Páginas

quarta-feira, 15 de julho de 2020

Mosaico de dor.



Hoje minha participação na BC_Botando a cabeça para funcionar de nossa mais querida amiga Chica, que vai ao ar todos os dias 5, 15 e 25 de cada mês. Nesta uma imagem é oferecida para inspiração livre. Conheça aqui chicabrincadepoesia.




Ando pelas calçadas na rua deserta,
que guardam muito do que nela vivi.
As pedras vindas da serra encoberta,
pela a densa neblina no inverno dali.

Sinto das pedras na dor da explosão,
todos os dias num voo desordenado,
amontoavam-se aos montes no chão.
Quando piso ouço o gemer sufocado.

E meus passos lentos numa saudade,
buscam reencontrar velhas emoções,
ora incrustadas nas ruas da cidade,
que ouvia toda as manhãs explosões.

E nada mais restou de minha serra,
Esquartejada em pedras quadradas.
num mosaico que pura dor encerra.
Ali pisam algozes gentes desalmadas.


Toninho
15/07/2020

Grato pela visita.
Cuide-se bem.



Nota: 

Uma alusão à minha cidade onde as ruas eram de pedras ( mas de minério) tiradas da serra onde ficava o Pico do Cauê, dinamitado ano pós ano até virar um imensa cratera. O pico deu nome à cidade Itabira em Tupi-guarani = Pedra que brilha.

26 comentários:

  1. Boa noite de serenidade, querido amigo Toninho!
    Uma doce recordação travestida de pedras ao solo onde se pisa emocionalmente todos sentimentos que brotam do seu 💙 interiorano.
    "Gentes desalmadas" são cruéis, eliminam as mais doces recordações das nossas vidas.
    Uma poesia arrancada de um dos mais lindos sentimentos que há em si, amigo: o amor à sua terra natal.
    O terço que o video mostra tem tudo a ver com cidades do interior ainda que já mais desenvolvidas. Gosto muito da devoção que eles têm no 💙
    Parabéns!
    Tenha dias abençoados!
    Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

    ResponderExcluir

  2. Poema majestoso. Lindo de ler.
    .
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Que linda poesia,Toninho! Inspiração DEZ! Sabes que tinha certeza te recordarias da tua cidade... Cada passo, uma memória! obrigadão, abração, lindo dia e levei teu link! chica

    ResponderExcluir
  4. Então Toninho, que bem dito que as pedras guardam memórias! podem sofrer se não respeitamos
    o nosso ambiente, não nos darão o conforto
    da bela dos cenários, mas também guardam memórias das maldades dos homens!
    boa semana e grande abraço:)

    ResponderExcluir
  5. deixei um comentário Toninho, espero que tenha passado!

    ResponderExcluir
  6. Bom dia Toninho,
    Que lindo poema, esse tipo de calçamento também me remete ao passado, já que aqui onde moro tem sido substituído por asfalto.
    Abraços, Sueli

    ResponderExcluir
  7. Bom dia Toninho,
    Adorei seu poema. Está magnífico, mas pena essas explosões de má memória que deixaram cicatrizes em seu coração.
    O progresso é contraditório.
    Excelente a sua participação.
    Um beijinho e uma quinta feira cheia de paz.
    Ailime

    ResponderExcluir
  8. Fantástico maravilhoso!!

    --
    Beijos. Boa tarde!

    ResponderExcluir
  9. Olá toninho, boa tarde!

    Um belo e dolente poema, lembranças que até doem, o canto da britadeira pondo por terra as pedras que parecem feitas à mão, e a natureza chora!
    Que lindo poema!4
    Bjs no coaração amigo!

    ResponderExcluir
  10. Nos passos de sua memória a destruição e dores da natureza destruida pelo homem em progresso tão maléfico ao planeta. bjs

    ResponderExcluir
  11. Toninho, assim também fala a minha inspiração de dor, desespero. Falo dos escravos que muito calçamento fizeram, logo após a colonização e segundo aos relatos por mim ouvidos quando estive aí, nas Gerais< Uma pedra, a sua outra pedras, mas sempre duras e ou afiadas! Continuação de ótima semana! Meu abraço!

