Páginas

sábado, 20 de outubro de 2018

Coração em festa.

Hoje celebra o profissional, que pode ser reconhecido como um artista escritor, que usa de sua criatividade, imaginação e sensibilidade para escrever, em versos, as poesias que faz. 
E hoje tive a grata alegria de ler um poema lindo de nossa amiga Manuela um pouco ausente por situação de saúde que eu os convido nesta leitura aqui: Manuela

Minha homenagem à todos eles.


Poetizando e encantando um belíssimo projeto da professora Lourdes, que incentivo na participação, bem como conhecer e ler os participantes, confesso que fico emocionado com tantas belas inspirações. Ela sempre nos oferece uma série de imagens para uma escolha aqui: filosofandonavidaproflourdes a seguir a minha escolha de imagem e inspiração.
  


Há que se possa ter no amor inspiração,
constante avassaladora o vire a cabeça.
Ter mãos de artesão, poesias é a criação,
tecer versos fio a fio na paixão confessa.

Vive-se o amor inspirado pelas emoções,
cada ofertar de rosas cala-se pelo verso,
na inquietude do encontro dos corações,
suspiro alinhavado refaz meu universo.

Falar do amor, que no corpo incendeia,
pela metamorfose de sonhos libidinosos
iluminados pelo clarão duma lua cheia,
beijam-se envoltos os desejos prazerosos.

Assim se vive, pulsa o coração na festa,
num deliciar-se do puro mel da florada.  
Recria-se mil e uma noites com seresta,
só se despertam no canto da passarada.


Toninho
20/10/2018 


“O poema essa estranha máscara mais verdadeira
 do que a própria face. ” (Mario Quintana)

Parabéns à todos da poesia 
nesta edição



sábado, 13 de outubro de 2018

Aura da paz.



Uma inspiração para o projeto poetizar e encantar da professora Lourdes, que mesmo preocupada com doença em família, veio nos convidar para espalhar poesias pela blogosfera confira filosofandonavida.


Inesquecíveis os olhos abandonados,
perdidos no tempo foi-se a inocência,
reviver agora momentos sepultados,
lança o olhar no além em clemencia.

Há dentro do olhar uma suavidade,
que se irradia pela face por instante,
n0 resgate da doçura é credulidade,
alivio que é refrigério no já distante.

Ainda lembro aquela tua suave voz,
delicada numa deliciosa sonoridade,
como o exorcismo ao passado algoz,
teima reencontrar a tua jovialidade.

Havia no teu olhar algo que atraia,
que perto me envolvia numa calma,
alisei tua face como da Mãe Maria,
ela se irradiou de paz sob uma aura.

Toninho
13/10/2018

******************************************************
Feliz domingo para você
numa semana de paz.
Grato sempre.




quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Itabira: Uma sombra de saudade





Uma lembrança a minha cidade Itabira-MG no seu aniversário de 170 anos de emancipação em 09/10/2018.

De Itabira carrego saudades, que me seguem como sombras. Saudades de minha catedral com sua praça com o obelisco, que chamávamos de pirulito, por onde as procissões contornavam, ou referência para separar homens de mulheres na procissão do Cristo Morto na Semana Santa. No adro um paredão com inúmeros furos onde se escondiam as andorinhas, mais tarde expulsas pelos pardais na usurpação dos ninhos para reprodução. Minhas andorinhas nunca mais apareceram.
Saudades das procissões na Semana Santa, mãos queimadas pelos tocos das velas que escorria. Vivia uma profunda emoção, lágrimas nos olhos ao ouvir o Sermão das Sete Palavras na procissão de Encontro na voz emocionada do Pe. Lopão(José Lopes) e daquele dilacerante canto entoado pela Verônica, eu vivia tudo, sentia, sofria na pele.


Saudades das ruas de pedras de minério de ferro escorregadias, que me fazia perder as pontas dos dedos no futebol diário. Saudade da dor, de ver o dedo sendo curado por minha mãe, com apenas sal e limão. Doía, mas no outro dia estava curado. Saudades das risadas dos passos desengonçados das moças quando perdiam os altos saltos nas pedras de minhas ruas.
Saudade do brilho do Pico do Cauê a sua imponência azul naquela serra, onde todos os dias, assistia o tingir do céu da poeira vermelha após as explosões com dinamites, que tremiam o chão e agitavam meu coração de menino, que achava linda toda àquela agitação de sirenes, pessoas correndo, cachorros latindo, vidraças vibrando, às vezes quebrando, eram como se o Pico gritasse como um leão na barriga daquela serra. Eu menino nem sabia que ali estava processando esta saudade que agora sinto.

