Páginas

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Os meninos da vila.

Viajar em imagens é a proposta da Chica e seu neto Neno aqui: /chicabrincadepoesia, acontece nos dias 5, 15 e 25 então com a imagem de hoje uma viagem critica com um retorno ao passado de feliz idade. Vamos lá nesta imagem abaixo, mas sem cinto de segurança, sem capacete, sem "air bag", pois era bem assim e sobrevivemos.

“Eu daria tudo que tivesse, para voltar os dias de criança”.
Trecho de uma canção, que conheço desde criança e percebi que a saudade do compositor é a mesma minha de uma infância livre num pequeno interior de Minas Gerais. A imagem dos carrinhos embora mais estilizados veio despertar a saudades dos meus carrinhos feitos com os rolamentos usados da Cia Vale, os meninos da vila ganhavam para brincar.

Carrinhos sem freios pelas ruas de terra e de pouquíssimos veículos, o que deixavam as mães menos preocupadas. Também construíamos as patinetes. Nossos brinquedos eram frutos da criatividade no aproveitar materiais, pois brinquedos prontos eram inacessíveis exceto por época do Natal, distribuídos pela Vale aos filhos dos operários das minas.  

Os carrinhos variavam entre o de sentar como os da imagem e os feitos com caixotes, usados no transporte de coisas ou mesmo as compras feitas no armazém da vila, que geralmente era uma atribuição dos meninos, usando uma caderneta de anotação da divida.

No tempo viajei pelas ruas vermelha, a poeira encobriu meus olhos, que resgatavam emoções daqueles meninos em algazarra, buzinando com as bocas nas manobras arriscadas pela rua. A poeira abaixou, voltei ao presente com todas as tecnologias. Cabisbaixo desci pela rua, agora asfaltada e sinalizada, sentado no carrinho, e vi os novos meninos da vila, compenetrados nos seus celulares, em suas varandas gradeadas trocavam mensagens, jogavam “On line”, pareciam meninos robotizados,  eram tristes.

Assim eu cheguei à casa onde nasci abri o pesado portão de ferro e vi ali no canto do muro os restos de um carrinho feito de rolamento e madeira. Meu olhar fez uma varredura e outros brinquedos espalhados pelo chão cimentado, pareciam peças de museu de minha infância incrustada numa mangueira no fundo do quintal, cercada pelas arvores frutíferas onde os passarinhos faziam seus ninhos indiferentes aos alçapões, que ali armava.

Fechei a porta que adentra a casa e também meus olhos sobre o passado. Pensativo e hoje lento subi contando os degraus da escada e repousei numa poltrona em frente à moderna radiola e coloquei um velho “long play” a girar sobre ela, depois a agulha desceu sobre ele e me trouxe uma canção do passado, que me fez adormecer nos braços das saudades com um desfile de imagens de minha doce e bela infância.

Toninho
15/12/2017

Desejo a você 
o melhor de bom
Grato sempre.
Nota: devido fim de ano estou atrasado com vários amigos que amo ler, mas pode ter certeza, que passarei por lá e deixarei meu carinho. Desculpe.

20 comentários:

  1. Oi Toninho! Eu também tenho essas lembranças, e acredito serem iguais essa saudade da infância nas saudosas terras vermelhas de Minas. Creio que toda a infância tem lá suas magias, mas carrinhos de rolimãs, são mais infância que computadores e Smartfones...Fomos generosamente agraciados! Ótimo fim de semana poeta de minas. Abraço.


    ResponderExcluir
  2. Diversões que fazem as delicias dos pequenos e grandes :)) Adorei

    Hoje:- A Dança do Vento...
    Bjos
    Final de semana feliz.

