Páginas

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Funeral animal no fundo quintal- O fim do Almofadinha









imagem do Google





Aconteceu na cidade de Itabira-MG, lá pelos anos 60, quando a cidade não tinha transporte coletivo e pouquíssimos carros pelas ruas empoeiradas, ou de calçadas. Os que tinham davam para se contar nas pontas dos dedos. Bem verdade, que não tínhamos tantos quebra-molas nem este ar carregado de monóxidos e outros tantos dióxidos. Naquela época transporte bom, era um belo cavalo ou boa mula, e pela cidade liberdade de estacionamento sem ter que conviver com as multas destes órgãos.  Era interessante no largo da matriz aos domingos, se deparar com tantos animais atrelados, exibindo suas belas montarias e ouvir o tilintar de suas ferraduras pelas ruas calçadas.

Naquele bairro um senhor tinha vários animais, dado ao seu gosto pelas criaturas. Seus filhos se autodenominavam donos de cada um e assim, se obrigavam ao zelo e tratamento destes animais. O que para eles era mais uma diversão, para as mães na realidade era uma obrigação cobrada todos os dias, para explicar ao marido o que aquelas crianças tinham feito durante o dia, isto é, a tarefa de buscar os animais, tratá-los, lavá-los, etc. e tal. Coisa da educação patriarcal da época. Onde vida de mulher/esposa era cuidar da casa e das crianças. E tinha casa que as crianças tropeçavam nas outras. Conheci umas que tinham 18. Imagine se Dr. Elsimar Coutinho passasse por lá? Briga boa entre ele o padre  Zé Lopão.

Mas deixando a vida de “Kelé”, aquele senhor dos animais, tinham uma predileção muito especial, por um de seus cavalos, a quem os meninos não se atreviam a posse, mas que cuidavam com maior empenho. Era o Almofadinha, não que aquele animal tivesse as frescurinhas da palavra, mas pelo garbo no marchar compassado suave. Era um cavalo, que se acreditava inteligente, subia escadas e obedecia a certos chamados. Todos admiravam o prazer do senhor por aquele animal, quando o arriava/selava com sua mais bela SELA e rédeas retorcidas, com freios de bronze reluzente e adornado por um pelego laranja, usado só aos domingos para ir à matriz. O animal sentia sua importância, deslizava pelas ruas como numa passarela, era elegância e garbo.
Porem certo dia aquele animal apareceu com umas marcas na pele, e estas sangravam, e não se fechavam, com todos os métodos corriqueiros, caseiros de conhecimento popular da época. Lembro de uma pomada fedorenta de caixa cor amarela de nome Anticocus, de alto poder cicatrizante, fora a mais usada naquela assepsia do animal, tanto que o quintal daquela casa cheirava a tal pomada, tamanho era o desespero daquele senhor, em curar o animal. Logo surgiram as informações de que aquilo seria coisa mandada por gente do mal, que não conseguindo atingir o dono, senhor de religiosidade forte, a coisa desviou-se para algo de sua estimação. Sugeriram benzeções, consultas em terreiros, simpatias, e um monte de coisas da crendice local.

Foram meses de sofrimento do animal e daquele senhor. Dividido entre o trabalho e os cuidados ao animal, ali no fundo do quintal debaixo de uma mangueira, que ele improvisara uma espécie de curral. A cada dia mais manchas brotavam e sangravam, mas aquele homem o amava por demais, para optar pelo sacrifício. Se bem que na época, não se falava de vigilância sanitária, nem mesmo, tinham os mecanismo avançados de remoção e içamento atuais, que facilitaria a retirada do animal. A vizinhança fazia corrente em orações, para que tivesse fim o sofrer do pobre animal, os mais sincréticos professavam a vinda de um benzedor bruxo lá do lugar chamado Praia, que era bom na coisa. Mas o senhor religioso apenas seguia na sua missão e convicção religiosa de suavizar e curar.

