Páginas

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Noite incerta



Entardeço cedo.
Amanheço tarde.
Adormeço logo.

Visualizo tua silhueta,
Carregas largo sorriso,
Que Sabes me encantar.

Mas como sonho findado,
Perco-te nesta escuridão,
Há solidão neste quarto.

Volto os olhos para a imensidão,
Inútil ação para o improvável,
Fecho a cortina para a solidão.
Adormeço, amanheço imutável.

Toninho.
Junho/2015
******************************************************************