Páginas

sábado, 23 de outubro de 2021

Mundo pandêmico.

 


Desafio 254

«O bizarro mundo continua a girar. » É assim que termina o livro Homem na escuridão, de Paul Auster. Desafio hoje proposto por Margarida no seu blog 77palavras.blogspot.com, participe e leia os amigos nossos.

Desafio: E vai ser da mesma forma que começaremos as nossas histórias. 


O bizarro mundo continua a girar. Mesmo numa pandemia, que nivelou ricos e pobres sob a égide duma medicina desrespeitada por malfeitores idiotas, que a colocou em segundo plano, enquanto o vírus maldito ceifava milhares de vidas.  

Idealizamos um novo homem, iludimos com um novo normal, criamos protocolos. Só colhemos decepções pelo egoísmo e usura. Vimos aquele olhar somente no próprio umbigo. Vidas perdidas, a fome dilacera, a justiça emperra. O homem lobo do homem se manifesta.


Toninho

23/10/2021

Grato pela visita.




quinta-feira, 21 de outubro de 2021

Alegria que cantaria

 


Desafio de Portugal vindo do blog 77palavras de nossa amiga Margarida. Gosto da palavra alegria por tudo o que ela contém e pelas possibilidades que nos dá de brincarmos com as letras que a compõem. O desafio é compor um texto com as palavras do anagrama. 

Eu usei: Argélia-galeria-regalia-alergia- legaria- alegrai- gelaria-regalai-

********************************************************************************

Alegria que cantaria.



A liberdade não pretendia regalia, somente a alegria de cantar livremente. O medo morava numa galeria, onde o verde asfixiava com mãos esganadoras. Havia alergia à democracia, que gelaria os porões sombrios, onde tristeza não tinha razão.

Nas ruas cravos pisoteados, pareciam sangue. Era pesadelo ouvir sirene, que remetia à recente Argélia esmagada impiedosamente. Crianças com pais exilados giravam cata-ventos coloridos.  

Alegrai mães da praça das lamentações.  Regalai o coração para receber seu rebento cantando a canção.

Toninho

17/10/2021


Grato pela

 visita.


terça-feira, 19 de outubro de 2021

O tamanho da fidelidade.

 

Um conto na imagem de Outubro do blog pensandoemfamilia da Norma Emiliano, com uso do calendário de pintores com pés e boca. Edição de Outubro. 

A imagem da pintora Maria Vagyon 

Ainda me lembro da menina de tranças com seu cão pela estrada poeirenta. O destino a escolinha do vilarejo. A cena se repetia todos os dias. Ela trazia uma alegria contagiante, parecia sempre feliz. Havia algo estranho.

O cão sumia na porta da escola e reaparecia no final da aula. Curioso segui a dupla, estranhei que no fim da estrada próximo de uma casa, o cão sumia misteriosamente. A casa simples, um portão coberto pela Dama da noite e um banco, onde uma idosa sentada observava a estrada. Pensei ser uma vó.

Aproximei para saber do cão. A Vó disse, que não tinha mais cão, pois morrera num assalto junto com a mãe da menina, quando a levava. Morreu defendendo as duas.

Hoje a menina crescida, vai sozinha, pois a vó não podia andar de pé, mas a esperava todos os dias no portão.

Então descrevi a cena para a ela, sob o olhar fixo da menina, que parecia reprovar minha atitude. A senhora confirmou que era bem assim o fiel cão. Arrepiei e a menina ainda me sorriu, pois sabia de minha incredulidade.

Despedi delas, mas a menina se aproximou e disse, que somente eu podia a ver o cão, que mais ninguém poderia vê-lo e sorriu, por isso não contasse para ninguém, para não parecer um louco.

Assim  os novos dias que seguiram, eu a via e sorria olhando para o cão com uma infinita ternura do tamanho da sua fidelidade.

 

Toninho

18/10/2021

Grato pela visita.

