Páginas

quarta-feira, 16 de maio de 2012

João da Ponte.













João da Ponte

“Era um homem alto, magro, sempre vestido com cores escuras,
Andava meio de lado. Tocava as coisas lentamente. “(Murilo Rubião)

Parecia carregar seus mortos e ou decepções do passado, este mulato curtido pelo sol, de mãos enormes povoadas por calosidades adquiridas no serviço da lavoura. Conhecido como o João da Ponte, referencia ao lugarejo onde nascera naqueles anos, que antecederam a ditadura Vargas. Assim vivia pelas ruas de pedras, daquela pequena cidade de Minas Gerais, este homem de maneiras delicadas, sempre com um sorriso amigável, que fazia questão de tocar as mãos das pessoas com uma expressão facial de menino inocente.

Naquele tempo nas igrejas católicas ligadas à Arquidiocese Mariana, proibiam mulheres de adentrarem nas igrejas com blusas sem mangas ou muito decotadas. Para tal um homem era designado para a tarefa, ficava na porta da igreja como sentinela, foi então que o João, pela sua delicadeza e cordialidade fora designado e era o responsável nas missas dominicais das 8 horas, que tinha maior numero de mulheres e crianças. 

Algumas mulheres que vestiam roupas sem mangas, quando chegavam à porta da igreja, se valiam de um véu negro ou um xale, que colocavam sobre o tórax, para cobrir as parte nuas e assim burlavam a restrição. Ocorre que João não aceitava esta situação e num belo domingo, ele impediu a mulher do prefeito e fez-se um maior “fuzuê” na porta igreja, que só fora desfeito com a presença do delegado, do bispo e do juiz de paz que estavam na igreja. 

Depois deste episodio, o que se sabe deste fiel cumpridor das ordens do padre, é que permanecera triste e “acabrunhado,” assim desapareceu da cidade e nunca mais se teve noticias dele. Alguns andaram dizendo em porta de boteco, que contrariado ele se mudara para o Vale do Jequitinhonha e morava na cidade de Mucuri, e que agora era um “obreiro” de uma igreja evangélica que estava em processo de instalação. 

Toninho.
10/05/2012.

Fuzuê: confusão, algazarra, baderna, celeuma.
Xale: vestuário feminino, adorno para os ombros, manta feita de seda ou lã.
Acabrunhado: abatido, triste, envergonhado,
Obreiro: auxiliar de pastor.


Texto de exercicio no blog Escrito na Linguagem do corpo.

22 comentários:

  1. Que lindo exercício esse.Pintaste esse João muito bem.

    Não aguentou a situação e mudou até de igreja, além de cidade... Muito legal! abração,chica

    ResponderExcluir
  2. Que lindo conto, Toninho!
    Mas confesso que fiquei com dó do João da Ponte...
    Adoro esses contos, pois viajo no tempo e no espaço, e revivo cada momento contado!

    Beijos, e tenha um ótimo dia!!♥

    ResponderExcluir
  3. OLá Toninho,

    Conto interessante, trazendo com ele uma grande mensagem, nada mais que o dever cumprido, dando a todos independente de quem seja as mesmas verdades.
    Então que eu construa o a minha propria sede
    e decrete as leis e que seja para todos.

    Fazer a parte e ter a dignidade de sair
    com o dever cumprido...

    Sempre a admirar teus belos contos Toninho

    Linda semana para ti

    Bjs

    Livinha

    ResponderExcluir
  4. Quantos João da Ponte não existem por aí...
    Encantei-me com este mulato, de calosidades e delicadezas,

    Abs!


    (Toninho se puder seguir meu blog ficarei muito agradecida)

    ResponderExcluir
  5. Conto reflexivo sobre a idéia do dever cumprido e da falta do reconhecimento, levado à desesperança e afastamento físico na tentatiiva de subblimar a dor.
    bjs

    ResponderExcluir
  6. Olá, Toninho. Vim "Só para dizer..." o quão seu blog é maravilhoso e seus textos são belos. Sou seguidora desde já. Espero que se der, você passe pra conhecer meu cantinho, e que se gostar me faça companhia por lá também. =D
    Sera um prazer te receber. E desde já... Obrigada! (Ah, adorei sua playlist!)
    E, continuemos... =p
    Uma ótima tarde de quarta-feira.
    Um forte abraço, Tati.

    http://tatian-esalles.blogspot.com.br/

    Att.

    ResponderExcluir
  7. O João fez a opção ....
    Abraço Lisette.

    ResponderExcluir
  8. Oi, Toninho!

    O João da Ponte tentou cumprir sua missão de forma correta, porém, como sempre acontece, quando se esbarra nos poderosos a coisa muda de figura... Sentiu-se injustiçado, com toda razão.

    Grande abraço
    Socorro Melo

    ResponderExcluir
  9. Oi amigo Toninhobira, conto bem feito com começo meio e fim como deve ser todos os contos, é,a corda rebentou do lado fraco do João da ponte como sempre, foi melhor para ele, que encontrou noutra religião o que não encontrou na que era seguida por Ele. Um abraço fraterno, Celina

    ResponderExcluir
  10. Belíssimo conto,amigo Toninho!O pobre do João quis ser justo e levou a pior.Infelizmente é o que acontece a tantos de nossos humildes Joões...os poderosos,como sempre,são os vencedores.
    Ainda bem que o nosso João encontrou quem lhe desse o devido valor.
    Bjssssss,
    Leninha

    ResponderExcluir
  11. Meu querido amigo

    Um belo conto...quem dera que houvesse mais homens assim cumpridores do seu dever.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  12. OI TONINHO!
    EM TEU CONTO, DE FORMA SUTIL, NOS FAZES VER QUE ATRAVÉS DOS TEMPOS IMPERA A LEI DOS MAIS FORTES.
    TAMBÉM VIM "SÓ PRA DIZER", COMO A TATIANE.
    BONITO TEU CONTO.
    ABRÇS

    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderExcluir
  13. Boa noite, querido amigo Toninho.

