Páginas

terça-feira, 19 de abril de 2016

Chove lá fora.



Ouço os gritos do pingo da chuva,
bela queda livre sobre uma lata,
esquecida lá fora debaixo da bica,
trás num som a saudade de casa.

Cada pingo emitia sons ritmados.
Eu os via tão saltitantes, libertos,
como os kamikazes apaixonados,
ao som da orquestra nos desertos.

Na chuva a saudade manifesta,
lembranças interioranas lá fora,
aqui neste barraco é uma seresta,
reviver a minha vida de outrora.

Quando a chuva por fim partia,
da janela se via todo Céu celeste,
descia o pano da sessão nostalgia,
e agradecia a chuva numa prece.

Um retardatário pingo que caia,
eleva meus olhos para o telhado,
vem desta lata a ultima melodia.
Com o som quem vem do passado.

Toninho
15/04/2016

Morei em Belo Horizonte juntamente com outros jovens estudantes interioranos, quando chovia, a gente gostava de ouvir o som dos pingos da chuva sobre uma lata, que estrategicamente deixávamos sob a bica.

*********************
Uma boa semana para
todos nós.


32 comentários:

  1. Linda tua poesia e realmente nada mais convidativo para chamar o sono do que a chuvinha caindo lá fora e ainda com os pingos fazendo barulhinhos nas latas... Adorei! Aqui precisamos de uma chuvinha! O calor está infernal! abração,chica e tudo de bom!

    ResponderExcluir
  2. Que lindooo... ficar ouvindo pingos de chuva tbm me traz tao boas recordaçoes, principalmente quando a luz acabava e ficavamos so ouvindo o barulhinho da chuva... pena que hj é tao raro pararmos para ouvir, o barulho da cidade grande,a agitaçao, silenciou o barulho dos pingos...

    Beijos, Toninho...

    ResponderExcluir
  3. Nada mais a propósito que este belíssimo momento chuva que cai hoje aqui na minha linda cidade Lisboa ,pois como se diz em Abril águas mil,maravilhoso caro amigo Toninho ,um grande abraço ,muitas felicidades

    ResponderExcluir
  4. E que melodia gostosa é dormir e acordar com chuva, e as goteiras fazendo concordância com as gias que eu morria d emedo e morro até hoje, deu saudade da casa da avó. Por aqui chove e faz frio esses dias. Tem novidades no blog

    ResponderExcluir
  5. Olá, Toninho!

    Você soube retratar, de forma poética, momentos inesquecíveis de sua vida. A chuva tem esse dom de nos tranportar ao passado e de libertar lembranças queridas, guardadas em nosso íntimo.

    Grande abraço
    Socorro Melo

    ResponderExcluir
  6. O ritmo compassado das pingas de chuva, como a nota solta que se solta de uma nuvem feita guitarra. Saudades Toninho, dos tempos em que não havia pressas, ficar presa a esta música da Natureza.
    E que poema!
    beijinho.:)

    ResponderExcluir
  7. O ritmo compassado das pingas de chuva, como a nota solta que se solta de uma nuvem feita guitarra. Saudades Toninho, dos tempos em que não havia pressas, ficar presa a esta música da Natureza.
    E que poema!
    beijinho.:)

    ResponderExcluir
  8. Chuva do interior é de fato mais interessante e mais gostosa do que chuvas nas cidades!

    ResponderExcluir
  9. ~~~
    Um poema de saudade, muito belo e encantador.

    As primeiras chuvas
    são sempre bem vindas, porém, acontece que
    agora, no nosso país, estamos fartos de chuva
    e desejando sol e verão que é seco e quente.

    Em Portugal, estamos muito preocupados com a
    situação do vosso país.Que tudo corra melhor.

    ~~~ Abraço amigo, Toninho. ~~~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Majo. Grato sempre pela presença amável.
      Esperando seu blog ativo. Tenho acompanhado as chuvas de lá pelos queridos amigos de Portugal.Primavera estranha assim como nosso Outono.A situação da politica chega ser cômica do lado de cá.Bandidos condenando e bandidos fugindo por todos os lados. Uma vergonha.Mas vai sair desta creio.
      Bjs.

      Excluir
  10. Oi Toninho
    Lendo seu lindo poema, lembrei-me na hora que meu marido até hoje gosta de fazer isto, colocar uma latinha na pingueira, e dormir com o som da chuva batendo, tem gosto de infância.
    Lindo!!
    Um abraço

    ResponderExcluir
  11. Toninho,
    Quando ouço em silêncio a chuva, sou tomado de doces lembranças da infância, quando então ouvia a sua sinfonia de gotas no telhado. Belo poema, meu amigo. Parabéns.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  12. Fiquei aqui babando por esse som, Toninho! Estamos aqui numa secura sem fim e saudosos desse maravilhoso som! A imagem também soberba como o seu poema! Vou levar comigo essa linda imagem, Ok? Seu blog fica relojando, relojando e demora para abrir! Abraço forte!

