Páginas

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Arte do Desprezo

A arte do desprezo













Recebo seu desprezo
Como prova de seus medos
Vivo meu degredo
Bebendo nesta taça o sabor vinagre

Desta bandeja de prata colocada sobre a mesa
O vinho tinto agora tão azedo
Mancha este chão sem vela acesa
Na história desse amor em segredo

Recebo seus medos vestido na dureza
Da capa da angustia que a mim deste
Esmagam  os anos que amei seus desejos
Loucos desvairados carregados de paixão

Não posso afastar o cálice que me embriaga
Da bebida que amarga em minha boca
Apenas sua silhueta atrás da cortina
Das retinas que viram desaparecer na noite louca



Toninhobira
14/09/2010.

6 comentários:

  1. Oi Toninho, um dia de muita paz, mais uma poesia bela, será que o poeta é preciso sofrer para escrver, as veses acho que é preciso só a sensibilidade, será que estou certa? sofrer todos nós sofremos e nem porisso nem todos são poetas, não é verdade? um abraço com muito carinho Celina.

    ResponderExcluir
  2. Muitas vezes amamos e idealizamos nosso amor como o mais puro, o mais
    real, e assim sem perceber vendamos
    os olhos e não conseguimos enxergar
    o que está diante do nosso nariz...
    E assim, em um momento qualquer, a venda cai dos nossos olhos, e é
    nesse momento que sentimos o amargo
    sabor da desilusão... Mas esses
    momentos de decepção para alguém
    que tem um coração carregadinho de
    amor, de fé, e de esperança como
    você meu amigo, são instantes tão
    pequenos que nem mesmo chega a
    alcançar a alma pura e iluminada
    que você tem... Até porque aos
    poetas foi concedido o dom divino
    de transformar dor em versos, que
    encantam e aliviam o coração...
    Profundos e belos versos anjo
    poeta!!! Linda tarde pra ti...
    Carinhos... Bjsss

    ResponderExcluir
  3. Olha Toninho,
    estou achando que vc lê pensamentos!
    Fiquei com uma vontade de mandar seu poema para uma pessoa!
    Acho melhor não, não é mesmo!
    bjs.

    ResponderExcluir
  4. Meu amigo Mineirinho, venho na calada da noite Portuguesa, agradecer seu lindo comentário e deixar em seu coração o meu sincero abraço de carinho, muita paz e muita luz.
    Grata pela nossa amizade

    ResponderExcluir
  5. E eu meu amigo, a cada vez que aqui venho, me convenço cada vez mais que estou diante de um coração valente, nobre e sonhador.
    É assim forjado o poeta na dor, e porque não no desprezo e na indiferença?
    Mas isso o poeta, coloca sua alma, sua paixão a toda prova, mesmo que sofra, mesmo que gema, mesmo que chore!
    Prossigo este comentário com esses versos, na tentativa de ainda um pouco mais, deixar que minha alma fale:

    Sinto tuas mãos, beijo teu poema,
    Na escrita do poema com paixão.
    Tua sina de poeta verte um tema,
    Retirado dentro do teu coração.

    Tua alma peregrina com os versos
    Que escritas se tornaram em clarões.
    Que geradas em sagrados universos
    Retrataram teus amores em visões.

    Um abraço afetuoso.

    ResponderExcluir




Obrigado pela sua visita.
Alguma dificuldade ou desconforto neste blog como tamanho de fonte, dificuldade de comentar, links maliciosos etc favor comunicar para corrigir.
Caso não tenha um blog poderá comentar como anonimo e no fim colocar seu nome ou não para que possa agradecer.
Fique a vontade!
Meu abraço de paz e luz.