Páginas

quinta-feira, 12 de março de 2015

Alucinação




Caminhava pela praia vazia,
numa manhã comum de outono.
O vento varria folhas secas da praia,
apenas coqueiros descabelados pelo vento.

Profunda solidão habita barracas vazias,
cercada por arvores nuas semimortas,
pálidas pareciam umas esculturas,
Do artista ermitão desiludido.

olhava para o mar como um navegante,
procura o vento, que o leve ao porto
para os braços da sua morena,
a esperar com lábios de mel.

Ainda com a cabeça em maresia alucina,
sob o sol que castiga impiedosamente.
Refugia-se numa sombra, adormece.
O farol denuncia que já é noite.

Toninho.
11/3/2015
********************************************************* 
Aqui também tem coisas minhas: toninhobira.blogspot.com.br/







domingo, 8 de março de 2015

As dores da mulher.










A Norma Emiliano em homenagem ao Dia Internacional das Mulheres propôs uma blogagem coletiva para expressar sobre esta violencia contra as mulheres de todo o mundo, principalmente aqui.
Confira as participações aqui:pensandoemfamilia.com.br/


Minha participação.

As dores da mulher



A cada dia uma mulher chora sob a violência masculina, com maldades e requinte de perversidade. Chora e se cala numa estranha omissão de seus direitos, muitas vezes em nome de uma união, que só existe na sua cabeça de preservação da prole. Há um sistema, que fecha os olhos para a situação critica das mulheres, que vivem sob o domínio do medo, acumulando cicatrizes e vergonhas das manchas, que proliferam pelo corpo massacrado no dia a dia. 

Ninguém parece ver suas lágrimas de sangue, seu olhar cada dia mais distante, sem brilho perdido na esperança vã de uma trégua, que possa lhe restituir o prazer de viver, de cantar de alegria, além das canções melancólicas no banheiro quando toca e retoca cada mancha, cada ferida dos momentos da violência sofrida. 

Ah, como sofre esta mulher sequestrada da liberdade de sonhar, punida por seu par, escravizada na vil obediência da falsa vida conjugal, que lhe suga sistematicamente as forças, num processo de fragilização da moral e autoestima. Esta se lança no lodo da relação, não vê saída, nem mesmo uma tênue luz no fim de um túnel e permanece na escuridão, que lhe é imposta a conviver com o fantasma domestico que habita sua vida de horrores.

A estas pobres mulheres apenas restam a busca às orações pedindo forças para suportar cada dia, como se a esperar uma nova manhã de uma mudança, que lhe restituirá a alegria, o perfume do prazer. Senhor olhe para elas, pois que a Penha não lhes protege, a Penha apenas as denunciam aos seus algozes, que ferozes e embrutecidos da humilhação lhes aplicam o golpe final como se fosse uma estranha redenção da vida martirizada, que lhe negara os direitos de sobrevivência em paz.

Os números são assustadores e crescentes das mulheres, que tombam assassinadas pela inoperância das autoridades na aplicação das leis e supervisão desta na garantia de vida e liberdade da mulher, que a ela se refugia para resgatar seu mínimo direito, o da vida.



Salve as mulheres que vão à luta e não se entregam no silencio das torturas de seus algozes.


Toninho.
07/03/2015
*******************************************************************
Mais coisas minha aqui: http://toninhobira.blogspot.com.br/