    ResponderExcluir
  12. Que triste, Toninho...Uma maldade acabarem com o brilho da serra...A "evolução" e ganância destrói tudo a sua volta sem pensar em futuro ou bem estar dos seres que habitam esse planeta.
    Belo poema, amigo! Abraço!

    ResponderExcluir
  13. Fizeste uma saudosa viagem na memória e trouxe o desencanto provocado pela ganância destruindo um dos mais belos elementos da natureza
    Pedras pisadas por passantes indiferentes à dor e emoção de quem viu desmoronar o Cauê coberto de hematita.
    Belíssimo com um toque de suave melancolia
    Beijinhos poéticos estimado vizinho

    ResponderExcluir
  14. Boa Noite, amigo Toninho!
    Sua poesia, linda e comovente, faz-nos lembrar de muitas coisas que aconteceram antes daquelas pedras ali serem colocadas. Quantas vidas, quantas dores, quanto sofrimento para que elas ganhassem forma de piso. Adorei!

    Aproveito para convidá-lo a visitar meu Blog https://wwwmeandyou-meandyou.blogspot.com/
    reeditado com novas poesias narradas.
    um grande abraço

    ResponderExcluir
  15. Uma triste mas tão real participação, Toninho
    Natureza destruída eis que surge selva de pedra.
    Excelente inspiração, amigo.
    Um carinhoso abraço
    Verena

    ResponderExcluir
  16. Lembranças tamanhas e bonitas! Pedras sempre trazem reflexões sobre a força, dureza e durabilidade... Gosto de lembrar da nossa Rocha de Refúgio, o Senhor!...
    Grande abraço... Boa sexta-feira...

    ResponderExcluir
  17. Nunca se cansam de destruir o que é Natural, uma rua de pedras com sentimentos! linda por sinal.bj

    ResponderExcluir
  18. Uau Toninho sensibilidade e criatividade em belo momento!!! Bj

    ResponderExcluir
  19. Olá Toninho!
    Que lindo versar!
    Com tanta criatividade e sentimento!
    Um abracinho viajante!💐🌈😀
    Megy Maia🌈

    ResponderExcluir
  20. As pedras têm memória, têm alma, têm o som dos passos que lhes deixámos. O seu poema é muito belo e tão cheio de sentimento, meu Amigo...
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  21. Muito lindo que ficou o teu poema,excelente semana para ti,muitos beijinhos!!

    ResponderExcluir
  22. Quantas vidas passam pelas pedras da calçada.
    Brilhante e inspirada participação
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  23. Que triste, Toninho, tantas vidas ali trabalharam e sofreram e depois tudo se vai! Vão junto nossas lembranças, nossas emoções, parte de nossa vida que vivemos. Lembro do dia em que voltei na minha rua de infância, aflita e saudosa para ver minha casa, o jardim, o terraço que brincava; a casa era outra muito diferente, reformaram tudo que puderam, acabaram com minha casa, foi triste. te entendo, amigo! Mas o poema ficou belo e vai direto ao coração da gente.
    Bj, até mais, amigo!

    ResponderExcluir
  24. Olá Toninho!

    Sou a Nadja do Blog Cacareco's. Lembra-se de mim?
    Estou de volta com um blog novo, voltado para janelas e portas antigas, minhas paixões.
    Se desejar visitar-me: nadjapradoportasblogspot.com

    Abraços

    ResponderExcluir
  25. Um poesia triste, mas revestida de beleza poética e de sentimentos!
    Beijos carinhosos!

    ResponderExcluir




Obrigado pela sua visita.
Alguma dificuldade ou desconforto neste blog como tamanho de fonte, dificuldade de comentar, links maliciosos etc favor comunicar para corrigir.
Caso não tenha um blog poderá comentar como anonimo e no fim colocar seu nome ou não para que possa agradecer.
Fique a vontade!
Meu abraço de paz e luz.