Páginas

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Saudade com canto de pássaro.

Saudades dos pássaros de meu quintal,
da serenata matinal lá nos arvoredos,
que sempre assistia da janela lateral,
testemunha de todos os meus segredos.

Tinha o pássaro vermelho como sangue,
adorava o pássaro azul como céu anil,
João de barro trabalhando no mangue,
construía como um engenheiro civil.

Lindo vê-los soltos ciscando no jardim
desta varanda numa rede a balançar,
manhã perfumada pelo pé de jasmim,
belas são estas lembranças a inspirar.

quando atrás da serra o Sol se punha,
baixava uma solidão no fim cantoria,
num Céu estrelado a Lua testemunha,
alumiava minha janela na Ave Maria.

Toninho.
22/07/2014
 *************************************************
Um lindo fim de semana a todos com meu terno abraço.
 

terça-feira, 22 de julho de 2014

Sem os cabelos ficou borocoxô.

Dupla participação coletiva.


Minha participação no blog da Chica:
Participem também aqui: sementesdiarias

Estava mais borocoxô que plantador sem chuva.
 








Desde que seu cão morreu ficou borocoxô.




 


Estava borocoxô após aquela derrota para Alemanha.
 




Decepções causam efeito Borocoxô também nos animais.
 








************************************************
************************************************
Aqui minha participação no blog da Anne:  
Participem também aqui: menina-voadora















Lá se foi o tempo que pelo fio de cabelos do bigode se podia confiar numa pessoa. Hoje a confiança vem de um cartão ou de um cheque especial e ainda assim corre-se risco.

Aquele homem hoje de poucos cabelos brancos, que você vê naquele banco da praça, foi um grande jogador de bola nos anos 60, mas que fora sacrificado por uma geração por não evitar um gol, que fez seu time perder o titulo de campeão.

Quando ela percebeu no pente os chumaços de cabelos, sentiu uma lagrima percorrer seu rosto, correr entre os seios como uma lava de vulcão. Chorou copiosamente, mas saiu daquele quarto, com a decisão de mostrar ao mundo, que enfrentaria a doença.


 Na minha infância as meninas faziam suas bonecas e colocavam nelas um cabelo feito de cabelo da espiga de milho.


Quem muito fala e não presta atenção nas coisas, acaba por pentear cabelo de macaco.

**********************************************************