Páginas

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Pobre coração.


Pobre coração.

Quem sabe faxinar a sua mente,
é gente que nunca se desespera.
Diante as intempéries piamente
ajoelha-se, tempera-se na espera.

Quase certo que todos têm a dor,
que dilacera com a autoestima,
a quem vem, arrebata o humor,
é letal como veneno estricnina.

Quisera ser faxineiro de coração,
que varre todo sentimento ruim,
que acende todo brilho da razão,
com a sabedoria de um querubim.

Mas sou tão pequeno no mundo,
onde reina maldade e desilusão,
que levam a viver no submundo,
almas perfumadas numa solidão.

Toninho.
20/02/2016
***************************************************
Uma semana abençoada leve e alegre para todos.


27 comentários:

  1. Um faxineiro de corações viria a calhar, Toninho. Estou longe de ter a serenidade que gostaria, rs

    ResponderExcluir
  2. Oi Toninho
    Adorei a 3ª estrofe, como seria bom existir alguém assim.
    É, delete e arquive precisam ser usadas com sabedoria.
    Um abraço, poeta

    ResponderExcluir
  3. Muito bonito. Abraço.
    http://diasfelizescontigo.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  4. Essas faxinas precisam ser feitas no coração ,mente e alma.Ficar com o que faz bem, afastar o resto! LINDA poesia! abração, ótimo dia! chica

    ResponderExcluir
  5. Bom dia, amigo Toninho!
    Um doce lamento de quem se preocupa co os demais... a gente tem empatia com quem sente tanto e nada podemos fazer... o jeito é ter um coração orante e amenizar a dor dos corações solitários...
    Um poema dos mais lindos que já li em seu blog...
    Bjm muito fratenro

    ResponderExcluir
  6. Um excelente conselho amigo Toninho.
    Saber gerir com sabedoria o que devemos guardar e o que devemos deitar fora.
    Adorei a sua frase faxineiro de coração.

    Um beijinho grato

    ResponderExcluir
  7. Eu que não sou boa em faxinas, te ajudaria se pudesse . Faxinar um coração é habilidade para os sensíveis de alma. É ter a sapiência dos humildes e a ternura dos amorosos.
    O dono dessa poesia tem!

    ResponderExcluir
  8. Deletar e arquivar, ser bom de faxina nem sempre possível para muitos. bjs

    ResponderExcluir
  9. Deletar e arquivar, ser bom de faxina nem sempre possível para muitos. bjs

    ResponderExcluir
  10. Que bom, Toninho, podermos faxinar a coração do nosso próximo, com uma boa palavra, com um gesto, com um sorriso... Sabe que não é difícil?
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  11. Acredito que apesar dos pesares a solidão apenas existe para quem faz da vida uma eterna escuridão ,maravilhoso caro amigo ,um grande abraço .

    ResponderExcluir
  12. As vezes o coração se engana_ só a sabedoria pode faze-lo distinguir entre o que é precioso e o insignificante e assim iniciarmos uma faxina sem erros.
    Sempre ,te admirando
    meu abraço

    ResponderExcluir
  13. Oi Toninho estou sentindo a dorzinha do teu puxão de orelhas, e vim aqui para acalmar a dor...
    Querido amigo desculpe a demora, mas minhas prioridades no momento estão centradas nas vivências praianas.
    Amei tua poesia e solidão tem quem não é generoso , nem consigo mesmo.
    Boa semana!!! Abração.

    ResponderExcluir
  14. Toninho,
    Sabe o poeta, que a razão sucumbe sempre frente à emoção; bom seria claro, fazer uso da razão para “varrer o sentimento ruim”, como você canta, mas entende essa impossibilidade ("almas perfumadas numa solidão").
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  15. Olá Toninho, belo poema.
    Por vezes o coração se engana.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  16. Sou péssima faxineira de coração .Mas na vida a faxina as vezes é essencial para se seguir em frente... Beijos

    ResponderExcluir
  17. Gostei da acnção aprecio Antunes.

    Faxinar coração é complicado, né?


    Sonhos bons

    ResponderExcluir
  18. E , obviamente, gostei imenso do poema.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  19. Olá Toninho,

    Um nobre desejo este de ser faxineiro de coração. Há tantos precisando varrer sentimentos ruins e nefastos de seus corações. Uma ajuda viria a calhar. Porém, infelizmente, esta é uma tarefa individual, além de imprescindível para se viver em paz.
    Procuro faxinar minha mente e coração, mas sempre fica alguma poeira para trás-rsrs.

    Muito lindo.

    Abraço carinhoso.

    ResponderExcluir
  20. Mineirinho, sua escolha musical é sempre primorosa.
    Deletar e arquivar exige, de fato, sabedoria. Não conseguimos uma faxina constante, eis que envolvidos em diárias emoções, nem todas positivas. Um poema encantador e reflexivo. Bjs.

    ResponderExcluir
  21. É um aprendizado essa faxina. Reconhecer e decidir... Diariamente temos "trabalho" a executar nessa área, né?!
    Muito bonito poema!
    Abração

    ResponderExcluir
  22. Querido Toninho
    «Quisera ser faxineiro de coração«..., mas é que é mesmo! para todos os que o leem. Eu fico aqui de alma lavada, com os seus conceitos e os seus bons pensamentos e reflexões. Obrigada.
    Parabéns pelo poema, sempre tão sábio e pleno de sensibilidade.
    Gostei muito da canção, que ainda não conhecia.
    Um beijinho
    Beatriz

    ResponderExcluir
  23. Muito bom seria fazer essa limpeza no coração, tirar as nódoas tão prejudiciais ao seu bom funcionamento.
    Penso que este " faxinar" é um grande processo evolutivo.
    Nem todos tem a facilidade em fazer tal faxina e deixar somente o que for bom vibrar na mais linda sintonia.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  24. Fácil falar, difícil de conseguir não é? Amigo mineiro, as suas palavras ajudam a todos nós, se não a limpar o coração, pelo menos esquecer momentaneamente aquilo que nos perturba o peito.
    Grata por isso.
    Abraço, bom domingo
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderExcluir




Obrigado pela sua visita.
Alguma dificuldade ou desconforto neste blog como tamanho de fonte, dificuldade de comentar, links maliciosos etc favor comunicar para corrigir.
Caso não tenha um blog poderá comentar como anonimo e no fim colocar seu nome ou não para que possa agradecer.
Fique a vontade!
Meu abraço de paz e luz.