Numa manha enfim veio a morte do Almofadinha, pois naquela manha aquele senhor, de posse de seu trabuco, tinha decidido em atirar na cabeça do animal, o que não foi preciso para alivio de seu coração. Noticia rapidamente espalhou-se pelo bairro. Então se deparou com a dificuldade, que seria remover o animal do fundo quintal. Imediatamente o senhor decidiu por enterrá-lo ali mesmo no quintal. Assim se atirou ás ferramentas na abertura de um buraco/cova para enterrar seu animal. Vizinhos, crianças ajudaram na retirada de terra naquele evento, misturado de gente e terra vermelha no funeral do animal, que levou consigo seus utensílios de cavalgada. Numa cova funda, sem cruz, sem lapide, sem flores, sem nada.

Sobre aquela cova o senhor plantou uma muda de banana Ouro, (inajá, dedo de moça, banana mosquito e etc.) banana miúda e muito saborosa, adorada por todos que a experimentam. O que se viu foi que rapidamente enraizou e passou a brotar e crescer vertiginosamente, logo dando os primeiros cachos. Frutos colhidos e maduros expostos na grande mesa da cozinha, logo foram comidos e adorados por todos, que não lembravam que aquele lugar estava os restos mortais do Almofadinha.

Hoje o que sabe, é que aquela bananeira nunca se conseguiu erradicá-la, pois os brotos se espalham por toda área próxima e crescem com rápida produção dos deliciosos frutos em abundancia, sempre procurados por vizinhos e familiares visitantes.









As bananas 

Foto propria.




Ah sim, ninguém nunca pensou em exumação, e seus restos viraram adubação.




Toninho.

19 comentários:

  1. Que lindo e comovente conto.Toninho! Fato surpreendente esse final.Lindo dia! abraços,chica

    ResponderExcluir
  2. Meu amigo Toninho!
    Vou-lhe dizer do fundo do coração, li este seu escrito como se estivesse vivendo esse lindo episódio. Sabe que quando eu era criança, na minha aldeia, ainda vivendo em Portugal, me lembra de todos os meios de transporte serem assim. E na calçada, feita de pedra que apanhavam no rio, os Cavalos, Burros e os Bois, com suas ferraduras produzim um barulho que eu adorava escutar. Tudo nesse tempo me deixa saudade e esta tua história, como outras que já li, me lavam a viajar no tempo.

    Grande abraço e bom final de semana.

    ResponderExcluir
  3. Já imaginou se ele tivesse deixado o Almofadinha ter cruzado com alguma égua? Com essa fecundidade, ia ter almofadinhas filhos garbosos e ainda perpetuaria a espécie. Mas servindo de adubo para as bananas já foi um bom legado. rsrs.
    PS: O Sr de 18 filhos era o Chico Rosa, da Av, Cauê, compadre de meu pai. Aliás, com aquela filharada do Campestre, todo mundo era compadre de todo mundo. hahahaha! Abração, meu amigo. Eu tenho verdadeiros extases de saudades desses tempos e lugares. Meu abraço. paz e bem.

    ResponderExcluir
  4. Texto primoroso, meu amigo!
    Bjos e bom fim de semana ;)

    ResponderExcluir
  5. Olá amigo Toninho
    Pude visualizar todo o cenário de sua história, dado à riqueza de detalhes. Antes o interior realmente tinha esse pode de aglutinar toda população em torno de um acontecimento. Bons tempos.
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  6. Que bela e educativa experiência vivida Toninho!
    As riquesas de Minas estão tão enraizadas nos nossos sentimentos... lindo!
    Beijos e muito obrigada!
    Carla

    ResponderExcluir
  7. Um conto que nos enternece, quanto amor pelos animais, como seria bom se todos assim fossem,o nosso mundo não estaria na situação que estás, beijos Luconi

    ResponderExcluir
  8. Que linda e enternecedora história meu amigo, acho que se fosse comigo teria feito o mesmo, pois sou uma pessoa muito amiga dos animais, olhe sempre tive passarinhos de canto, assim como canários e rosicolis, pois quando eles morrem eu os enterro dentro dos vasos de flores aqui na minha varanda.
    Por isso eu faria o mesmo que o senhor fez, e, que maravilha as bananas se reproduzirem assim Deus sabe o que faz e a quem o faz, beijinhos de luz e paz nos seus dias.

