Páginas

terça-feira, 13 de julho de 2010

Homem debaixo da pia

O homem debaixo da pia.











(imagem Google- Ouro Preto-Igreja das Merces-MG)



*Sozinho debaixo da pia/santo homem se cura/Do delito da sacristia/Sua alma se apura.

Naquele dia Tom acordou cantando suas musicas apaixonadas. Quase não tomara seu café, apenas sorriu para sua mulher, pernas no mundo e sumiu. Às vezes tinha estes repentes, que bicho homem acomete, quando em vez. O velho cão no terreiro apenas o seguiu até o portão e se assustou, quando este bateu forte. Não estava bravo, nem triste apenas cantarolava,voava e assobiava suas musicas. E assim seu vulto magrelo sumiu naquela rua de pedras de casas semelhantes.

Tom passou pelos bares e não se quedou a primeira do dia, nem aos convites saídos do bar. Seguia resoluto na sua caminhada para lugar nenhum entre ruas e ladeiras. Parou em frente à igreja se benzeu com o nome do pai, olhou para cima como se buscasse ver as mãos de Deus, mas apenas o sol forte a lhe queimar as vistas, agora protegidas pelas mãos. Não viu aquele tradicional cego com seu pandeiro a esmolar, nem o velho barrigudo padre que sempre pela manha ficava observando a passagem dos fieis.

Deu a volta pelo lado da igreja, no sentido da casa de moradia do padre, silenciosamente foi entrando,quando o gato o encarou como lhe condenando,maldito gato pensou Tom, mas seguiu sob os olhos verdes daquele felino. Simulou bater palmas anunciando a chegada, mas ao ouvir sons vindos da igreja, mudou seu trajeto no sentido desta, quando percebeu, que uma mulher trajando preto e véu saía meio assustada da sacristia. Imaginou milhares de coisas que a cabeça humana e de homem possa imaginar sobre os padres, mas aos olhos de tanto santos naquele lugar, deu uma engolida seca e foi entrando.

Ao chegar sentiu um cheiro forte de álcool espalhado pelo ar, andando pouco mais observou caídas umas garrafas rotuladas vinho do padre. Sem entender ao certo pensou, que poderia ter havido algum tipo de roubo, mas aquela mulher apenas saiu apressada não carregava nada, apenas o véu a lhe cobrir parte do rosto. Não vendo movimentos de pessoas passou a verificar o lugar, quando se viu na sacristia. Circulou, olhou e não vendo nada, preparava para sair, quando ouviu uma espécie de ronco. Voltou-se como identificar de onde saía tal coisa.

Chamou pelo nome do padre e do sacristão e não obteve respostas. Homem macho, bravo não se intimidou. Quando se preparava para sair, encontrou o padre, que vinha com cestas de verduras frescas doadas por algum fiel, correu a seu encontro, fez suas reverencias e logo disse que algo estranho havia acontecido na sacristia, que exalava cheiro de álcool e tinha uma garrafa caída no chão, mas não falou da figura da mulher.

Rapidamente os dois se dirigiram para o local, quando novamente o som do ronco se ouviu, Tom tremeu como vara verde e deu uma parada como carro freado bruscamente, mas o padre seguro no crucifixo, logo gritou bravamente, que se fosse o demo, que se afastasse em nome do Pai. Mas sem resposta ou outro tipo de repulsa, circularam pela sacristia,quando percebeu, que debaixo da pia estava o sacristão a dormir como uma criança, ao seu lado uma garrafa do vinho. Tom balançou a cabeça em sinal de incredulidade,pensou naquela mulher e nada disse, pediu bênçãos ao padre e seguiu sua caminhada assobiando a canção "Cachaça Mecanica" do Erasmo Carlos, como se nada houvera acontecido.

Quem era a mulher?

Ninguém sabia ninguém viu apenas o Tom teve a infeliz idéia de segredar a uma Candinha da cidade. O que se sabe naquela cidade das Minas tão Gerais, que depois deste fato o sacristão fora internado numa clinica em Barbacena, mas a candinha da cidade espalhou que a mulher era uma loira solteirona, que havia morrido há muito tempo apaixonada pelo sacristão, que naquele dia teria vindo e o seduziu e tomaram todo o estoque do vinho da igreja.


*Inspirado nesta interação de trova postada no Recanto das Letras (Código de texto T2312300) pelo magnífico Roberto Rego, na qual fiz a interação referida.

Toninhobira
12/07/2010

3 comentários:

  1. Toninho, este conto é divino! Ops, quer dizer, hereticamente divino! Divina mesmo foi a sua inspiração. Abraço grande. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  2. Olá amigo, boa noite! Mas tu andas com a inspiração fértil! Esse conto é daqueles que quando terminamos de ler continuamos a querer mais! Deliciosa leitura, mas ainda continuo querendo saber quem era a tal mulher, que de alma penada não tinha nada, né?! rsrs...
    É sempre um prazer renovado te ler querido amigo! Carinhos sempre a ti... Abraços

    ResponderExcluir
  3. Muito bom seu espaço e que escreveste melhor ainda

    ResponderExcluir




Obrigado pela sua visita.
Alguma dificuldade ou desconforto neste blog como tamanho de fonte, dificuldade de comentar, links maliciosos etc favor comunicar para corrigir.
Caso não tenha um blog poderá comentar como anonimo e no fim colocar seu nome ou não para que possa agradecer.
Fique a vontade!
Meu abraço de paz e luz.