Saudade dos comícios animados e engraçados dos dois partidos, de andar de carroceria de caminhão de bairro em bairro e eram tão poucos, que se faziam numa noite, menino seguindo gente grande na noite sem perigo da cidade, tudo era festa.


Saudade de colher as Gabirobas na serra de frente de casa onde hoje fica a casa restaurada de Drummond. Saudades de nadar nos rios e lagoas sem medo da xistose, passear pelos pomares na procura de Jabuticaba na chácara da Cia Vale do Rio Doce ou lá na fazenda Pontal da família de Carlos Drummond. Ah, esta saudade que sinto, desta Itabira que me faz hoje viver nesta distancia, coletando fragmentos, que minha mente insiste em servir no prato de barro, que buscava naquele brejo que não mais existe.
Ah, eu não queria sentir esta saudade dolorida, mas não tem jeito, pois cada vez que me vêm estas lembranças, há uma certeza, que há uma degradação pelo progresso sem controle de processos, nada preservou, resta apenas esta parede sem brilho, este buraco, esta serra careca, esta velha Maria Fumaça sem apito, sem fumaça, mal cuidada na entrada de minha cidade. São estas constatações que doem muito mais do que estas recordações que agora me acompanham.

Ah, eu não queria, mas como podem ver, eu não sei viver sem estas lembranças de uma Itabira que talvez só exista em minhas memórias, mas como dói.






Toninhobira


sexta-feira, 5 de outubro de 2018

Poesia esculpida no barro.



Botando a cabeça para funcionar um projeto da Chica juntamente com seu neto Neno sempre nos dias 5, 15 e 25 de cada mês. Conheça e participe com postagem livre e ou comentários na postagem dela aqui chicabrincadepoesia.blogspot. Vamos à imagem de hoje: uma obra prima da natureza com seu João de barro.



Eu construo palavras para ter poesia.
Ele com sua saliva constrói seu ninho.
Perco noites na procura da sintonia,
ele incansável leva barro no biquinho.

Vejo a natureza na poesia se aninhar,
posso ouvir cantoria dos passarinhos.
olho um João de barro para acasalar,
inspira os versos, que rimam carinhos.

A poesia é a casinha feita no coração,
como a casa de barro feita na arvore,
que baila pelo vento, não vai ao chão,
a inspiração vive, em quem se arvore.  

Mas quando minha poesia criar asas,
olharei filhotes principiando no voar.
Saberei que vem abandono das casas,
Pedreiro João de barro vem poetizar.

Toninho
05/10/2018

Em tempo parabenizo a amiga Anete do blog cirandadefrases  em aniversário neste sábado 6/10/2018.
Parabéns  Anete Anete com paz e harmonia na família. Nosso abraço.



Bom fim de semana amigos

Aos brasileiros que possam 
exercer o direito de votar 
num clima de paz.


terça-feira, 2 de outubro de 2018

Mistério na outra margem.



Poetizando e encantando edição 55 da professora Lourdes que convido a conhecer e participar aqui filosofandonavidaproflourdes acontece todos fins de semana. A minha imagem escolhida e inspiração.



















Nesta margem do rio tudo é alegria,
na outra margem olhos angustiados.
O rio corre lento suave em harmonia,
há frescor nos dias mais ensolarados.

Pudesse o rio levar toda esta tristeza,
da moça que chora seu triste passado,
depositar no mar em sua profundeza,
suas velhas mazelas é o tudo desejado.

Todos os dias a vejo pelo rio sentada,
como em ritual toca os pés e as mãos,
seu olhar parece perdido na enseada,
onde mora sozinha em plena solidão.

Então naquela manhã de Primavera,
ela se fez mais bela, sob o sol radiante.
Vestiu-se como uma verdadeira Hera,
a vi mergulhar desaparecer a jusante.


Toninho
01/10/2018
meu outro blog: momentosdeinspirações


Que a semana
flua bela e
alegre.

domingo, 30 de setembro de 2018

Um trem chamado Sossego.