    ResponderExcluir
  9. Um conto maravilhoso rico em detalhes que demonstra o carinho pelo animal. Eu amo animais e faria o mesmo ou mais ainda. Tudo que é bom, e que vai pra debaixo da terra se torna um bom adubo. Adorei seu texto. Um ótimo fim de semana pra ti. Abraço meu amigo!

    ResponderExcluir
  10. Toninho, boa noite, achei o seu conto muito bonito, a narrativa excelente, como vc diz viajei, conhecí mais um pouco das suas saudades. Fiquei com dó do dono, da perda do animal, depois de cachorro, o animal que mais admiro é o cavalo, até um minúsculo burrico eu acho lindo. Sobre o pé de bananeira, lembra a lenda indígina que conta que quando a índia mais bela da tribo faleceu, com muito pesar a sepultaram, passado algum tempo no local nasceu um arbusto, mais tarde descobriram que podia se alimentar com os tubérculos alimentando toda a tribo, o arbusto era um pé de mandioca, Ja estou curada, adotei a filosofia de Scarlete Ohara, quando no final do filme, o seu amor a abandona ela diz' AMANHÃ SERÁ OUTRO DIA.Um abraço Celina

    ResponderExcluir
  11. Conto de saudades de local vivido cheio de detalhes de crenças. Reprodução até o final do com o adubo do animal de estimação.
    Bom final de semana

    ResponderExcluir
  12. Conto emocionante e muito rico em detalhes...
    Obrigada meu amigo, por nos proporcionar tão boa leitura!

    Carinhos mil pra ti!
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Que lindo conto Toninho, parabéns, os animais tem o dom de nos cativar pelo seu amor, bjus.

    ResponderExcluir
  14. Amigo,

    Destino cruel!...
    O Almofadinha não ficou na lembrança... virou adubo.

    Moro num lugar chamado Praia... Kkkk...

    Bom fim de semana!
    Beijinhos.

    º✿♫
    °º✿ Itabira
    º° ✿♥ ✿° ·.

    ResponderExcluir
  15. A gente lê o texto e viaja no acontecido. Que texto maravilhoso, poeta! Obrigado pelas belas palavras deixadas em meu espaço. Abração.

    ResponderExcluir
  16. Oi Toninho!!!

    Que linda e comovente história...quanta saudade da nossa bela Minas Gerais...obrigada amigo pela visita e pelas belas palavras de carinho...
    um ótimo final de semana!!!

    bjs no coração...

    Vivi

    ResponderExcluir
  17. Muito bem contada a história, que me pareceu ser verdadeira. Também sinto muita saudade do meu cachorro!

    ResponderExcluir
  18. Difícil nao ser transportada pro interior, onde pequenos acontecimentos sao altamente avistados, comentados; fora as crendices de que, onde foi enterrado um cavalo reprodutor, reproduziriam plantas e frutas.
    Eu sempre vivi na capital, mas tive amigos no interior, e até tive um noivo de lá, e na casa deles imperava a crendice popular sob todos os assuntos, por mínimos que fossem. Era um barato! Você me levou aquele tempo agora, meu amigo, valeu!

    ResponderExcluir
  19. Boa noite amigo!
    Visite meu blog, nesse endereço e pegue o desafio literário, para você responder aqui em seu blog...você foi indicado , tudo bem?
    Um grande abraço.

    http://blog.daysesene.com/2011/01/presentes-recebidos-dos-amigos-selinhos.html

    Te aguardo.

    ResponderExcluir




Obrigado pela sua visita.
Alguma dificuldade ou desconforto neste blog como tamanho de fonte, dificuldade de comentar, links maliciosos etc favor comunicar para corrigir.
Caso não tenha um blog poderá comentar como anonimo e no fim colocar seu nome ou não para que possa agradecer.
Fique a vontade!
Meu abraço de paz e luz.