Páginas

terça-feira, 20 de junho de 2017

Uma noite assim.




















Na taça sobre a mesa jorra saudade,
que sorvo na noite sem a esperança.
Beijo a borda da taça na ansiedade,
como Sócrates na cicuta fez aliança.

A garrafa testemunha meu padecer,
ora tomba e despeja outra dose fatal,
que a boca se delicia em puro prazer,
de quem se entrega ao mundo irreal.

Sobre a mesa alumia o velho lampião,
que a mariposa está preste a suicidar,
nem imagina minha dor na decepção,
ver inúteis batidas de asas para voar

Mas a garrafa declina-se sobre a taça,
derrama fumegante a derradeira gota.
Olho para a foto no sorriso sem graça,
a luz se apaga, ouço batidas na porta.


Toninho
20/05/2017

Inspiração em fotografia.
coincidência 30 dias após.


*****************************

24 comentários:

  1. Oi Toninho. Quanto tempo!
    Ainda estou muito adoentada.
    Com uma taça de vinho saiu uma bela poesia
    Beijos no coração
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  2. 'Noites assim'_ pedem poesia e a companhia do vinho para aquecer o friozinho que já vem chegando com a nova estação.
    Só aos poetas é dado o privilégio de desenhar com palavras os sentimentos ,
    Parabéns ,poeta.

    ResponderExcluir
  3. Querido Toninho
    Começo por lhe dizer o quanto me sensibilizou a escolha que fez do fado da nossa Fernanda!
    O poema é uma definição pungente de saudade, que, à noite, nos faz sofrer ainda mais.
    Que belo poema!Muitos parabéns.
    Seja qual for o tema, a sua qualidade permanece inalterável.
    Um beijinho
    Beatriz

    ResponderExcluir
  4. Toninho, deu até pra ouvir o bater das asas da mariposa antes de cair,queimada pela lua...Linda inspiração e cenário descritps poeticamente.abração,chica

    ResponderExcluir
  5. Uma noite melancólica e de reflexões...
    Bonito poema!
    Abração

    ResponderExcluir
  6. A gente vai lendo e sentindo a dor , o soluçar, o silêncio, o som do amor. Bom dia de luz. No blog tem a cor dos pássaros

    ResponderExcluir
  7. Belíssimo caro amigo Toninho ,uma sentida saudade que certamente nos faz reflectir nos porquês da vida ,mas quem sabe se as batidas na porta não seja a luz da esperança ,muito obrigado por este momento grandioso ,um grande abraço amigo Toninho

    ResponderExcluir
  8. Boa noite Toninho,
    Uma noite saudosa, um vinho e uma saudade, ingredientes perfeitos para uma belíssima composição. A nostalgia trouxe uma bela inspiração. Agradeço a bela leitura

    Bjs no core amigo!

    ResponderExcluir
  9. Há noites assim... mas esta solução é sempre a pior opção... afinal bateram à porta...
    Poderia ter acontecido tanta coisa... até acidente, algo que impediu a chamada telefónica...
    Lembrei-me de uma nossa atriz muito querida que, ao sair do trabalho, alta noite, foi obrigada a parar o carro e ficou na estrada sem carro. telefone, e carteira...
    O desencontro pode ser terrivelmente doloroso, sim, principalmente quando se trata de uma oportunidade única...
    Muita sensibilidade e talento, na criação de mais um poema. triste, mas belo.
    Grande abraço de ótima amizade.
    Beijos
    ~~~

    ResponderExcluir
  10. Há noites assim... mas esta solução é sempre a pior opção... afinal bateram à porta...
    Poderia ter acontecido tanta coisa... até acidente, algo que impediu a chamada telefónica...
    Lembrei-me de uma nossa atriz muito querida que, ao sair do trabalho, alta noite, foi obrigada a parar o carro e ficou na estrada sem carro. telefone, e carteira...
    O desencontro pode ser terrivelmente doloroso, sim, principalmente quando se trata de uma oportunidade única...
    Muita sensibilidade e talento, na criação de mais um poema. triste, mas belo.
    Grande abraço de ótima amizade.
    Beijos
    ~~~

    ResponderExcluir
  11. Caro amigo
    Somente aos talentosos e inspirados como você, é dado a magia de transformar uma situação de desalento em algo grandioso.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  12. Olá Toninho,já ouvi muito essa cantora, meu tio Antonio português tinha todos os seus discos, e era do mesmo ano que ela, se não me engano de 1942, lembranças .. ele faleceu há um tempinho. sdsss
    Um belo poema amigo, brilhante! abraços!

    ResponderExcluir
  13. Lindo dia meu querido amigo Toninho. O poema é tão intenso que provoca até a sensação de está vivenciando os momentos da sua inspiração. Saudade. Desânimo e a entrega ao vinho para aliviar a dor da saudade. Que bom que bateram a porta. Um poema um pouco triste,mas muito lindo. Um feliz dia. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  14. Olá, Toninho.
    Ninguém sabe do destino da mariposa! Que ela resista à luz que mata.
    Mas a uma boa taça de vinho... nem a mariposa resiste!
    Linda poesia, com um toque invernal.

    ResponderExcluir
  15. Um bom vinho e a poesia transborda no correr da pena!!! Bj

    ResponderExcluir
  16. Olá, amigo Toninho!
    O poeta se inebria com o vinho e eu, amante da poesia, com o Amor imenso que 'derruba' o poeta e que dela exala por todos os versos...
    Causa e efeito de todo jeito...
    Todo cenário ficou lindo no contexto do poema! A lamparina é muito simbólica, pois, como metáfora, nos lembra do Fogo Santo que nunca pode se apagar em nós, definitivamente.
    Deus te dê inspiração para sempre nos elevar e nunca deixar de alimentar a sede nossa, como seres humanos, do Amor que em nós já habita!
    Seja abençoado e feliz!
    Bjm de paz e bem

    ResponderExcluir
  17. Oi Toninho,
    Obrigada pelo carinho da sua visita
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  18. Uma poesia pejada de metáforas e um lindamente regada com um fado, com toda a sua dor cantada.
    Um brinde ao poeta, mas com um copo de vinho feliz, de convívio e partilha, ao invés de saudade.
    Abraço
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderExcluir
  19. Um bom vinho. Um bom fado. Ergo a taça para brindar a este seu espaço...
    Beijos.

    ResponderExcluir
  20. Belíssima postagem, Mineirinho. Uma companhia e um bom vinho. Bah! É bom demais.

    Ótima semana.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  21. Báh, mas que criação linda, meu amigo Toninho!!!
    Adorei, inspiradíssimo.

    A garrafa testemunha meu padecer,
    ora tomba e despeja outra dose fatal,
    que a boca se delicia em puro prazer,
    de quem se entrega ao mundo irreal.

    Beijo, meu amigo! Uma feliz semana!

    ResponderExcluir
  22. Batidas na porta... quem sabe alguém voltando... um poema escorrendo talento, em cada palavra... que termina com esperança... e mais um final em aberto... onde tudo pode acontecer!
    Adorei, Toninho!
    Abraço
    Ana

    ResponderExcluir




Obrigado pela sua visita.
Alguma dificuldade ou desconforto neste blog como tamanho de fonte, dificuldade de comentar, links maliciosos etc favor comunicar para corrigir.
Caso não tenha um blog poderá comentar como anonimo e no fim colocar seu nome ou não para que possa agradecer.
Fique a vontade!
Meu abraço de paz e luz.