Na minha infância de interior a gente ouvia muitos causos de assombrações, hoje sempre os externo nos meus escritos.


sexta-feira, 15 de outubro de 2021

Magia do arrebol.

 

Botando a cabeça para funcionar é a BC da Chica de todos os dias 5, 15 e 25 para uma imagem e inspirações livres. Visite e veja outros participantes chicabrincadepoesia. Hoje a imagem abaixo. 

Magia do arrebol.


Os olhos perdidos no fim da tarde,

um céu dourado avança pela noite,

no meu peito uma saudade já arde,

maltrata como chicotada no açoite.

 

Os olhos miram longe numa igreja,

posso ouvir o badalar de seus sinos.

Rogo proteção no final desta peleja,

ao som duma Ave Maria no violino.   

 

Por instante imagens desfiguradas,

que seguem apressadas na avenida,

agora coberta de nuvens alteradas.

silenciam pássaros como despedida.

 

Assim entro pela noite abençoado,

com olhos dourados pelo pôr do sol,

que como magia me faz inspirado,

sempre que estou diante o arrebol.

 

Toninho

15/10/2021  


Grato pela sua 

visita,

 


segunda-feira, 11 de outubro de 2021

Carta ao amigo.

 

O desafio é simples: Ler a carta e responder sobre o mundo do lado de fora e que contenha a frase: Sejam loucos, sejam mais que um nº , sejam pessoas....

Desafio elaborado pela amiga Marta Vinhais viste e participe.


Já pensei, que o céu fosse para todos. Hoje sou todo emoções lendo a carta sobre este abandono entre quatro paredes, e uma janela que mais parece uma prisão. A janela que dá para um belo jardim, quem olha vê a primavera que aflora. Ainda que não seja só um número, em meio aos loucos aos incapazes, sei que você tem uma identidade, que lhe faz ser uma pessoa. E ser pessoa, é a coisa mais linda nesta vida efêmera.

Aqui fora vivemos uma dura pandemia, homens abandonam os seus animais numa praça, numa rua deserta, de pessoas com medo do vírus. os homens se revelam com o seu lado mais obscuro, que nem a pandemia conseguiu o tornar melhor, dito humano no sentido amplo da palavra. Foi grande engano o nosso, ao imaginar e recriar um novo ser pós pandemia. Ele mostrou sua face, seu coração desprovido de sentimentos.

No fim da leitura de sua dolorosa carta, volto os olhos aos desvalidos sob viadutos e ou sob as marquises, sinto dó e piedade deles. Assim como você, cada ser invisível dos sem teto, sabe da dor deste abandono, são eles seres inanimados relegados à sorte, que só aliviam diante da morte. Mas repito meu amigo, que não se esmoreça, persevere na teimosia de viver e que dentro da liberdade encontre a felicidade. Até breve.

 

Toninho

02/10/2021     


Grato pela visita                





sábado, 9 de outubro de 2021

Admirável mundo infantil.

 


Uma imagem em 140 caracteres nossa BC de fim de semana projeto da amiga Marina já na sua edição 416 apresenta a imagem abaixo que já nos leva a pensar sobre a criança (no contexto do racismo e preconceito ainda existente) na semana que a homenageia, assim vamos ver os olhares dos amigos por lá devaneiosedesvarios. Abaixo a imagem. Participe.


Olhar I

O homem ainda não captou a lição,

que são todos iguais como humanos.

Preconceito intolerância e exclusão

que inspiram mal com atos insanos.

 

Olhar II

Crianças não são preconceituosas,

nascem puras com a misericórdia.

mas os adultos com almas sebosas,

educam mal pregando a discórdia.

 

Olhar III

Ainda há muito de vil preconceito,

que macula nossa humana relação.

Crianças trazem a pureza no peito,

ensinam a viver sem discriminação.

 

Toninho

09/10/2021

**************

********

Sonho com o dia em que todos levantar-se-ão 

e compreenderão que foram feitos

 para viverem como irmãos. (Nelson Mandela)

**************

Grato pela

visita.