    Coitado do João da Ponte! Cumpriu a risca os mandamentos do padre, e se deu mal.

    Em Mariana, lembro-me que os padres até deixavam as moças constrangidas, quando por um pequeno decote, eram convidadas a saírem da Igreja.
    Era raro acontecer, porque naquele tempo fazia muito frio; mas acontecia.

    Eu usava véu branco. Os véus eram lindos!
    -------------------------

    Beijos.

    ResponderExcluir
  14. Um belo conto que retrata as escolhas que temos que fazer na vida.
    Beijos meus, amigo!!!

    ResponderExcluir
  15. A mulher do prefeito, quem diria... e o João só queria cumprir a tarefa que lhe foi designada! Sentiu que sua maior qualidade havia sido colocada em julgamento.
    Bela construção! Em Minas, encontramos algumas figuras típicas nas cidades e alguns tidos como loucos. Na minha cidade, existiu a figura folclórica do "Rabo Verde" e não há qualquer roda de prosa que ele não seja lembrado.

    ResponderExcluir
  16. Que tolinho foi o João, não?
    É isso que dá querer ser sargentão fora de quartel, rsrs
    Pode ter certeza que o mesmo será daqueles crentes obreiros, "cheio de santidade e abnegado", que usará o cajado do pastor para diciplinar as ovelhas.
    Já vi esse filme, só que com um padre que me proibiu quando criança, de usar um brinquedo do parquinho da igreja por não ter feito a primeirta comunhão. Só que depois, ouviu um montão de minha mãe, até murchar a orelha, rsr
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  17. o tempo só fortalece!!! belo conto!
    ♥´¨*♥.¸¸.«♥»-(¯`♥´¯)-»♥».¸¸.♥*¨`♥
    ( `♥.¸ Semeie flores...¸.“♥´)(¸.♥´
    `♥.¸ ) colherá o perfume.¸.“♥´)(¸.´♥
    ( `♥.¸ Semeie o carinho...¸. ♥“´)(¸.♥´
    `♥.¸ ) colherá a amizade.¸. ♥“´)(¸.♥´
    ( `♥.¸ Semeie sorrisos...¸.“♥´)(¸.♥´
    `♥.¸ ) colherá a alegria.¸. ♥“´)(¸.♥´
    ( `♥.¸ Semeie a verdade...¸. ♥“´)¸.♥“´)
    `♥.¸ ) colherá a confiança.(¸. ♥´¸.♥“´)
    ( `♥.¸ Semeie a vida...¸.“♥´)´¸♥.“´)
    `♥.¸ ) colherá milagres. ♥“´)´¸.♥“´)
    ( `♥.¸ Semeie a fé...¸. ♥“´)(¸.♥´
    `♥.¸ ) colherá a certeza.¸.“♥´)(¸♥´
    ( `♥.¸ Semeie o amor...¸. ♥“´)(¸.♥´
    `.♥¸ ) Colherá a felicidade!¸. ♥“´)(¸.♥´
    ♥´¨*♥.¸¸.«♥»-(¯`♥´¯)-»♥»..¸¸.♥*¨`♥
    ´´´´¶¶¶¶¶¶´´´´´´¶¶¶¶¶¶
    ´´¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶´´¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶
    ´¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶´´´´¶¶¶¶
    ¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶´´´´¶¶¶¶
    ¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶´´¶¶¶¶¶
    ¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶ ´¶¶¶¶¶
    ´¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶
    ´´´¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶
    ´´´´´¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶
    ´´´´´´´¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶
    ´´´´´´´´´¶¶¶¶¶¶¶¶
    ´´´´´´´´´´´¶¶¶¶
    ´´´´´´´´´´´´¶
    Deus te abençõe !!

    ResponderExcluir
  18. Toninho,um excelente conto mostrando que o tempo muda,mas os poderosos sempre dão um jeitinho de burlar as regras!Bjs e boa quinta!

    ResponderExcluir
  19. Toninho,
    ontem vim duas vezes, ou mais não sei ao certo e não consegui deixar meu comentário. Mas a culpa era de minha net amigo.
    João da ponte me comoveu. Ele apenas cumpria sua tarefa, mas como o menor não leva vantagem diante do grande, ele foi injustiçado né? Pena!
    Toninho, você escreve maravilhosamente. E sabe? Teus textos sempre é emocionante de ler.

    Beijão amigo

    ResponderExcluir
  20. Fez-se João da Ponte, fiel escudeiro do padre. Seguiu as regras dos bons costumes, cuidou do recato á missa, mas infelizmente esbarrou na antiga e conhecida mancha social:o abuso de poder.Daí, aqueles que lhe roubaram a função, tbém mancharam o lugar de oração.
    Assim como era antes, o é agora.Lamentável situação.
    Belo conto, amigo Toninho.Parabéns.
    Bjos,
    Calu

    ResponderExcluir
  21. É e o poder fala mais alto. Nem precisava tanto fuzuê. Apenas cumpria o seu dever. Pobre João.

    Toninho um conto de muito encanto como os que você sempre escreve.

    Um grande abraço.

    ResponderExcluir




Obrigado pela sua visita.
Alguma dificuldade ou desconforto neste blog como tamanho de fonte, dificuldade de comentar, links maliciosos etc favor comunicar para corrigir.
Caso não tenha um blog poderá comentar como anonimo e no fim colocar seu nome ou não para que possa agradecer.
Fique a vontade!
Meu abraço de paz e luz.