    ResponderExcluir
  3. Um belíssimo regresso à infância!
    Lindo olhar e belo texto!!!
    bj

    ResponderExcluir
  4. Meu amigo Toninho, lendo a tua bela crônica, "Os meninos da vila", também fiz a minha viagem ao passado, quando passavas horas do dia jogando futebol, quando era criança; e quantas vezes me machuquei descendo ladeiras com carrinhos que eu mesmo construía, e depois voltava a descer mais aquelas trilhas que davam velocidade ao carrinho com quatro rodinhas de rolimã. E sempre estava presente a competição, cada guri queria ser melhor que o outro, mas havia muita sinceridade nas boas amizades, muitas delas duram até os dias de hoje. Te agrade, Toninho pela crônica e pela carona que me deste àqueles tempos da infância.
    Um grande abraço.
    Pedro

    ResponderExcluir
  5. Cheguei a arrepiar ouvindo a música e tantas lembranças e saudades...Quanta diferença! Quantas frescuradas que arrumam agora...Tudo tem que ser mais e mais competitivo...Pena..Vão perdendo a criatividade! ADOREI! Obrigadão! Levei teu link! abração praiano, chica

    ResponderExcluir
  6. Uma bela lembrança, algo que parece não voltar mais nesse mundo cheio de tecnologia e violência nas ruas. Uma linda participação. Bom fim de semana Toninho, vem ver a Alice agora Cabo do PPM

    ResponderExcluir
  7. Bom dia!
    Hoje vim com o convite do Poetizando e Encantando mais sedo. Estas semanas que antecedem as festas natalinas e Ano Novo, postarei aos sábados para que os participantes tenham mais tempo de organizar suas postagens e visitar os amigos, apreciando as lindas participações.
    Peço desculpas pelo convite igual para todos sem comentar a sua postagem atual. A tendinite voltou severa e agora a coluna, dificultando digitar e ficar muito tempo no PC. Obrigada pelas visitas e atenção no decorrer deste ano, sempre presente, valorizando minhas postagens com seus comentários sempre importantes e enriquecedor. Obrigada por sua amizade que prezo muito!
    Com o espírito natalino, lhe desejo que o Menino jesus lhe ilumine e lhe conceda muita saúde, paz, prosperidade... e um melhor!
    Abraços da amiga Lourdes Duarte.

    ResponderExcluir
  8. A música é linda e reflexiva... A sua participação está maravilhosa, quantas lembranças saudáveis... É bom recordar e reviver com satisfações... O "Admirável Mundo Novo" deixa a desejar...
    O meu carinho

    ResponderExcluir
  9. A sua crônica desperta em nós a doçura da infância,das cidades do interior, onde todos se conhecem e se confraternizam.E as crianças podiam brincar despreocupadas pelas calçadas.É uma linda lembrança que passa como um filme.
    Lindo texto lírico.Parabéns,Toninho.
    meu abraço

    ResponderExcluir
  10. Que lindas memórias, elas nos eternizam. Parabéns. Bela participação, cheia de sensibilidades.

    ResponderExcluir
  11. Mas báh, Toninho, que lindo! Também tenho saudades, nada se compara a viver sem preocupações, cuidados que fomos, tombos que levamos, amizades que fizemos... e hoje nada mais resta daquilo nas crianças desse país e de outros lugares! Não sabem nem o que é boneca, caminhão, sapata na calçada, brincar de roda, onde cantávamos 'O meu belo Castelo'...Há muita solidão.
    Que lindo...
    "...adormecer nos braços das saudades com um desfile de imagens de minha doce e bela infância".
    Ainda bem que temos lembranças!
    Adorei, querido amigo.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  12. Boa noite Toninho,

    Demorei mas cheguei amigo! E estou na mesma pegada que tu quanto aos preparativos e coisas de fim de ano.

    Quanto ao seu lindo escrito que gostaria de dizer que não está só. Sinto uma saudade muito grande de minha infância, e assim sobrevivi, entre joelhos e braços ralados, algumas fraturas e perca de unhas do dedão haha. Fui muito feliz e a criatividade era muito grande, pois, inventar era nossa diversão e necessidade. Isso explica as grandes invenções que temos hoje em dia né? E vejo essa geração como bem disseste robotizada, se formando assim, com essa praticidade e pouca imaginação. Será que serão bons engenheiros? Não é uma questão de dizer que somos ou fomos melhores, mas que o estimulo ao improviso ajuda e muito na nossa vida e em nossas profissões.
    Acho que me alonguei né? Desculpe sou assim mesmo haha.

