Páginas

terça-feira, 20 de junho de 2017

Uma noite assim.




















Na taça sobre a mesa jorra saudade,
que sorvo na noite sem a esperança.
Beijo a borda da taça na ansiedade,
como Sócrates na cicuta fez aliança.

A garrafa testemunha meu padecer,
ora tomba e despeja outra dose fatal,
que a boca se delicia em puro prazer,
de quem se entrega ao mundo irreal.

Sobre a mesa alumia o velho lampião,
que a mariposa está preste a suicidar,
nem imagina minha dor na decepção,
ver inúteis batidas de asas para voar

Mas a garrafa declina-se sobre a taça,
derrama fumegante a derradeira gota.
Olho para a foto no sorriso sem graça,
a luz se apaga, ouço batidas na porta.


Toninho
20/05/2017

Inspiração em fotografia.
coincidência 30 dias após.


*****************************