Um trem chamado Sossego inspirou-se num belo texto do nosso amigo Betonicou , mineiro de Santa Luzia, que escreve divinamente e que a mim foi indicado apresentado pela querida Smareis . Ah, eu também sou mineiro. Então vamos lá conhecer e prestigia-lo betonicou.blogspot 
 Vem dele o texto abaixo:

“Nos trilhos viaja a Maria, e de sua lenha exala a fumaça.
Leva e traz aos recantos de Minas, as gostosuras:
O açúcar de cana, e a mais pura cachaça.
Serpenteia nas matas a vida mineira. Vários apitos
no vai e vem.
Ao longe, se vê a fumaça que a magia da terra retém." (Betonicou)


Caminhava lento em direção à estação num dia sem inspiração.  O Sol tímido despontava por trás da Serra do Curral.¹ A cidade acordava com seus pássaros urbanos, ronco dos motores. A fumaça do diesel ardia meus olhos e para alvoroço da passarada do Parque Municipal.². Assim entrei no trem Sossego na estação, sem saber para onde me levaria. Sabia, que passaria pela estação Esperança.

Como o menino de anos atrás da cidade de Itabira do chão vermelho como pé de pomba, corri para a janela, as imagens passavam ligeiras, como o tempo para o menino. O que via enchia-me de encanto, de vez em quando respingava no rosto água cristalina e fresca, nascida das pedras, quando o trem passava pelo túnel.

Às vezes entre arvores sentia ternura na cantoria do Curió e do Canário do Reino e outros tantos que nem sei o nome, era como uma boa vinda, para o dia de não fazer nada. Um céu azul cobria os campos verdejantes da região, de quem viaja para o norte mineiro, onde nuvem azul era fantasma da seca esmagadora àqueles bravos sertanejos das páginas de Guimarães Rosa, que os fez crer, que na vida é preciso mesmo ter coragem e ação no embrulhar constante.

A cada estação o convite para descer, mas meu coração dizia ficar. Olhava preguiçosamente a plataforma, fechava os olhos. Neste sobe e desce a paz que buscava, estava no trem, que apitava continuamente pelas cidades. Havia uma magia naquele trem, do menino que sonhava ser maquinista do trem que ia para Vitória encontrar o mar, mas que mudava a cada estação.

De repente um apito estridente e continuo, era o fim de mais uma viagem de ver de trem as belas terras das Gerais. Meu coração acelerou na plataforma ao ver aquela menina de anos atrás, agora moça bonita de tranças negras pelo ombro. Olhos se encontraram e vi que era feliz, quando ela se dirigiu em minha direção com um sorriso leve. O trem partiu e eu ali na plataforma de frente para o meu passado.

Toninho
24/08/2018 tem novidades lá toninhobira.blogspot



Nota:
1- A serra do Curral integra o maciço da serra do Espinhaço. É o limite leste do município de Belo Horizonte. Seu nome alude a Curral del Rei, primitiva designação da localidade onde foi erigida em 1897 a capital de Minas Gerais, Belo Horizonte

2- Parque no centro da cidade, ao lado da Avenida Afonso Pena um pulmão para a cidade.


Boa semana
para você.
Grato.




sábado, 22 de setembro de 2018

A espera feliz.


Poetizando e encantando estamos de volta neste inicio de Primavera no Brasil, atendendo o belo convite da amiga Lourdes no seu blog onde clama pela interação dos blogueiros. Vamos lá e participe e veja outros amigos. Ela sempre oferece cinco imagens para escolha aqui filosofandonavidaproflourdes assim escolhi a de numero 5 abaixo e dirigi minha inspiração para apreciação de vocês. Eu tenho usado o fado como ilustração musical por um gosto velho vindo de meu pai e hoje pelos queridos amigos de Portugal. Vamos lá.



O olhar perdido lá no horizonte.
sozinha espera no píer da praia,
Sente uma brisa fria pela fronte,
Enquanto uma saudade a tocaia

Pelos olhos verdes vindo do mar,
No barco que um dia ele partiu.
Alivia seu coração neste esperar,
de veste fina vive o desejo subtil.

Entoa a canção que fala de amor,
Em serenata de noite enluarada,
fiel expressão de alma do cantor,
que diz da saudade desabrigada.

Longe raios solares beijam o mar,
derradeiros raios na rara beleza.
Vê a vela tremular, a faz vibrar
Suspira feliz pela grata surpresa.

Toninho
22/09/2018 


Um bom fim de semana para todos.

Feliz Primavera 
no coração.



quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Lapidação do sonho.




Guardo um sonho como joia rara,
quem o lapidou foi o Pai Artesão,
Generoso usou o legitimo Carrara,
moldou a chama de meu coração.

Hoje estou com um texto inspirado para comemorar o aniversário da querida amiga Norma Emiliano do Blog pensandoemfamilia., onde a Norma compartilha sua experiência como Terapeuta de família, que sigo desde que iniciei pela blogosfera, indicado pelo meu amigo e conterrâneo José Claudio Adão (Kaká), hoje distante deste espaço. E tive a grata satisfação de conhece-la juntamente com sua amiga comadre de passagem por Salvador. 


