Páginas

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Aquele vestido branco



Quem passava pela rua via um vestido numa varanda. Pela manhã e tarde uma velha senhora a espreita-lo e acaricia-lo com mãos tremulas, como se fosse à pessoa que o vestira. Parecia ritual, quando o sol se punha surgia um som de valsa em uma vitrola e o vestido era retirado do varal abraçado como delicadeza. Desfilava com ele colado ao corpo como numa dança. Não havia tristeza na cena.

Na manhã com os primeiros raios solares ela aparecia com o vestido pelas mãos como uma mãe a embalar seu filho. Ali na varanda ela ficava momentos nesta postura, até que o pendurava em uma das cordas do varal. Lançava um ultimo olhar e desaparecia na solidão de seu casarão.

Numa tarde de Outono ela não apareceu na varanda, para retirar o vestido, o que gerou curiosidade e preocupação aos vizinhos, acostumados com a cena ao som de uma valsa com som distorcido de um “long play” arranhado de tanto uso. A velha senhora morava sozinha e às vezes se via outra senhora estranha à rua, entrar e ficar horas no casarão geralmente pela manhã após o ritual. Naquele dia ela também não aparecera e a noite cobriu o casarão, sem que o vestido fosse retirado do varal.

Ao aproximar-se da meia noite, um vizinho percebeu um facho de luz na varanda.  Assustado viu o vestido deslizar no varal de uma extremidade para outra, como se valsasse. Gritou para a mulher que medrosa se recusou. De repente os acordes de um piano ecoaram na madrugada nevoenta. Uma ventania estranha arrancou o vestido e desapareceu pela rua para horror do vizinho, que gritou loucamente na madrugada silenciosa.

Na manhã seguinte contou para a vizinhança descrente do fato, mas estranhando a falta do vestido na varanda. Próximo do meio dia um movimento na porta do casarão chamou a atenção da vizinhança. Um policial saiu da casa e disse que havia um pedido de socorro na central, mas ninguém se encontrava no casarão, apenas um piano estragado e uma vitrola velha com vários discos empoeirados de valsas, além de um encardido e surrado vestido jogado sobre o braço de uma cadeira de balanço. As pessoas se entreolharam e aquele vizinho foi internado numa clinica psiquiatra.

Toninho.
05/04/2017

Outras inspirações minhas: Momentos&inspirações

********
Conto na participação da BC_botando a cabeça para funcionar que a Chica promove aqui:chicabrincadepoesia participe é livre.


26 comentários:

  1. UAU! Arrepiei aqui! Que inspiração...Instigante, macabra, fizeste um voo de deixar os cabelos em pé.Ainda bem é cedinho, senão teria até medo de olhar para esse vestidinho,rs... Adorei e só posso te aplaudir novamente! Obrigadão! Ficou DEZ! Levo o teu link! abração,chica

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, Toninho
    Excelente o seu conto.
    Nossa,sua cabeça funcionou lindamente.
    Deixo um carinhoso abraço nesta quinta-feira.
    Verena e Bichinhos.

    ResponderExcluir
  3. Um conto muito bom. Excelente a sua criarividade.
    Um abraço.
    Élys.

    ResponderExcluir
  4. EXCELENTE HISTORIA. BONITA Y MISTERIOSA.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde Toninho,
    Magnífica a sua inspiração.
    Um vestido que originou tão belo conto!
    Um beijinho.
    Parabéns!
    Ailime

    ResponderExcluir
  6. Um talento que invejo (no bom sentido),Toninho essa imaginação fértil que coloca cada palavra a mover nos olhos do leitor e juntos imaginar a cena. Fiquei valsando com o vestido rs ficaria até mais um pouco,mas o autor não obedeceu e deu um final triste àquela alma romantica que esteve bailando por ali.
    Parabéns _ a Chica sem perceber bota a cabeça de todo mundo pra funcionar.Gosto disso.
    Um abraço grande

    ResponderExcluir
  7. Toninho,
    Nossa! Arrepiei!
    Vc sempre mágico com as palavras.
    Um conto com mistura de suspense e acredito até com pitadas de terror. Rsrs. Medo! Vc me surpreendeu! Parabéns! Ótima noite, meu amigo! Bjs

    ResponderExcluir
  8. O seu conto misterioso ficou muito interessante Toninho. Parabéns pelo inato talento para a escrita criativa...
    A nota de humor final é uma chave divertida para quebrar o clima sinistro do conto...
    Muito bom, mineirinho.
    Dias muito felizes.
    Abraço de sincera amizade.
    Beijo
    ~~~

    ResponderExcluir
  9. Uma participação bem misteriosa e imaginada com inteligência... Voos altos nos detalhes... Legal, Toninho!...
    Um abração e, vamos adiante...