    Um forte abraço e parabéns pelo blog e por partilhar suas lembranças que em muito nos identifica.

    Ótimo fim de semana
    Wellington Maia

    ResponderExcluir
  13. Se calhar todos ou quase todos desejaríamos voltar aos tempos de criança.
    .
    Tema de hoje: *** TEMPESTADE - ÁRVORES NUAS ***
    .
    Deixando votos de um Sábado feliz
    BOM NATAL

    ResponderExcluir
  14. Querido Amigo.
    São sempre momentos de muita ternura ouvi-lo falar da sua infancia na cidade, erigida numa zona rica em pirite - as pedras brilhantes - com veredas de terra vermelha, florestas, rios, cachoeiras...
    Gosto de o ouvir falar da sua imensa alegria de menino... alegria essa que o deverá deixar - sempre - pleno de contentamento e não cheio de melancolia...
    É uma enorme benção ter uma meninice muito feliz, por isso Toninho, há que encher o peito de ar, sentir-se privilegiado e agradecer a Deus.
    A música estava, mesmo, a propósito.
    Grande Abraço, poeta.
    Beijos de grande e sincera amizade.
    ~~~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  15. Belo texto, até me emocionei aqui.. Sei que o tempo não volta, mas às vezes penso como nossas crianças seriam mais felizes se pudessem vivenciar tantas experiências como nós vivenciamos na nossa infância.
    Que bom termos nossas lembranças!

    ResponderExcluir
  16. Bom dia, Toninho.
    Sua participação ficou mista de beleza e tristeza.
    A infância de outrora era muito melhor, as crianças interagiam entre elas , havia o toque, olho no olho.
    A Internet facilita a vida e destrói realidades.
    Cada vez mais o silêncio das nossas crianças evidencia-se através da tela do computador.
    Não saem, brincam, se sujam ou cansam.
    A tecnologia nesse sentido fez regredir as relações.
    Parabéns.
    Tenha uma excelente semana.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
  17. Voltar a infancia atraves de seu texto... é emocionante... lembranças boas...

    Beijos, Toninho...

    ResponderExcluir
  18. Boa tarde Toninho,
    Magnífica a sua inspiração. Gostei imenso do seu relato nessa viagem à infância, no tempo em que as crianças brincavam ao ar livre na maioria das vezes com brinquedos por si criados, mas eram mais alegres.
    As crianças de hoje com seus brinquedos tão sofisticados, acabam por viver num mundo solitário brincando com as novas tecnologias que lhes acabam por provocar ar triste e desgaste.
    Beijinhos e bom domingo.
    Ailime

    ResponderExcluir
  19. Oi Toninho,
    Que delícia de texto...
    bonita e doce recordação
    da sua infância. Amei ler!
    Hoje em dia, é tudo tão diferente né?!
    Grata pela visita e felicitações!
    Desejo que seu Natal seja de paz,
    e que as conquistas de 2018, sejam
    abundantes e alegres \o/
    Bjs!

    ResponderExcluir
  20. Olá, querido amigo Toninho!
    Fico impressionada pelo poeta e contista que é... ou seja, um perfeito escritor que sensibiliza a gente que vem ler e sair contemplado com o que se depara ...
    Minha infância também penso ter sido a fase mais linda que já vivi e dela retiro forças suaves para bem viver na atualidade ...
    Aliás, creio que retorno à infância a cada dia ... No quesito felicidade , pureza e altruísmo.
    O resquício de menino está implícito em você ... nitidamente ... e belo!
    Seja muito FELIZ e abençoado !
    Bjm de paz e bem

    ResponderExcluir




Obrigado pela sua visita.
Alguma dificuldade ou desconforto neste blog como tamanho de fonte, dificuldade de comentar, links maliciosos etc favor comunicar para corrigir.
Caso não tenha um blog poderá comentar como anonimo e no fim colocar seu nome ou não para que possa agradecer.
Fique a vontade!
Meu abraço de paz e luz.