Meus parabéns Norma e toda felicidade possível nesta nova fase coroada pela experiência e sabedorias adquiridas. Um abraço especial amiga. Assim a uma semana antes de seu aniversário iniciou-se uma corrente de postagens comemorativas Baseadas em “A Chama da Vida” desde o dia 08/09 confiram lá e vejam as expressões de amizade. Hoje estou por lá. Confiram. Neste ano a Norma enfim teve seu livro publicado com suas concepções nesta delicada área. Eu recomendo.
Do seu livro Capitulo: Balanço entre ganhos e perdas: compartilho dela uma visão do envelhecimento.
Mas a Norma deu uma escapadinha da Terapia e se deixou levar pela poesia belamente aflorada com um certo empurrão de minha parte e assim nos brinda com belos poemas no seu blog. Compartilho aqui mais uma página do seu livro.

Meus parabéns Norma neste dia 20 de setembro pela pessoa, pela profissional, pela poetisa, pela amiga. 

Uma rosa para a Norma 
em seu aniversário 20/09


Toninho.









domingo, 16 de setembro de 2018

Pétalas de sangue.


Poetizando e encantando um projeto da professora Lourdes originariamente aos domingos, com um objetivo de integrar os blogueiros e espalhar poesias aos quatro cantos do mundo. É importante que incentive a todos com sua visita. Ela tem antecipado, para facilitar a participação, que pode ser durante toda semana, então vamos lá conhecer e participar aqui: filosofandonavidaproflourdes
Nesta semana apos escolher minha imagem das oferecidas, empresto meu coração feminino e apresento minha inspiração.




Não fosse nosso conturbado amor,
eu seria a mais feliz das mulheres,
ainda que decepcionada pela dor,
sinto no peito os mesmos quereres.

Encontro-me perdida, sem o chão,
volto à praia, é última esperança.
Meu olhar perdido na imensidão,
nada vejo a desilusão me alcança.

Rosa despetalada foi companhia,
já levada pelo sopro da leve brisa.
Toda força se esvaiu pela apatia,
que o meu corpo inteiro hidrolisa.

Toninho
15/09/2018

Meu outro blog: Momentos e inspirações 




  Desejo a todos um bom domingo 
para uma semana maravilhosa.
Grato sempre.

Um convite: não deixe de ler um poema forte e lindo aqui: pedrolusodcarvalho.blogspot

sexta-feira, 14 de setembro de 2018

A dor perde a razão.





Uma imagem em 140 caracteres desafio da Mari de toda Sexta-feira em seu blog devaneiosedesvarios. Vamos lá e participe




Apresento três versões ou três olhares.



I
Revoltado descrente da politica
rasgou o seu título de eleitor.
Bebeu e adormeceu como ébrio.
O violão mergulhou na lagoa.
Exilou-se em Paris.

II
Acreditou nos Direitos humanos,
voltou esperançoso e desiludiu-se.
As velhas inspirações já fugidias.
Adeus ao violão lançado ao mar.

III
Violão companheiro dileto depois de um infeliz romance
calou-se dentro de uma piscina. Peixinhos tiram acordes,
Eu me afogo pelas saudades.



Toninho
 14/09/2018

Veja outra poesia minha: Momentos de inspirações

Grato sempre.
Bom fim de semana.


sábado, 8 de setembro de 2018

Moça bonita da poesia.



Poetizar e encantar uma proposta nos fins de semana que a professora Lourdes nos convida em seu blog onde ela oferece algumas imagens para escolha. Conheça e participe deste projeto com certeza vai gostar veja: filosofandonavida.


A moça bonita que me inspira e fascina,
inebriante cheiro do verde capim limão
com mãos sedosas no toque que desatina.
Ali deitada a sensualizar haja tentação.

Ela é a moça bonita, que tanto me seduz,
vem com o teu lindo vestido provocante.
Quando dança encanta, tudo aqui reluz,
em transe revivo com o desejo faiscante.

Ela vê e sente que o meu olhar sentinela,
vaga pelo salão, mas numa terna vigia,
há o frisson, quando cruz0 os olhos dela.

Moça bonita de flor no cabelo fantasia,
de musa inspirada na noite luz de vela,
Ah, como eu queria, não fosse só poesia.

Toninho
08/09/2018 


Grato sempre 
Feliz fim de semana