    ResponderExcluir
  13. Ouvir a chuvinha caindo quando se está no aconchego do da nossa casa é tudo de bom.
    Lindos versos, Toninho.
    Agradeço o seu gentil comentário e participação bem humorada lá na brincadeira.
    Tenha um ótimo dia, amigo
    Um abraço apertado de
    Verena e Bichinhos.

    ResponderExcluir
  14. Bom dia Toninho.
    Um belo poema, que tocou a todos nós, pois sempre ocorre lembranças de um dia onde o som dos pingos da chuva era uma grande alegria. Eu amo também tomar chuva rsrs, faz tempo que não faço, me da uma ótima sensação boa. Enorme abraço.

    ResponderExcluir
  15. Olá, Toninho.
    Eu também adoro o som dos pingos de chuva, mas nunca experimentei a lata... vou tentar.
    Minha mãe tinha telhado de zinco em casa, e quando chovia forte, o barulho era de matar.
    Belo poema, belíssimo!

    ResponderExcluir
  16. Uma poesia que retrata um momento vivido. A saudade foi a inspiração.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  17. Bonitas recordações saudosas que lhe inspiram a poetar. Bom feriado. bjs

    ResponderExcluir
  18. Bonitas recordações saudosas que lhe inspiram a poetar. Bom feriado. bjs

    ResponderExcluir
  19. Boa noite Toninho,
    Gostei imenso do seu poema lembrando os pingos da chuva caindo.
    Também tenho uma recordação semelhante de criança. Adorava ver chover e os beirais que pingavam do telhado em frente a nossa casa.
    Desejo continuação de boa semana.
    Beijinhos e muita paz.
    Ailime

    ResponderExcluir
  20. Toninho, o som da chuva é sempre uma linda melodia pra gente. À noite, na hora de dormir, é uma delícia! E uma gota ou outra que cai sobre algo que provoca barulho maior, pode incomodar quem não tem paciência, mas é mais reconfortante ainda. O cessar do som... alívio, sono, tranquilidade....
    Boa noite, poeta!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  21. A MÍ TAMBIÉN ME ENCANTA LA LLUVIA.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  22. Mineirinho, suas ricas lembranças, poeticamente narradas, me levaram à infância. O som dos pingos da chuva, caindo sobre latas, era comum no interior. Melodia que perdemos no decorrer dos anos, olhando a chuva com outros pensamentos.
    Belo poema e música de bom gosto. Bjs.

    ResponderExcluir
  23. Kamikases apaixonados ao som da orquestra no deserto! adorei !
    Toninho estás realmente inspirado, quando recorda os sons da chuva que um objeto metálico ( lata) produz !
    Sublime poesia!

    ResponderExcluir
  24. É poeta saudades de tuas inspirações, veja só que beleza de poema, até me fez ouvir o barulhinho dos pingos de chuva que sempre eu amo tanto, me leva para longe, amigo feriadão as mamães estão com os bebes e eu então consigo vir a net, e como é bom vir e relembrar, bjos Luconi

    ResponderExcluir

  25. "Para mim, a chuva no telhado é cantiga de ninar..."
    Gostei da delicadeza dos seus versos e das suas lembranças.
    Bom fim de semana com tudo de bom!
    Beijinhos.♬♪ه° ·.
    💕ه° ·.

    ResponderExcluir
  26. Bonitos versos e recordações! Ver e ouvir a chuva caindo é um rico espetáculo!
    Bom fim de semana...
    Abraço

    ResponderExcluir
  27. Oi Toninho teu lindo poema me deu tantas saudades!
    Eu sempre gostei de ouvir desde muito pequena, a chuva caindo, batendo em latas, bacias, como era bom!!Amei!
    Abração!
    Mariangela

    ResponderExcluir
  28. Adoro ouvir o som da chuva a bater nos vidros das janelas.
    Lindissimo poema
    Um grande abraço
    Maria

    ResponderExcluir
  29. Que delicia ouvir a chuva, abraço Lisette.

    ResponderExcluir
  30. É incrível, Toninho, como um som, no caso um pingo de chuva, pode trazer um pedaço de nossa vida passada... É bom demais, ouvir a chuva nas calhas, na hora de dormir...
    Lindo o seu poema.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  31. O som dos pingos da chuva numa lata. Também me traz recordações... Gostei do poema e da memória desse seu tempo.
    Um beijo.

    ResponderExcluir




Obrigado pela sua visita.
Alguma dificuldade ou desconforto neste blog como tamanho de fonte, dificuldade de comentar, links maliciosos etc favor comunicar para corrigir.
Caso não tenha um blog poderá comentar como anonimo e no fim colocar seu nome ou não para que possa agradecer.
Fique a vontade!
Meu abraço de paz e luz.