob a pena de ter que conviver com frustrações e traições por toda a vida, até que a relação apodreça de vez e o laço se rompa.

Então na vida é preciso entender e saber comportar-se diante das escolhas que se apresentam ao longo da vida e assim ter um viver mais leve e tranquilo, para enfrentar as intempéries que se avolumam na caminhada, onde muitas vezes é você contra tudo e todos, mas tem de ser você, com alma lavada e coração aberto sempre.

Toninho.
*********************************************************************