    ResponderExcluir
  10. Uauuuu Toninho, que conto maravilhoso! Viajei nas asas da imaginação, bailei com o vestido branco, senti medo, fiquei na expectativa do final, fiquei com dó do vizinho, tantos sentimentos que esse conto provocou, enfim, adoreiiii! Parabéns amigo!!

    ResponderExcluir
  11. Viajou fundo meu amigo, bela história e eu já imaginando outro final...maravilha.
    Me fez lembrar minha vizinha D, Terezinha de 87 anos bem Lúcida por sinal a escutar todos os dias aqueles discos empoeirados e a valsar...diz ela viver no passado e a lembrar do marido...meio macabro também.
    Arrasou bela imaginação tivestes! abraços

    ResponderExcluir
  12. Boa tarde, amigo Toninho!
    Interessante com sua imaginação alçou voo...
    O escritor prevaleceu aqui soberbamente...
    Parabéns!
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
  13. E, que inspiração, hein!? De prender a respiração! Parabéns!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  14. Olá poeta
    Sua imaginação foi bem longe, adorei, confesso que achei que o final fosse outro, me surpreendeu.
    Um abraço, amigo Toninho.

    ResponderExcluir
  15. O que não faz um vestido
    Branco da cor do jasmim.
    Para enlouquecer assim
    A retidão de um sentido

    Que torna o olhar atrevido
    Para imaginar, enfim
    O conteúdo ao cetim
    De uma cama. O tecido

    Parece ser de chita,
    Mas a mulher, de bonita
    Para a cabeça do crente

    É a beleza infinita
    Onde o louco amor habita
    Porém um amor doente.

    Lindo conto, Toninho! Parabéns!

    ResponderExcluir
  16. Deu medo... mas adorei...assim como adoro sua imaginaçao...

    Beijos,Toninho...

    ResponderExcluir
  17. Muito bom, mas qual é este limite da sanidade. Gostei como desenvolveu seu conto, repleto de magia e mistérios. Coitado do vizinho que acabou como louco. rs.rs. Deve ter se inspirados nos "causos" da sua infância. Amei. bjs

    ResponderExcluir
  18. Excelente Toninho, quanta criatividade. Fico encantada com suas histórias!
    Um abraço e feliz final de semana.
    Amara

    ResponderExcluir
  19. Puxa amigo Toninho, quase que vislumbrei daqui a velha senhora valsando com o seu vestido branco...
    O seu grande poder narrativo sempre me surpreende.
    A música também é sempre bem escolhida.
    Um beijinho grato

    O Toque do coração

    ResponderExcluir
  20. Um vestido branco. Uma mulher a fazer dele a razão de viver ou de morrer... Que belo, conto! Parabéns.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  21. Olá, Toninho. Gosto dessas histórias misteriosas!
    Acho que o vestido - e sua proprietária - foram dançar em outros mundos...

    Feliz Páscoa!

    ResponderExcluir
  22. Olá Toninho adorei sua história muito bonita e bem pensada, beijinhos e um forte Abraço

    ResponderExcluir
  23. O importante , querido amigo , é que sem saber que era para você "botar a cabeça a funcionar " conseguiu que eu me sentisse ausente , tal a vivacidade da sua narrativa !
    Grande conto !!😄
    Abraço , Toninho !

    ResponderExcluir
  24. Uff! Muito bom, Toninho!! E que suspense, eu imaginei que a história iria dar uma volta, mas no fim surpreende! Você é bom em conto, hein?!?! Que imaginação. Só em olhar o vestido branco dependurado eu deduzi que boa coisa não seria. rss Parabéns!
    Beijo e uma ótima páscoa pra você e família!

    ResponderExcluir
  25. Uma intrigante história... que nos agarra da primeira à última palavra! Adorei o texto, que a imagem da Chica proporcionou!
    Excelente trabalho, Toninho!
    Abraço!
    Ana

    ResponderExcluir




Obrigado pela sua visita.
Alguma dificuldade ou desconforto neste blog como tamanho de fonte, dificuldade de comentar, links maliciosos etc favor comunicar para corrigir.
Caso não tenha um blog poderá comentar como anonimo e no fim colocar seu nome ou não para que possa agradecer.
Fique a vontade!
Meu abraço de paz e luz.