quarta-feira, 25 de maio de 2022

Um olhar no sertão.

 

Botando a cabeça para funcionar nossa BC com a Chica todos os dias 5, 15 e 25. Ela está de pausa mais deixou o dever de casa. Hoje a imagem abaixo para inspiração livre, que eu apresento minha colaboração/participação. Veja mais inspirações aqui chicabrincadepoesia

                 Um olhar no sertão.


Na aridez da caatinga os sobreviventes

doam seus corpos aos famintos animais,

quando a seca devasta todos nutrientes.

Os cactos doam aguas como mananciais.

 

De longe pode-se ver como mãos ao céu,

para clamar pela chuva para o sertão.

Só o mandacaru resiste à seca tão cruel,

na espera pela chuva no trincado chão.

 

Quando a chuva se precipita há poesia,

ver a terra ferida cura suas cicatrizes,

como milagre da vida que se principia,

cada gota é um soro das fracas raízes.

 

Mas quando neste rincão põe-se o sol,

destaca-se um mandacaru como ouro,

renasce uma esperança como o farol,

ao navegante errante o ancoradouro.

 

Toninho

25/05/2022

Grato pela visita.

Chica em pausa e nós nos deveres de casa deixados. Que ela esteja recarregando suas energias.


********************

Ao Kiko da Chica 

  Buon compleanno tutta la felicità.

Salute !!!

*********************


 




sábado, 21 de maio de 2022

Vida de cão sem dono.

 

Uma imagem em 140 caracteres de nossa amiga Marina Carla que trouxe a imagem abaixo para nosso exercício de síntese semanal aqui devaneiosedesvarios  Visite e participe e veja outros amigos que colaboram. Depois da imagem deixo três olhares.

Olhar I

Queria não fosse a triste realidade,

animais abandonados na pandemia.

Faminto o vi pelos becos da cidade,

olhar triste desprezado da família.

 

Olhar II

Um cão na calçada que adormece.

Sob a marquise um velho mendigo.

Seres da vida à mercê de benesse.

Homem e cão carentes de abrigo.

 

Olhar III

Não fosse esta sociedade tacanha,

a vida animal podia ser mais densa.

Eles provam a fidelidade tamanha,

mas que o homem falha na doença.

 

Toninho

21/05/2022

Grato pela visita.

Parabéns para a querida Teresinha do blog Bolhinhas para Maria. 





quinta-feira, 19 de maio de 2022

Feliz reencontro.

 



Que tal um percurso obrigatório de palavras? Aqui está ele, a ordem tem de ser respeitada e as palavras não podem ser alteradas. PALMEIRA – NORTE – FECHADURA – IMAGEM – CINTO – ESPANTADO. Este é o desafio do blog 77palavras.blogspot.com de nossa amiga Margarida


Lembranças da Palmeira onde gravei teu nome, na partida para o Norte numa missão.

Apaixonado, idealizava abrir a fechadura do teu coração, onde residia uma desilusão, que te dava uma imagem apagada.

Coloquei o cinto de segurança, pela janela vi tuas mãos acenando, pensei que seria um adeus.   

Hoje ainda espantado com a aterrissagem sob um temporal, vi o brilho dos teus olhos, calou meu susto. Um beijo me fez sentir renascido, para viver o feliz reencontro.

 

Toninho 

19/05/2022

Grato pela visita 
e comentário.


segunda-feira, 16 de maio de 2022

Na gruta santa.

 

Botandoa cabeça para funcionar uma BC da Chica de todos os dias 5, 15 e 25, hoje participo com esta leitura da imagem que a Chica trouxe. Veja mais aqui: chicabrincadepoesia. Abaixo a imagem e minha inspiração próxima de uma realidade vivida pelas Minas Gerais nos anos 60.


        Na gruta santa.

Nas minhas caminhadas uma protetora,

na simplicidade a minha santa da gruta.

Sinto vir suavidade das mãos redentora,

um alivio no meu dia na dureza da luta.

 

Das pedras jorra a agua fria, cristalina.

Ininterrupta sacia a sede refresca a face,

dos bravos trabalhadores da velha mina,

crentes dos poderes das aguas no enlace.

 

Encantam-me ver as flores pequeninas,

encrustadas entre pedras na resiliência,

a natureza como belas lições cristalinas.

Bebo a agua fria que me dá resistência.

 

Desde menino que a gruta me encanta,

a cada dia a minha parada obrigatória,

numa garrafinha levava da agua santa,

professo toda fé junto ao meu oratório.

 

Toninho

16/05/2022

Gratidão por sua visita.




sexta-feira, 13 de maio de 2022

Aquela canção.

 

Um conto na imagem de maio um projeto de reunião de amigos para inspirarem no calendário dos pintores com pés e bocas, que a Norma nos convida à leitura com um conto e levar o link no seu blog pensandoemfamilia

Amor de infância” Original pintado com o pé( Dupé Ferreira)


Aquela canção.

Era dia anterior ao de finados, choravam os corações. Lina triste escolhia flores para Natalia sua melhor amiga, que partira no ano anterior, vítima de acidente nas estradas. Cada flor escolhida recebia uma gota de lagrima e ficava reluzente como encantada.

Na floricultura estava o único irmão da Natália com igual objetivo. Eles se olharam, entre lagrimas acertaram um recital para ela. Ele um violonista e Lina do coral na igreja. Seria na hora da oferta das flores, aquela música que Natalia vivia cantando.

No cemitério vários amigos com flores. Chega o irmão cantando uma música religiosa, que falava de saudade e resignação. Momento de muita emoção. A mãe chorava amparada pelo marido e amigos próximos.

Lina fez um depoimento sobre a amizade, colocando flores sobre a lápide, seguida por todos. As lagrimas do irmão caiam sobre o violão, quando a mãe o abraçou, enxugou suas lagrimas, dizendo que Natalia estava feliz com esta reunião dos bons amigos.

Lina se aproximou e juntos cantaram a canção da vida de Natalia, os presentes fizeram um coral lindo. Foi a mais linda homenagem vista num cemitério, parecia que os corações estavam acariciados pela Natalia, aliviando a dor da perda, da saudade.

Depois deste dia Lina fez dupla com o irmão de Natalia, cantavam em bares e festas. Assim nasceu um amor, que agradou amigos e familiares. Em cada show sempre cantavam a música dela. Houve o casamento com linda festa.

A casa de Natalia ganhou alegria e vida, a mãe cuidava do jardim, que se primaverou lindamente. E eles cantaram felizes pela vida, sempre com aquela canção no final.

 

Toninho

12/05/2022

Grato pela visita e comentário. 






domingo, 8 de maio de 2022

Um olhar ecológico.

 


Uma imagem em 140 caracteres em sua edição 443ª trás a imagem abaixo para uma leitura em 140 caracteres. Vem do blog da Marina onde vai ver regra e outros participantes. 


Olhar I

Assim deveria ser os rios da cidade,

onde todos cuidassem dos esgotos.

Os peixes precisam da humanidade,

incentivando nas escolas os garotos.

 

Olhar II

A sede dos peixes não tem solução.

Revitalizar rios é missão racional.

Com riachos saneados a salvação,

na precisa consciência ambiental.

 

Olhar III

Quero ver felizes peixes pelos rios,

como grande aquário da natureza.

Mas o homem no espirito senhorio

avança sobre as aguas. Dá tristeza.

 

Toninho

07/05/2022

 


As mães são como rios. Pelas quedas, 

criam energias no amor. 

Desaguem todo amor em nós. 

Feliz dia todas as mães.